Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A desero na FAF

26 de Novembro, 2018
A saída inexplicada de alguns dirigentes da Federação Angolana de Futebol (FAF) é uma mensagem, que não pode ser ignorada. É uma mensagem que vai no sentido contrário ao do que acontece nos relvados. Ou seja, é um clima que pode perturbar o ambiente de reconquista dos Palancas.
Depois de um período de descrença dos adeptos, as últimas exibições da equipa nacional está a chamar de volta os adeptos, o que exige da FAF silêncio. Fazer apenas o necessário, como colocar à disposição das selecções as condições mínimas. É preciso que os dirigentes da FAF coloquem na mesa o interesse maior. Terá sido, alías, em nome disso mesmo que concorreram para o cargo. Por isso, os dirigentes têm a obrigação de encolher os egos. Recolher os títulos e alguma arrogância em nome do futebol. Como em todas as instituições, o presidente deve ser o primeiro, o aglutinador e não o dissuasor. A saída de Norberto de Castro foi ignorada, porque entenderam muitos que se tratasse do carácter dele.
A seguir outro vice bateu a porta. Acendeu o sinal.Norberto de Castro queixou-se de que tínha sido preterido, queriam-no a exercer um papel de \"office-boy\" (estafeta ou menino de recados) ao invés da função inicialmente proposta: vice-presidente para o futebol jovem. Com a segunda deserção, ficou concluída a ideia de que Artur Almeida fez um apartheid, chamou para junto de si alguns, e fechou a porta para a maioria.
Felizmente, as associações despertaram para uma situação, que pode contagiar o caminho que os Palancas Negras estão a trilhar. Abro um parênteses para dizer, que não vivo obcecado com a qualificação para o Campoenato Africano das Nações (CAN). Valorizo mais um projecto estruturante. Fecho, e gostaría de concluir com apelo para o serenar dos ânimos, a importância de um trabalho conjunto, mais do que isso transparente. Todos são poucos para a grandeza dos desafios do futebol nacional. Entendam-se senhores! Teixeira Cândido.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »