Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A odisseia tricolor na fase de grupos

02 de Fevereiro, 2019
Numa altura em que o futebol mundial ressente-se ainda do abalo provocado pelo desaparecimento do avião que transportava o jogador argentino Emiliano Sala, isto quando este em companhia do tripulante que seguia a bordo desapareceu dos radares a cerca de 20 quilómetros ao norte da ilha Guernsey, no Canal da Mancha, por cá o Petro de Luanda começa a traçar a sua campanha na Taça da Confederação. A equipa tricolor retorna à fase de grupos desta 13 anos depois de ter lá estado pela última vez.
E a campanha da formação do “eixo-viário” nesta sua terceira odisseia pela fase de grupos da segunda prova mais importante do calendário das Confederação Africana de Futebol (CAF), isto depois da Liga do Campeões, arranca já amanhã na Argélia.
A equipa orientada pelo hispano-brasileiro Beto Bianchi defronta para primeira jornada do Grupo D da 16ª edição da competição que dá acesso a conquista da troféu Nelson Mandela, o Nasr Athletic Hussein Dey, no Estádio Fères Zioui, na localidade de Al-Jazã\'ir. Na antecâmara deste duelo com a formação argelina, os pupilos de Beto Bianchi obtiveram uma brilhante vitória sobre o Progresso do Sambizanga, que lhes permitiu juntarem-se ao campeão em título 1º de Agosto na segunda posição do Girabola Zap, com mesmos 27 pontos, e menos um que o líder Clube Desportivo da Huíla (CDH), na liderança. O Petro joga, assim, motivado perante a turma do Nasr Athletic Hussein Dey.
Mas para já, o conjunto do Catetão tem de se precaver das possíveis adversidades a encontrar na trincheira dos argelinos, pois como vem sendo hábito os confrontos com as equipas do Magreb afiguram-se sempre como de elevado grau de dificuldades. Que o diga o 1º de Agosto, que não edição passada das Afrotaças só não logrou o passe para final da Liga dos Campeões por ter visto um Esperance de Túnis a usar todas as artimanhas a seu dispor para impedir que o emblema militar efectivasse esse desiderato e mais a mais ainda pela vergonhosa arbitragem do zambiano Janny Sikazwe.
Nesta sua terceira \'aventura\' pela segunda maior prova de clubes sob a égide da CAF, depois da estreia em 2004, quando teve como adversários o Ashanti Kotoko do Ghana, Rangers da Nigéria e o Al Hilal do Sudão, ocupando a última posição do Grupo A, com cinco pontos, e da última presença na fase de grupos, em 2006, quando cruzou com outro embaixador angolano, o Interclube, FAR Rabat e Olympic Khouribga, ambos de Marrocos, o Petro de Luanda vai procurar fazer história. Mas terá de ter atitude.
É verdade que os tricolores têm de demonstrar arte e engenho nesta fase de grupo da Taça da Confederação, em que além do Nasr Athletic Hussein Dey, vão cruzar ainda com Gor Mahia FC do Quénia e Zamalek SC do Egipto, com quem se batem dias 13 e 24 de Fevereiro, nos Estádios 11 de Novembro, em Luanda, e Internacional do Cairo, respectivamente, para segunda e terceira jornadas do Grupo D. Já na segunda volta da competição, os tricolores começam por receber em casa o Zamalek a 3 de Março, para quarta jornada, na quinta voltam a actuar no 11 de Novembro frente ao Nasr Hussein Dey sete dias depois e fechando as contas desta etapa a 17 do citado mês no reduto do Gor Mahia FC, no Estádio do Centro Internacional dos Desportos Arap Moi, na capital do Quénia, Nairobi. O Petro terá, assim, uma maratona de jogos na prova.
Porém, é importante lembrar que nesse tipo eliminatória torna-se imperioso vencer-se os jogos em casa e procurar-se sempre ir buscar pontos em casa dos adversários. Aliás, habituada a estas andanças das Afrotaças a equipa de Beto Bianchi têm de fazer por merecê-lo. Tem de se revelar ousada para garantir, assim, o acesso às etapas posteriores desta 16ª edição da fase de grupos da Taça da Confederação.
Aliás, é consabido, também, que para transpor esta fase dos grupos o Petro tem a obrigatoriedade de ocupar o primeiro ou segundo posto da classificação geral. Portanto, implica dizer que somente os dois primeiros classificados dos quatro grupos (A, B, C e D) apuram-se para os quartos-de-finais da competição. O embaixador angolano vai procurar, como óbvio, atingir uma qualificação histórica no certame.
É importante salientar, ainda, que para chegar à fase de grupos da prova, a turma angolana começou por afastar o Orapa United FC do Botswana na primeira eliminatória com um agregado de 6-0. Isto na sequência das vitórias em casa por 4-0, na primeira “mão”, e depois por 2-0 no reduto do adversário, isto em Novembro último.
Já na segunda eliminatória, em que teve pela frente o AS Nyuki da República Democrática do Congo (RDC), venceu primeiro no reduto adversário por 1-0 e no jogo de resposta, em Luanda, repetiu a dose que lhe permitiu, então chegar à derradeira etapa para o acesso à fase de grupos, em que tirou do caminho o Stade Malien do Mali.
No primeiro desafio frente a formação maliana, os pupilos de Beto Binchi impuseram empate a um golo, no Estádio Modibo Keita, em Bamako, e depois, no duelo do 11 de Novembro, venceram por 2-1. Agora na fase de grupos a odisseia tricolor começa ao princípio da noite de deste domingo Nasr Athletic Hussein Dey. O ver vamos!!!... Sérgio V.Dias

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »