Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A deciso da Confederao e o choro triste dos Camares

03 de Dezembro, 2018
No sábado passado a África do Futebol, e mesmo Mundo, viu, ouviu e leu na ou pela imprensa o ministro dos Camarões, que é o responsável pela Comunicação e porta-voz do Governo, Issa Tchiroma Bakary, a lamentar , quase com lágrima nos olhos, a decisão da Confederação Africana de Futebol , de retirar daquele país, a organização da Taça de África as Nações (CAN) em 2019. Para si e alguns compatriotas seus...doeu e ainda dói a medida!
O ministro até apodou a decisão da Confederação como uma \"flagrante injustiça\", \"consternação\" , \"surpreendente desrespeito aos enormes investimentos realizados pelo seu país em belas infra-estruturas modernas visíveis a todos\".
Quem cofre um revés, muitas vezes contra-ataca sempre com farpas incediárias, mas, para mim particularmente - porque verifiquei de outras fontes - a decisão da Confederação Africana de Futebol em retirar a Taça de África das Nações de 2019 dos Camarões se deve a outros temores.
Sei que o Comité Executivo da CAF se reuniu na sexta-feira passada em Accra, capital do Gana, onde reviu um relatório das duas últimas visitas de inspecção da Confederação, sobretudo em redor de uma vistoria às condições de segurança a infra-estruturas, estádios e alojamento que levantou muitas questões.
Contudo, já a 29 de Setembro deste ano, num encontro do Comité Executivo, ocorrido em Sharm el Sheikh, Egipto, a Confederação observou o que qualificou de \"um atraso significativo na conclusão da infra-estrutura\", necessário para a realização da Taça das Nações nos Camarões.
Naquela altura apontou mesmo que a situação de alta segurança, de pessoas e bens, nos Camarões, estava muito tensa, já que o país sofre persistentes ataques dos terroristas/jihadistas do Boko Haram no Norte do país e um conflito contínuo entre o exército e os separatistas nas duas regiões de língua inglesa do país.
São obviamente fundados sinais de a organização terrorista Boko Haran poder \"infernizar\" , com sangue e luto, a competição. E o futebol não pode ser nem mote à palcos de sangue, dor e luto. Eu, particularmente, aplaudo a medida da Confederação!
Não possso, nem podemos olvidar o seguinte: nós aqui mesmo em Angola, há dez anos, vimos a África e Mundo, que vibram com o futebol, a confrontarem-se com uma inesperada \"triste nova\". Em 2010, Angola tinha tudo arrumado para abrir a Taça de África das Nações...um abominável ataque das forças da FLEC teve lugar contra a selecção do Togo que entrava em Cabinda pela região congolesa de Ponta Negra.
Então a Confederação Africana de Futebol e a Federação Internacional de Futebol Associado, desde aquela data, tomaram providencias para evitar que países organizadores estejam na mira de organizações terroristas, como é hoje essa sanguinária organização Boko Haran, que estende a suas macabras acções, da Nigéria a países limítrofes. Tal é o caso geográfico dos Camarões.
Até àquele data do ataque contra a selecção do Togo - dia 8 de Janeiro de 2010 - a história do futebol africano, a nível da Taça das Nações, não inscrevia, nos seus anais, acto bárbaro igual.
Compulsando os arquivos dá para ver e saber que só em 1990 é que a África viu uma Taça das Nações a ser \"abalada\"”: a Líbia não se fez representar, porque, na véspera do pontapé de saída, deu-se o assassinato do presidente Anouar El-Sadate.
Depois, a Argélia acolheu a competição, no meio de um clima agitado. O poder político instituído lutava contra a Frente Islâmica. Havia manifestação de estudantes, reprimidas selvaticamente pelas forças armadas.
Nesse ano, o Egipto recusou-se a participar, só tendo cedido mais tarde, devido à insistência da Confederação Africana de Futebol. O Egipto enviou então a sua equipa nacional que \"contra\" a Argélia jogou uma final onde diversos objectos foram atirados ao campo.
Foi num ambiente em que se deu conta no interior do estádio - infiltrados nas tribunas - a presença de militantes da Frente Islâmica, esse movimento que foi oponente do então presidente argelino Chadli Bendjedid.
Portanto, agora nos Camarões, a boa decisão da Confederação aconteceu numa altura em que admiravelmente o já longevo e ancião Paul Biya era reinvestido como Presidente dos Camarões, diante da Assembleia Nacional para o sétimo mandato, após vencer as eleições realizadas em 7 de Outubro com 71% dos votos, já com 85 anos de idade no meio de alta contestação política e social.
Hoje, Pau Biya se consolida como o segundo presidente, não só da África, mas do mundo, que está há mais tempo no poder - 36 anos consecutivos -, atrás apenas de Teodoro Obiang, de Guiné Equatorial...
Portanto, a 32ª edição da Taça de África das Nações, que aconteceria de 15 de Junho a 13 de Julho de 2019, nos Camarões, pode rolar noutro países e ainda bem que a Confederação abriu as portas a candidaturas.
Mas, quanto a mim, oxalá decorra sempre fora da região do Magreb, pois, como se sabe, o Marrocos já está disparado por todos os lados com uma quase condescendência sobre sua capacidade de organizar a competição. Até já anunciou que é um candidato, mas... muitos países ao Sul do continente continuam a denunciam uma hegemonia exibida pelos países do Magreb nas instituições do Confederação.
António Félix

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »