Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Melo Clemente

A incoerncia de Carlos Hendrick!

13 de Outubro, 2018
Contra todas as expectativas, os amantes da “bola ao cesto” foram surpreendidos, na última quarta-feira, com a notícia que dava conta da desistência da formação feminina do 1º de Agosto, no torneio de apuramento à fase final da Taça dos Clubes Campeões Africanos, competição que arranca a 18 do mês em curso, em Bulawayo, Zimbabwe. A decisão sobre a desistência da turma do Rio Seco não surpreendeu apenas a família da modalidade, mas, sobretudo, as pupilas de Jaime Covilhã, que já estavam na recta final da sua preparação, visando a disputa da aludida competição. Assim, a equipa do 1º de Agosto não vai puder defender o título africano, ceptro conquistado o ano passado, depois de ter suplantado, na final, a sua similar do Ferroviário de Maputo, por 65-51, prova disputada no Pavilhão Arena do Kilamba, em Luanda.
Com a desistência da equipa militar, Angola far-se-á representar, no torneio de apuramento à fase final da Taça dos Clubes Campeões Africanos, com palco em Bulawayo, apenas com a formação do Grupo Desportivo Interclube, isto na classe de senhoras.
Entretanto, a razão avançada pelo presidente de direcção, Carlos Hendrick, segundo a qual a equipa rubro e negra não poderá defender o ceptro africano, em virtude de ter perdido o título nacional à favor do Interclube, acabou por não convencer a família da “bola ao cesto”, e, sobretudo, as pupilas de Jaime Covilhã, que pretendiam assegurar a qualificação e, consequentemente, lutar para reconquistar o anel continental a nível de clubes.
Depois de apresentar a sua massa associativa e não só, o projecto “Cidade Desportiva”, infra-estruturas desportivas, que vieram a dar outra dignidade ao clube, e, por via disso, almejar novos patamares, assegurando sempre troféus continentais, nas mais variadas modalidades, a desistência do 1º de Agosto, acaba por retirar à possibilidade ao grémio de arrebatar mais um troféu continental.
A justificação apresentada pelo presidente de direcção do 1º de Agosto, Carlos Hendrick, relativamente a ausência da formação militar no torneio de Bulawayo, é de tal modo incoerente, já que a equipa sénior feminina de andebol, que perdeu o título nacional à favor do Atlético Petróleos de Luanda, vai defender o título da Taça dos Clubes Campeões Africanos, prova a decorrer de 19 a 27 do mês em curso, em Abidjan, capital da Costa do Marfim.
Se a razão principal da ausência das pupilas de Jaime Covilhã no torneio de apuramento, prende-se com o facto de terem perdido o título nacional, então desafio, igualmente, o homem forte do 1º de Agosto, a retirar a equipa de andebol sénior feminina da fase final da Taça de Clubes Campeões. Portanto, são estas incoerências que, as vezes, acabam por emperrar o desenvolvimento do desporto angolano, que precisa urgentemente de dirigentes coerentes. Nós, a família da “bola ao cesto”, estaremos a espera com bastante expectativa, em ver se, eventualmente, em 2019, a equipa sénior masculina de basquetebol do 1º de Agosto não reconquistar o “caneco”, estará igualmente impedida de participar na Taça dos Clubes Campeões.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »