Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

de ,
Assisti ao último clássico do futebol nacional com um dos meus filhos, que gosta muito de futebol, um vício que pode ter sido hereditário. E este me perguntou: - papá, os nossos jogadores não têm os nomes nas respectivas camisolas porquê? Há dias Esteves Hilário, jurista e adepto do Petro de Luanda, apelou aos seus co-adeptos para adquirirem camisolas do Petro de Luanda e ao mesmo tempo que solicitava à direcção de Tomás Faria para que pudesse reunir camisolas para os mais pequenos.
O meu colega e amigo Zugu Epalanga, jornalista, teve no ano passado dificuldades para adquirir camisolas para o seus primos que vivem fora de Angola e que são adeptos do 1ºde Agosto.
Todas estas situações que relatei vão redundar no problema do \'merchandising\'. Um negócio que os clubes continuam a menosprezar. Talvez porque não acreditam que possam dele ganhar os milhões a que estão acostumados ou pura e simplesmente estão conformados com o que recebem dos patrocinadores e dos direitos televisivos. Não é de todo compreensível que o 1º de Agosto não tivesse lucrado com \'merchandising\' no ano passado, com o brilharete na Liga dos Clubes Campeões.
Não é crível que o 1º de Agosto tivesse deixado sair activos como Gerson e Geraldo sem ter factura milhões de kwanzas com as respectivas camisolas respectivas. Está visto que \'merchandsing\' é coisa de outro mundo para os nossos clubes, em particular os grandes. São esses que mais adeptos reúnem e hipoteticamente os que mais poderes de compra possuem.
Ninguém em sã consciência assume que os produtos desportivos ou \'merchandising\' não sejam uma fonte de receitas para os clubes, mesmos os angolanos. Se eu tivesse de sugerir uma solução aos grandes clubes, apontaria a venda dos direitos de produção e comercialização de todos os produtos a um particular. Basta um concurso público para encontrar as melhores ofertas.
Está é quanto a mim a solução para está problemática. Oxalá, que os dirigentes não ofereçam esses direitos aos seus filhos ou esposas como a acontece com os outros negócios, como os espaços para restaurantes e salões de festas que são postos à disposição familiares dos dirigentes e sem deles receberem grandes ganhos. Não é pecado nenhum que o façam, desde que concorram em igualdade de armas com os outros e que haja um júri independente para escolher as melhoras ofertas. Se for isso, nada a fazer. Cântido Teixeira

Últimas Opinies

  • 23 de Fevereiro, 2019

    Avante petrolferos!

    Hoje, vamos voltar a abordar a campanha do Petro de Luanda nas Afrotaças que amanhã, a partir das 20 horas, no Estádio Borg El Arab, na cidade egípcia de Alexandria, defronta o Zamalek local, em jogo referente à última jornada do primeiro turno, do grupo D. Nesta altura, à entrada da terceira jornada da competição os rapazes às ordens de Beto Bianchi somam três pontos, fruto da vitória sobre o Gor Mahia do Quénia, aqui em Luanda, por duas bolas contra uma.

    Ler mais »

  • 23 de Fevereiro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não conseguimos um ponto. Quem logrou um ponto é o Petro em nossa casa. Pelo volume ofensivo que tivemos, merecíamos vencer o jogo.

    Ler mais »

  • 23 de Fevereiro, 2019

    A febre do futebol

    Depois do cerrar das cortinas do primeiro turno, com o duelo entre o Sagrada Esperança e o Petro de Luanda, que se saldou num empate nulo, as emoções do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabola Zap 2018/2019, regressam na próxima terça-feira. É o recomeço das hostilidades da maior prova do nosso “association” e que leva a alegria para os vários estádios espalhados pelo país.

    Ler mais »

  • 21 de Fevereiro, 2019

    Petro deve definir o que pretende

    O Petro de Luanda está a disputar três competições importantes a saber: Girabola, que já não ganha desde 2009, Taça de Angola e Taça da Confederação Africana. Desnecessário seria dizer, que não é uma empreitada fácil, pois ambas envolvem muito desgaste físico e económico.

    Ler mais »

  • 21 de Fevereiro, 2019

    Citaes

    O mais importante foi termos terminado o encontro num ambiente harmonioso. Concluímos que devemos reatar os trabalhos, tendo em conta os desafios que temos pela frente, que passam pela disputa do Girabola Zap e da Taça de Angola. Talvez na próxima semana, teremos mais alguma coisa por resolver em relação ao assunto.

    Ler mais »

Ver todas »