Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A desero na FAF

26 de Novembro, 2018
A saída inexplicada de alguns dirigentes da Federação Angolana de Futebol (FAF) é uma mensagem, que não pode ser ignorada. É uma mensagem que vai no sentido contrário ao do que acontece nos relvados. Ou seja, é um clima que pode perturbar o ambiente de reconquista dos Palancas.
Depois de um período de descrença dos adeptos, as últimas exibições da equipa nacional está a chamar de volta os adeptos, o que exige da FAF silêncio. Fazer apenas o necessário, como colocar à disposição das selecções as condições mínimas. É preciso que os dirigentes da FAF coloquem na mesa o interesse maior. Terá sido, alías, em nome disso mesmo que concorreram para o cargo. Por isso, os dirigentes têm a obrigação de encolher os egos. Recolher os títulos e alguma arrogância em nome do futebol. Como em todas as instituições, o presidente deve ser o primeiro, o aglutinador e não o dissuasor. A saída de Norberto de Castro foi ignorada, porque entenderam muitos que se tratasse do carácter dele.
A seguir outro vice bateu a porta. Acendeu o sinal.Norberto de Castro queixou-se de que tínha sido preterido, queriam-no a exercer um papel de \"office-boy\" (estafeta ou menino de recados) ao invés da função inicialmente proposta: vice-presidente para o futebol jovem. Com a segunda deserção, ficou concluída a ideia de que Artur Almeida fez um apartheid, chamou para junto de si alguns, e fechou a porta para a maioria.
Felizmente, as associações despertaram para uma situação, que pode contagiar o caminho que os Palancas Negras estão a trilhar. Abro um parênteses para dizer, que não vivo obcecado com a qualificação para o Campoenato Africano das Nações (CAN). Valorizo mais um projecto estruturante. Fecho, e gostaría de concluir com apelo para o serenar dos ânimos, a importância de um trabalho conjunto, mais do que isso transparente. Todos são poucos para a grandeza dos desafios do futebol nacional. Entendam-se senhores! Teixeira Cândido.

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »