Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A bandeira da So Silvestre

29 de Dezembro, 2018
A corrida de fim de ano presta-se a sair à rua, com ela a emoção de uns, a competitividade de outros, sobretudo a familiaridade de todos, por acharem que está para além do lado da competição, tem outras nuances que podem ser capitalizadas, como a amizade, a camaradagem, amor ao próximo, a solidariedade, enfim, todos esses valores que o desporto encerra, tendo como bandeira, o fair play.
A corrida São Silvestre de Luanda, este ano, regista a sua 63ª edição. Tornou-se, inclusive, tradicional, em que os angolanos nos últimos tempos encontram imensas dificuldades para triunfar. É verdade que perdeu algum fulgor.
Aliás, ao longo desse período, vários foram os anos áureos em que o espectáculo esteve nas ruas de Luanda à solta.
Atletas, como, Joaquim Morais, Bernardo Manuel, António Andrade, João Baptista Ntyamba, Aurélio Mity, entre outros, procuravam em pista a sua competência e logravam convencer a opinião pública do valor que tinham.
Ombreavam, até, com outros nomes do atletismo mundial que à determinada altura, preferiam a nossa São Silvestre, em detrimento da do Brasil, para tentar “garimpar”, dado o “cache” que se praticava.
Estávamos em fase das “gorduras”. Berharnu Ghuirma, Paul Tergat e outros, são exemplos claros. O etíope Ghuirma ousou vencer por largos anos consecutivos, porque não tinha adversários à sua dimensão.
O mais grave é que era um rapazote, com pouco menos de 25 anos e franzino, cuja simpatia na estrada, com a passada de autêntica “lebre”, punha “no chinelo” os seus mais directos concorrentes.
Das cinco vezes que ele veio à Angola, foi quase sempre assim. Não teve oposição. Venceu sempre e dignificou a corrida. Aliás, eram sempre os grandes nomes da actualidade do atletismo que vinham correr, no último dia do ano, nas ruas de Luanda. A apetência dos corredores expatriados espevitava e aguçava os angolanos, que esmeravam-se na preparação, à procura de melhorar as suas marcas. É grande a legião de nomes que vincaram na altura.
Arnaldo Kachiunha, Augusto Diogo “Seco”, Ana Isabel Elias, João Carvalho, Eugénio Catombi, Gaudêncio Hamelay, Rosa Tomás, Antónia Margareth, Pedro Dala, Cambilo Vingunga, Paulo Kintique, José Dala, Leontina Madalena, Teresa Tchiculile, entre outros, que nos primórdios sob a batuta de técnicos, como, Miguel Doxiano, Dorito, Ângelo Amado e outros, fizeram que houvesse continuidade e surgissem valores, como, Avelino Dumbo, Joaquim Chamane, António Manuel, só para citar alguns, que ao longo dos anos tiveram participações notáveis à nível da São Silvestre.
Ana Isabel Elias, a “gazela” do atletismo nacional, actualmente presidente da Associação Provincial da modalidade na Huíla, onde desenvolve um notável trabalho, ousou vencer, inclusive, uma das edições, para além de outras participações de vulto ao lado de diversas “feras”africanas, particularmente, as do Quénia e da Etiópia. José Dala, outro huílano, venceu, igualmente, uma das edições, justificou que se pode apostar na prata da casa.
Os tempos realmente passaram. Hoje, a realidade é outra. Completamente diferente, desde a qualidade da prova, às performances dos atletas que vêm, os incentivos, os patrocínios, enfim, a sua própria magnitude.
Até a visibilidade internacional, em termos de marketing, a corrida deixou de ter e se ainda a tem, é bastante diminuta.
A meio dessa realidade, empresários credibilizados da nossa praça, ainda com alguma bonança nos seus recursos, apostavam por conta e risco, em trazer atletas estrangeiros para os vestir com a sua camisola e correrem em sua representação.
Assim, aconteceu com o Kabuscorp do Palanca, que fez imensas parcerias desse calibre e logrou vencer. Hoje, os tempos são de facto outros, infelizmente, a corrida ficou pobre. Poucos patrocínios e pouca qualidade.
Ela (a corrida) “corre” o risco de valer, apenas, pela sua tradição. O hábito de disputar todos os anos, por ser uma festa popular, em que o cidadão comum “mergulha” para fechar o ano, com a bandeira do desporto.
Tudo o resto, é a satisfação de sair de facto à rua, seja com que atletas for. Venham estrangeiros competitivos e de gabarito ou não, vamos correr a nossa São Silvestre e augurar que se torne grande outra vez. Bem-Haja!
Morais Canãmua

Últimas Opinies

  • 14 de Outubro, 2019

    Objectivo alcanado

    Terminou na passada sexta-feira, em Benguela, o Campeonato Africano de futebol para amputados, que durante dias a fio juntou naquela cidade do litoral angolano seis países, sendo cada qual com a sua capacidade competitiva, com a sua ambição e com a sua meta estabelecida no certame.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Mais um campeonato sem clima de Girabola!

    Já se tornou costume dizer-se, que os campeonatos de futebol da primeira divisão, não importa o país em que se realiza, devem dar aos prosélitos e amantes do futebol o que eles mais querem ver.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Devolver o basquetebol aos seus

    Ver um clássico do basquetebol nacional hoje as vezes dói. Continua a ter alguns bons executantes é verdade. Carlos Morais,Valdelicio, Armando Costa e uns poucos são ainda os tais que nos mantém nos sofás.

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    Os nossos embaixadores e a lotaria da Champions

    Há quase 40 anos a participar nas provas da Confederação Africana de Futebol (CAF), nesta época, pela primeira vez na história, o desporto-rei no país testemunha a presença simultânea de duas equipas angolanas na fase de grupos da maior prova de clubes continental.

     

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    possvel o 1 de Agosto e o Petro chegarem l!

    A entrada dos dois colossos do futebol angolano, para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, é um feito transcendente e que pode despoletar outros benefícios mil, se tivermos em conta toda a avalanche de interesses que encarna as hostes de um e de outro que, decididamente, partem em busca da conquista da África do futebol.

    Ler mais »

Ver todas »