Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Matias Adriano, Cairo

A hospitalidade dos egpcios

24 de Junho, 2019
Se o futebol, fenómeno transformado, nos dias que correm, numa linguagem universal, é ainda interpretado com algumas reservas em sociedades conservadoras, o mesmo não se pode dizer quanto ao Egipto. O povo por cá vive o futebol com intensidade, não havendo quem não tenha percebido do que é a “caixa alta” do momento.
As bandeiras das nações participantes, cujas cores pintam as cidades sedes com várias tonalidades, falam por si. Nas principais avenidas se podem também divisar \'posters\' gigantes dos principais rostos do campeonato, com realce, como seria de esperar, de Miohamed Salah. Para quem esteve cá, em 2006, nada mudou.
O país se agita de norte a sul, porque o futebol faz, realmente, parte da sua cultura. Não estranha, pois, que numa terra em que a lei-seca impera, os homens se acotovelem em exíguos espaços de restaurantes na luta por uma melhor posição para a tela gigante, apenas para ver em acção os “artistas da bola”, enquanto se delícia com um simples chá.
Serão quase 30 dias de emoções sem limite, porque teve o país o privilégio de inaugurar a fase de 24 nações, no quadro do crescimento numérico do torneio, desde que veio à luz no longínquo ano de 1957 no Sudão. O torneio vai tendo, logicamente, algum aproveitamento comercial.
Estabelecimentos comerciais, principalmente nas grandes cidades, como Cairo e Alexandria, alteraram os horários. Passaram abrir mais cedo e a fechar mais tarde. Como é óbvio, o momento é de facturação à granel, muitas vezes vendendo gato por lebre. O campeonato proporciona esta oportunidade a quem tenha visão.
Matreiros nesta arte, de enganar os menos avisados, estão os hoteleiros, cujas imagens de estabelecimentos, que acompanham os contactos no “booking” despertam atenção, para depois sermos confrontados com algo decepcionante no contacto presencial. Poucos entre nós podem se dar por felizes em termos de acomodação. Mas quanto ao ambiente que deve caracterizar um lugar em festa desportiva nada a contrariar.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »