Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A eliminao do Petro e o tal patriotismo

21 de Março, 2019
Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido.
Apesar, das vozes soltas, por cá e acolá, que defendem que os petrolíferos cumpriram o objectivo estabelecido para a referida prova, que era atingir a fase de grupos, sabe-nos à pouco, porquanto, sem ilusões, sabemos que o objectivo principal de qualquer equipa numa competição, é erguer a taça, sendo os demais objectivos, algo periférico.
Claro, que para se atingir o objectivo principal, devem ser ponderadas outras tantas “coisas e lousas”, que por diversas razões, muitas vezes podem não estar ao alcance da equipa, e aí, sermos obrigados a condescender na análise que se impõe em relação aos resultados alcançados, entendidos como o possível.
Neste particular, o mau resultado do Petro de Luanda e consequente eliminação ocorrida no domingo, no jogo com o Gor Mahia FC do Quénia, e a forma como aconteceu, pode reportar-se negativo para a “nação tricolor”, que viajou para o Quénia na condição de depender do seu desempenho, e melhor que isso, um empate bastava aos petrolíferos, caso no jogo entre o Zamalek e o Nasr Hussein Dey o resultado fosse, igualmente, empate, o que veio a acontecer, ante a “incompetência” da equipa por não aproveitar o que trazia de vantagem.
Todavia, não constituia segredo para ninguém, que neste tipo de competição, vencer os jogos em casa e conseguir pontos fora, é a receita recomendada para atingir os objectivos preconizados.
É neste quesito, que o Petro de Luanda falhou, ao consentir uma derrota diante do Zamalek do Egipto, em pleno Estádio Nacional 11 de Novembro, que sinalizou, à partida, a eliminação angolana, apesar do espírito proverbial, segundo o qual “a esperança é a última a morrer”.
Aqui chegados, não existem meios-termos para a não classificação do desempenho dos petrolíferos, como autêntico fracasso, até por que a equipa do Catetão tinha a obrigação, entre aspas, de fazer melhor que o 1º de Agosto na edição anterior da Liga Africana, bem como não fez na edição deste ano, uma espécie de salvar a pátria. E, por falar em pátria, termo que para o efeito aplica-se no sentido desportivo, aproveitamos a ocasião para discorrer sobre o “tal patriotismo”, cujo apelo para o exercício passou a ser moda em Angola, sobretudo, nas competições de clubes, com a qual não concordo, nem a brincar.
Ou seja, somos avessos à coisas de que na hora de uma equipa angolana jogar com uma congénere estrangeira, evocar-se a presença de adeptos de todas às demais equipas, em defesa do “tal patriotismo”.
Em boa verdade, compreendo que o termo é expresso em linguagem conotativa, definida como utilizada para ampliar o sentido de uma palavra ou expressão, ou dar novos significados que saiam da linguagem formal ou, se preferirmos, a tal gíria desportiva.
Todavia, as forte emoções e paixões vividas no mundo desportivo, não permitem que tal apelo seja, positivamente, correspondido, porquanto, a título de exemplo, os adeptos da equipa A, estão sempre interessados na derrota da equipa B, quanto mais não seja a eterna rival, como nos casos do 1º de Agosto/Petro de Luanda; Benfica -Sporting; Barcelona - Real Madrid; Manchester United - Manchester City, só para citar estes.
Significa, que nenhum adepto, na expressão máxima do termo, vai ao campo apoiar a equipa que as circunstâncias fizeram a adversária visceral da sua, o contrário, um mau adepto ou no fingimento a nível das novelas mexicanas ou filmes de Hollywood. E, quanto a isso, não temos meias medidas: Ou sim, ou sim, que é diferente de ou sim, ou às vezes não. Carlos Calongo


Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »