Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A falsa novela Capita e as dvidas ao seu redor

23 de Setembro, 2019
Até agora ainda estou com dificuldades de perceber os reais motivos de se tentar fazer crer que existe uma \"Novela chamada Capita\". A versão oficial do 1º de Agosto deu-me mais dúvidas do que certezas ainda mais quando fica claro, pelo menos para mim, que o 1º de Agosto preferiu disciplinar de maneira desproporcional a ter de agir como um pai compassivo, tanto é assim, que até na hora de vir a público anunciar a correcção do que está mal, o clube direccionou mal os seus golpes.
Ainda bem que o 1º de Agosto usa o nome da FIFA para tentar nos convencer que os seus argumentos são convincentes. O clube não revela a duração, mas fala do contrato que tem com a jovem promessa, se tudo está por escrito, há motivos para concluir que alguém se esqueceu da lei do bom senso, seguramente o ignorante do atleta mal tem noção do que realmente se está a passar, pois me parece que quer o 1º de Agosto quer o suposto agente e seus familiares estão mais interessados em ver quem tem razão.
Aos olhos da FIFA o Capita é um jogador profissional, é por ele se enquadrar dentro da definição que a FIFA dá para um profissional, que tem os mesmos direitos e deveres previstos na uniforme lei que rege a transferência de jogadores, sobretudo para o estrangeiro. Até certo ponto, a instituição que manda no futebol mundial também tenta impedir que os traficantes de seres humanos, se aproveitem do sonho dos menores e seus familiares que vezes sem contas são cegados pelo poder enganoso das riquezas.
Eu estaria a ser presunçoso se concluísse que o 1º de Agosto não conhece o espírito da lei, a bem da verdade, a minha preocupação é ver que o clube não está focado na raiz do problema. Era mais proveitoso abrir os olhos do atleta, que tem a obrigação de ter uma cópia do contrato, ajudá-lo a perceber que com base no aprovado pela FIFA tem de ter mais de 18 anos de idade, chegar a sua vez.
Como a ideia é evitar um precedente, era também importante explicar que essa lei não é um princípio, por isso tem excepções, mas nenhuma das 3 delas se aplicam nesse momento a Capita. O atleta ainda é imaturo para perceber a diferença entre desejo e necessidade, sendo alvo fácil para um bom charlatão é normal que dê ouvidos a estranhos ainda mais porque sabe, como nós, que da ida do colega Zito Luvumbo para prestar provas num clube inglês. Não me interessa como foi e por que regressou, mas seguramente bastava mostrar o que diz o regulamento da FIFA para Capita cair na real, sem precisar forçar absolutamente nada.
Eu queria que me ajudassem a perceber como um castigo interno dá ausência automática do mundial, não vejo relação entre uma coisa e outra, era importante saber quem é o juiz que está a espalhar a sentença. Eu prefiro me apegar a um outro detalhe, a saber, os nome do pretenso agente e sobretudo dos clubes interessados numa contratação proibida por lei, sem se importar com a mão pesada da FIFA e UEFA.
Antes de o governo angolano aprovar em 1989 a lei que permite oficialmente a ida dos nossos atletas para o futebol profissional, antes o termo tinha razão de ser, vários atletas furaram o embargo e fugiram para Portugal, todos eles estavam proibidos de regressar ao país até para representar a selecção, a chegada de Jesualdo Ferreira acabou por influenciar na amnistia aos fugitivos que jogavam legais na tuga.
Os tempos agora são de mudança, mas é preciso ver a mão visível da FIFA a impedir a repetição dos filmes de fuga do passado. É também com base na realidade actual, que fico sem entender quem é esse agente que domina tanto os meandros do futebol europeu, que nem sabe que nenhum atleta pode sequer iniciar um processo negocial com uma outra equipa, sem receber autorização do seu clube.
Quem está na chuva é para se molhar, isso é tão veraz que até me sinto tentado a perguntar ao 1º de Agosto por que razão demora em fazer a competente queixa nas autoridades policiais, aí sim, eu estaria a ver os golpes a serem direccionados no alvo certo. Qualquer pessoa que domina o regulamento da FIFA fica espantado com as muitas irregularidades cometidas pelo pretenso agente, tudo o que ele está a fazer até ao momento é o mesmo que pôr o pão no petróleo, como gostamos de dizer.
O que conheço da lei da FIFA me permite ter uma ideia exacta da duração do contrato entre o 1º de Agosto e o atleta Capita, mas é importante que o clube venha nos dizer se o suposto agente esteve envolvido nas negociações do contrato, se o nome dele não aparece no documento, que direito tem de influenciar na estabilidade contratual entre o profissional e o clube? Esse é um bom detalhe que nos ajudaria a ver a seriedade do homem, pois a lei é clara demais, se ele não é mencionado por nome no contrato, significa que não participou das negociações, assim então, está a agir com base em que lei? Como é que descobriu que bastava pagar os 200 milhões de Kwanzas, como consta, sem precisar falar com o 1º de Agosto? Onde obteria o Certificado Internacional de Transferências, sem o qual o atleta não pode ser inscrito na nova federação, depois do duplo atropelo mortal da FIFA e FAF?
Eu dava tudo para ver os nossos dirigentes desportivos a aproveitar a existência desse ruído em torno do Capita para provarem que têm conhecimento em vez de títulos, realmente são muitos os enganadores que conseguem se aproveitar do fraco domínio dos clubes das leis aprovadas pela FIFA, que qualquer pessoa atenta conclui que alguém anda a permitir que se pense que aqui ninguém percebe da poda.
Quem tiver boa memória ainda é capaz de se lembrar de um camaronês que tinha muito boa imprensa em Angola, eram entrevistas intermináveis, até em programas em directo. Certo dia, antes duma reunião da FAF com os clubes, Délcio Costa, secretário-geral da federação, pediu ao convidado de "nobre estirpe" para se levantar, depois revelou aos dirigentes e jornalistas que estavam a ver um aldrabão!
Betumeleano Ferão

Últimas Opinies

  • 14 de Dezembro, 2019

    Dcimo lugar reflecte sentido do dever cumprido

    O décimo-quinto lugar conseguido na 24ª edição do Campeonato do Mundo disputado na cidade japonesa de Kumamoto, melhorando o 19º conquistado há dois anos, na Alemanha, constitui uma safra boa.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os nossos atletas estão a corresponder com aquilo que nós almejamos, tentar fazer sempre o nosso melhor, no sentido de disputarmos um campeonato tranquilo para que consigamos, também, na parte final do campeonato, termos essa tranquilidade e a permanência assegurada.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Quem salva o ASA

    Campeão das edições do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão de 2002, 2003 e de 2004, respectivamente, o Atlético Sport Aviação (ASA), um clube cuja existência remonta desde o longínquo 1 de Abril de 1953, corre o risco de extinguir a sua equipa principal.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Vale a pena continuar a acreditar nos nossos representantes?

    A caminho da terceira jornada, os dois representantes angolanos na fase de grupos de Liga do  Campeões Africanos, continuam a decepcionar. Na primeira jornada, os militares perderam dois preciosos pontos na recepção aos zambianos do Zesco United, enquanto os petrolíferos foram goleados por três bolas a zero em casa do Mamelodi Sundowns da África do Sul.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

Ver todas »