Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A fama do Kabuscorp caiu na praa pblica ?

14 de Maio, 2018
Nos últimos dias, fala-se tanto do Kabuscorp do Palanca, dentro e fora de portas, ao ponto de ficar beliscada a sua imagem, devido à \"maka\" que Rivaldo remeteu à FIFA. Por isso, julgo que o clube de Bento Kangamba deve \"arrolar\" esclarecimentos mais convincentes, para que a fama que granjeou não esteja mal na berlinda.
O clube de Bento Kangamba, não se olvide isso, é certamente amado por uns e odiado por outros, o que é normal na vida e no convívio em sociedade.
Sei que o que lhe deu a primeira fama pública, enquanto clube - posses à parte - foi o facto de ter sido fundado nos tempos mais difíceis, para crescer até ao nível de hoje... já com os pilares assentes.
A dada altura, converteu-se num clube a sobrar-lhe \"superavit\" financeiro para sustentar outras equipas, com problemas neste campo: o 1º de Maio de Benguela, por cá, o Vitória de Setúbal, em Portugal, não deixam mentir.
Isto sinal de poder e a força que o Kabuscorp do Palanca somou inclusive com ousadia de chamar as coisas pelos \"próprios nomes\": ganhou títulos e, até, afrontou a Federação Angolana de Futebol em momentos de injustiça. Neste particular, vimo-lo há anos quando o presidente do clube tinha a equipa a \"ver navios\" na luta do título de tratou de dizer que a federação tinha culpa no cartório.
A seu ver, nomeavam-se árbitros para deliberadamente “roubar” à sua equipa, mesmo nos jogos em que o Kabuscorp joga(va) e convencia... ao tempo do brasileiro Rivaldo, que já foi melhor jogador do mundo. Muita gente aplaudiu a coragem do clube, na altura.
Recordo-me que, por causa disso, escrevi neste espaço o que se esperava, no mínimo, era que as instituições de direito partissem logo para a investigação, actuando com homens e meios para se chegar ao resultado final: se a Federação tinha, ou não, fabricação de resultados.
Por causa da coragem de Bento Kangamba, muita gente redobrou a admiração por ele e passou a ser um senhor no futebol, quase venerado pela legião de adeptos da sua equipa e por agentes com notoriedade alta no futebol doméstico, que viam ( ou ainda) vêem nele um dirigente - se certo ou não - íntegro, pessoa talhada para questões de filantropia, acções de graça e altruísmo.
Quando o então seleccionador, o uruguaio Gustavo Ferrín, foi afastado pela FAF, Bento Kangamba foi das figuras que criticou a ferro e fogo a decisão. Através da imprensa defendeu que o treinador fosse com mais 120 mil dólares de indemnização, pelo seu contrato.
Significa que Bento Kangamba e o seu clube estavam para o futebol, com um capital humano e logicamente financeiro, para falar alto como fala(va), compra(va), paga(va) tudo e todos como mandam as regras do futebol.
De onde provinha ou provém o capital para o tanto, com o qual o Kabuscorp fazia dentro e fora do jogo é o que muita gente do futebol desconhecia ou desconhece …embora se saiba que é um clube privilegiadamente com o estatuto de instituição pública e por ter um orçamento proveniente, em parte, do erário.
Não há, pois, como não dizer aqui e agora que este clube deve reunir o pecúlio para pagar o que ainda deve a Rivaldo. Assim, mostra(rá) à FIFA e à FAF que não sendo uma \"sociedade anónima\" está em condições de vir a público evitar as suspeitas que o brasileiro está a levantar.
O clube do Palanca e particularmente o seu presidente , Bento Kangamba, têm esse poder. Viu-se quando bateu o pé à Justiça brasileira, sobre os sinais de branqueamento de capital com a injecção de verbas que o Kabuscorp alegadamente fazia ao Vitória de Setúbal.
O Kabuscorp do Palanca não pode dar motivos para outras cogitações. Seria bom, como se diz entre nós, matar a cobra e mostrar o pau!
A bronca, a \"maka”, só pode subir a pique, para o pior, se o Kabuscorp ver-se confrontado com a hipótese de baixar de divisão, isto se o clube persisitir no ziguezaque judicial-administartivo, que até já chegou à FIFA.
Lembram-se, caros leitpres, do \"Caso Moreno\" - referente ao rapaz que, com dois nomes e duas idades, jogou no Petro e 1° de Agosto e que, por isso, deu um dilema administrativo-judicial, que foi à FIFA deixou marcas profundas de difícil cicatrização? Recordam-se, quando a FIFA aplicou a mão pesada ao (nosso) Jamba, devido à vergonhosa cena de doping? Ou mesmo a FAF que viu uns cortes de subsídio vindo da FIFA, pelo \"calote\" que espetou no contrato com falecido técnico Carlos Alhinho?
ANTÓNIO FELIX

Últimas Opinies

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Citaes

    O Caála foi um digno rival, fechou-se bem, mas o Petro trabalhou para ganhar. Esperamos ter  uma equipa cada vez melhor, porque nesta fase da prova os jogadores já estão mais soltos e os números de golos falam por si

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo da Hula

    Há muito, que os clubes provincianos que militam no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, divergem dos governos locais,  no que toca ao apoio ainda que mínimo às suas acções. Os governos, por sua vez, sempre alegaram que as verbas que   são cabimentadas não prevêem apoio aos seus clubes.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Pblico empurra cinco nacional ao Mundial da China

    A Selecção Nacional de Angola de Basquetebol vai fazer a oitava presença na mais alta roda do basquetebol Mundial, que a República Popular da China vai  organizar em 2019. Mais uma vez, o público angolano foi determinante para a qualificação.

    Ler mais »

  • 10 de Dezembro, 2018

    A "vara mgica" de Artur Almeida

    Sem terceira intenção, até porque ainda está por aquecer o seu cadeirão, faço o novo reparo a Artur Almeida. Vai para o facto de este nosso novo "governante" do nosso futebol, ter dito, há tempos, que não tem soluções mágicas para a modalidade. Será já uma antecipada e primeira desculpa aos desafios com que vai deparar-se no seu mandato?

    Ler mais »

Ver todas »