Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

hora do futebol

14 de Junho, 2018
Numa mescla de espectáculo e indústria, e disputado sob a égide da FIFA, a prova tem o condão de congregar, nesta altura, 32 das melhores selecções nacionais da actualidade, ou pelo menos aquelas que melhor se apresentaram na fase de qualificação, nas respectivas zonas dos cinco continentes.
Espectáculo, porque reúne nos relvados os melhores executantes do mundo do futebol, em que na actualidade sobressaem o português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi, dois expoentes de outra galáxia.
Indústria, porque o futebol nos dias que correm é uma verdadeira actividade lucrativa, que movimenta biliões de dólares, uma máquina de gerar negócios até nos pontos mais recônditos do globo.
Noves fora os escândalos de corrupção em que esteve envolvida, a FIFA continua a ser uma estrutura de peso e voz, que impõe regras aos seus filiados e desafia governos, mesmo os mais autocratas, que muitas vezes querem impor as suas decisões ditatoriais às respectivas federações nacionais de futebol, mas que acabam sempre por recuar, quando o órgão reitor do futebol mundial faz ouvir a sua voz tridente.
É hora da bola. É hora também dos astros começarem a brilhar nos recintos do Mundial com solenidade, porque os olhos do mundo estarão direccionados para si. Os milhares de espectadores que, com a devida antecedência, fizeram a escolha dos ingressos para ver ao vivo ídolos de quem apenas têm ouvido falar, estão ávidos de futebol de primeira e vão cobrar pelo que pagaram.
O futebol é bonito quando jogado com paixão e respeito pelo adversário; quando mantém-se imune à violência e não se deixa intimidar por ameaças de terrorismo, quando une os povos, e mesmo em zonas de permanente conflito, cria laivos de felicidade a crianças e jovens que, debaixo do rugir de canhões e do silvar de balas, aproveitam pausas efémeras para acompanharem a festa da bola, que o mundial nos proporciona.
É hora da bola, é hora do mundial.
Como escrevia o pensador, \"Se todas as batalhas dos homens se dessem apenas nos campos de futebol, quão belas seriam as guerras\"
Fontes Pereira

Últimas Opinies

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Se for convocado para a Selecção Nacional estarei disponível, porque é um sonho de todo jogador.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Desafios para 2020

    Hoje estamos a 19 dias do fim do presente ano gregoriano. É hora de se ir olhando para aquilo que foram as conquistas desportivas do ano que se apresta ao fim.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Cad a liga?

    O ano apressa-se para o seu fim, e nada se conhece sobre a liga. Depois de Pedro Neto, então presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), ter prometido durante todo o seu consulado constituir a prova nacional do futebol numa liga, o certo é que terminou o mandato sem honrar com a sua palavra.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

Ver todas »