Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A gesto avestruz da FAF

26 de Agosto, 2019
Correm notícias da contratação de Miller Gomes para director técnico da Federação Angolana de Futebol (FAF). E também a hipótese de alguns jogadores críticos à gestão de Artur Almeida e Silva serem afastados do próximo jogo dos Palancas Negras. Está visto que a nau està à deriva. O problema da FAF não passa pela contratação de mais um treinador para director técnico. Não foi ausência desta pessoa a causa da saída do treinador nem da intensa crítica que a FAF tem sofrido. A raíz de tudo isso prende-se com a “gestão avestruz” de Artur Almeida e Silva. Ou seja, uma gestão não aberta aos outros nem a opiniões. Uma gestão que descura o diálogo ou a comunicação mesmoentre pares. Foi isso que afastou logo no início do consulado o vice-presidente para as selecções, Norberto de Castro; tal como outro vice-presidente (Cabinda); foi esta gestão a causadora da crise nos Palancas antes, durante e depois do Campeonato Africano das Nações (CAN) do Egipto. É a gestão avestruz a causadora em última instância do resultado dos Palancas Negras no CAN, por não ter criado as condições mínimas. E afastou os Palancas Negras do próximo CHAN, por falta de sentido de responsabilidade que à altura hora inventou oferecer a selecção a outro treinador para disputar as eliminatórias. Foi esta gestão que deixou a FAF sem um homem para comunicação (Ulisses de Jesus também foi embora); e poderá ser está gestão que irá inflingir muito sofrimento aos adeptos do futebol se alguém insistir em acreditar nesta direcção. Se paraum bom entendedor basta uma meia palavra, para os adeptos e todos outros basta o “buquet” de erros que se assistiu. À pedra, devem ser igualmente chamados as associações provinciais cujo comportamento assemelha-se a daqueles insectos que caminham sempre em fila indiana. São co-responsáveis desta gestão, porque são facilmente assediados e não têm problema em trocar um voto por uma presença, de uma semana, numa fase final do CAN. Não menos culpados são os clubes,que gritam tanto antes das eleições e na hora do voto mandam os seus directores ou outros funcionários
quaisquer depositaram o voto, com todos os riscos deste exercício. Além obviamente domenosprezo em que se traduz este acto. Em síntese, defendo a saída para ontem desta
direcção e um acto de responsabilidade das associações e rod clubes na hora de escolher quem vai para FAF. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »