Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A minha razo vai para o Governador

13 de Fevereiro, 2020
Por conta da “maka” surgida nos últimos dias envolvendo, salvo melhorcerteza, o responsável máximo da equipa de futebol City Jardim do Cuanza.
Norte e o Governador da referida província, Adriano dos Santos, obrigo-me a rebater uma tese que há muito defendo, em relação a estas coisas de criação de equipas e buscas de apoios.
Para início de conversa, fica expresso que a minha opinião é similar a do Governador Adriano de Carvalho, que em boa medida, feito um gestor avisado, disse não ter onde tirar dinheiro para prestar o almejado apoioinstitucional, termo que aparece camuflado em outras palavras, que não o dinheiro, mas que em tempo certo é sempre para aí que a coisa seencaminha.
Ou seja e sem rodeios, o termo apoio institucional não é mais do que uma forma velada, para solicitar aos gestores de instituições de Estado, dinheiro para suportar determinadas “aventuras”, cujo parto, muitas vezes, nem no sonho dão a conhecer aos responsáveis para os quais se dirigem.
Não devemos ter meias medidas em dizer que o hábito radica do tempo das“vacas gordas”, cujos rastilhos apenas servem para a narração de contos emà volta da fogueira, recordando que do referido exercício muitos patrícios fizeram mesmo o seu pé-de-meia, e como se diz, sorte de quem conseguiu.
Entretanto, qualquer dirigente desportivo que se preze, tendo a coragem decriar uma equipa para participar em qualquer que seja a competição, deve ter em linha de conta, logo a partida, um estudo bem elaborado, que o impossibilita em atribuir a outrem, quanto mais não seja este, um gestorpúblico, a responsabilidade de pagar os seus encargos.
Parece existir, entre nós, aqueles que ousam não acordar e aceitar que as coisas mudaram, e que o tal dito incentivo do estado para o desporto deveser entendido também à luz do novo paradigma, quiçá, na promoção depalestras e outros actos que promovem a massificação desportiva, comtodos os ganhos deles derivados, não só para a saúde humana, mas social.
Alguns dirão, com razão (?), que este exercício não passa da atitude dealguém bem relacionado com o representante do Governo na província do Cuanza Norte, o que pouco me interessa, porquanto, apenas quero fazeruma chamada de atenção colectiva, no sentido de que não devemos criargalinha, contando com o farelo do vizinho.
Aliás, a efemeridade que dura inúmeros projectos desportivos emergidos quase na mesma perspectiva, de por tal via conseguir-se um estatuto social eivado de benesses pelas quais não se sacrificou o rosto, como aconselha a bíblica, é prova bastante da razão de quem age como o agiu o Governador.
Noves fora as questões de forma que devem funcionar como aviso para osdemais “aventureiros”, também defendo que, para que se dê um exemploque sirva à todos, deve ser avançado um processo cível contra o responsável da referida equipa de futebol, apesar das desculpa públicas já apresentadas que, como diz-se na gíria, não curam feridas.
Defendo a possibilidade de um processo cível, em função de ser daqueles que acredita estar na hora de se fazer o uso racional e proveitoso do que as tecnologias de informação e comunicação nos oferecem, e não sejam elas usadas para tudo e mais o resto negativo, e daí em diante, um mero pedido de desculpas.
CARLOS CALONGO

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »