Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A hora de Arthur de Almeida

13 de Fevereiro, 2020
Depois de tanta conversa "furada", de avanços e recuos, de arquivamentos e reaberturas, parece que, finalmente, chegámos a algum lado. Não estou com isto a dizer que Artur Almeida é (ou vai ser) culpado. Penso que já é tempo de se avaliar, em definitivo, as suspeitas sobre o seu comportamento em relação à verdade desportiva, nomeadamente no caso em que se diz ter autorizado o ASA a inscrever-se no Torneio de Apuramento ao Girabola 2020/2021. E em torno de uma situação destas só há duas respostas possíveis: inocente ou culpado.
O caminho para se chegar a uma decisão num processo do género pode ser complicado, pois a quantidade de material a ser avaliado (assim como o número de pessoas chamadas a depor) deve ser elevada, mas espero que o Conselho de Disciplina da FAF funcione bem e depressa. Que Artur Almeida tenha o mesmo tratamento dado ao vice-presidente Adão Costa e ao responsável do Conselho Técnico Desportivo (CTD). Ou seja se o responsável máximo do órgão reitor do futebol nacional for considerado culpado...que seja punido; se for declarado inocente...que o deixem em paz!
Embora em causa esteja apenas uma autorização, sem nexo algum, diga-se de passagem, creio que o julgamento vai ser bem mais complexo, pois já todos percebemos que, no que ao mundo do futebol diz respeito, é difícil isolar o que quer que seja. Tudo parece ligado. Se calhar...demasiado ligado, o que historicamente tem levantado muitas dúvidas a quem acompanha o fenómeno. E esse clima de suspeição contínua, em nada tem contribuído para que a modalidade evolua. Bem pelo contrário. Aliás, tudo o que gira à volta do consulado de Artur Almeida fala por si. Imperfeição em cima de imperfeição.
"De uma coisa a sociedade futebolística angolana pode ter a certeza. Quem praticou esses actos vai ser dura e severamente sancionado, porque vai ao arrepio daquilo que são as normas. O nosso compromisso é com o futebol e com a aplicação das normas. Não temos filhos e nem enteados". Esta foi a promessa do Presidente do Conselho de Disciplina da FAF, o senhor José Carlos.
Até hoje, passados sete dias desde que o Jornal de Angola publicou na sua edição de 6 de Fevereiro do corrente, na página 30, um texto de autoria de Honorato Silva, sob o título "Presidente da FAF arrisca castigo por causa do ASA", Artur Almeida ainda não reagiu à notícia.
Pelos vistos deve estar a pedir a colaboração Divina para não dar sossego a todos os que, em seu entender, têm como único objectivo difamá-lo.
Não sou muito chegado às questões religiosas, embora seja católico. Até ver, continuo a preferir a justiça terrena. Convém é que ela seja isenta e certeira. Doa a quem doer. Para bem do futebol, do País, de todos nós que, independentemente dos ideais ou cores clubísticas, queremos continuar a acreditar que vivemos num Estado de Direito que pune os infractores e absolve os inocentes.
O meu apelo é que o senhor José Carlos, presidente do Conselho de Disciplina da FAF, cumpra com o que disse. "Quem praticou tais actos vai ser dura e severamente sancionado...Não temos filhos e nem enteados ". Vamos aguardar com muita ansiedade.
POLICARPO DA ROSA

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »