Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A passada da prova e o basta de Kito

03 de Março, 2018
O Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão volta estar em acção neste fim-de-semana com a disputa dos restantes jogos da 4ª jornada. A prova ganhou nos últimos anos o cognome de Girabola Zap e nesse momento disputa-se num ritmo brando.
FC Bravos dos Maquis do Moxico e Petro de Luanda abriram as hostilidades da ronda quatro num jogo em que o “score” foi favorável para os visitantes.
A equipa do “eixo viário”, assumidamente candidata ao título, não concedeu facilidades à turma maquisarde. Em pleno Estádio Mundunduleno, no Luena, capital do Moxico, impôs aos anfitriões uma derrota sem apelo e nem agravo de 0-3.
Por arrasto, a formação orientada tecnicamente pelo hispano-brasileiro Beto Bianchi assume, à condição, a liderança do campeonato a “ex-aquo” com o Interclube.
Tricolores e polícias somam cada sete pontos, resultantes de duas vitórias e um empate. Ainda assim, a equipa do Ministério do Interior (Minint) pode reassumir a liderança isolada quando defrontar amanhã, em Menongue, o estreante Cuando Cubango FC.
É importante lembrar, a esse respeito, que o Petro tem ainda um jogo por disputar. O mesmo é referente a 2ª jornada e coloca a turma petrolífera frente-a-frente ao Progresso Associação do Sambizanga, que igualmente amanhã defronta o Clube Desportivo da Huíla (CDH) num dos duelos de conclusão da ronda quatro.
A ronda quatro reserva para hoje outros dois jogos. Trata-se do Sporting de Cabinda – JGM do Huambo, no Estádio do Tafe, na capital da cidade mais ao Norte do país, e do Sagrada Esperança da Lunda Norte – Recreativo da Caála, no reduto dos diamantíferos.
Amanhã, no prosseguimento da quarta jornada deste Girabola Zap, cuja passada ainda é algo tímida, estão programados outros três jogos.
Kabuscorp do Palanca, do carismático Bento Cangamba, recebe, nos Coqueiros, o Recreativo do Libolo do Cuanza Sul. O Domant FC de Bula Atumbo vai a Benguela visitar o 1º de Maio enquanto o campeão 1º de Agosto desloca-se à vila piscatória do Lobito, nessa mesma província, para jogar com a Académica local.
Esses duelos estão envolto de grande expectativa face os objectivos que os contendores perseguem. Apesar de terem-se disputado já 22 jogos, correspondentes a 9,16 por cento do total da época, quantificados em 240, a toada da prova mantém-se num ritmo brando.
É claro que à entrada desta quarta ronda, que confirmou já o triunfo de 3-0 do Petro sobre o Maquis, ainda é muito cedo para se fazer conjecturas sobre o actual curso da prova, porém, é notório o empenho e a entrega das 16 equipas que desfilam no certame.
O campeão nacional entrou em cena apenas quarta-feira última, com um empate nulo diante do Progresso do Sambizanga. Devido ao envolvimento nas Afrotaças os militares do “rio seco” têm dois jogos em atrasos. Um contra o 1º de Maio, referente a segunda jornada, e outro diante do FC Bravos do Maquis, para a segunda.
É importante lembrar que o 1º de Agosto afastou na primeira eliminatória de acesso à fase de grupo da Liga dos Clubes Campeões Africanos o Platinum FC do Zimbabwe. Para o efeito, ganhou por 5-1 no agregado das duas mãos.
Fruto do disso, na próxima etapa cruza com o Bidvest Wits da África do Sul, um adversário que apesar de não estar a realizar uma boa época no campeonato do seu país, ainda assim é sempre um o conjunto a ter em conta. Os militares têm de ser cautelosos.
O Petro que também tem um jogo em atraso no Girabola Zap, diante do Progresso do Sambizanga e referente a segunda jornada, deixou pelo caminho, na primeira eliminatória da Taça da Confederação, o Masters Security Services FC do Malawi.
Na competição também apelidada de Taça “Nelson Mandela”, os tricolores do “eixo viário” superam o adversário com um “score” de 5-0 no agregado das duas mãos.
Fruto da qualificação, na próxima etapa o conjunto enfrenta, igualmente, um adversário da pátria de Nelson Mandela. Trata-se do Supersport United FC, que apesar de estar a realizar uma época com alguns furos abaixo, é também um adversário a ter em conta e habitué nas competições sob a égide da Confederação Africana de Futebol (CAF).
E face à postura irrepreensível que patentearam nos primeiros duelos das Afrotaças, 1º de Agosto e Petro vão procurar assumir, igualmente, as despesas da prova mais mediática do nosso futebol. São os dois maiores papões do Girabola Zap.
O bi-campeão 1º de Agosto soma onze troféus e o Petro quinze. Libolo, com quatro títulos, o recém-despromovido Atlético Sport Aviação (ASA), com três, 1º de Maio e Interclube, com dois cada, Sagrada Esperança e Kabuscorp, com um, são os outros conjuntos que entraram no restrito grupo de campeões nacionais do campeonato.
Este carrossel do Girabola, descrito também como alegria do povo, abeira-se a conhecer já a primeira “chicotada psicológica” da época 2018, que vai ser disputada a conta-relógio para o ajustamento do calendário ao dos demais campeonatos africanos.
O visado é o técnico Francisco André “Kito”, do Domant, que decidiu colocar “um basta” face à interferência do presidente de direcção do clube na sua actividade.
O técnico demissionário colocou a turma da província do Bengo de regresso à elite do futebol nacional depois três anos e disse “não admitir faltas de respeito”.
O afastamento no início da época do timoneiro do Domant, agremiação que é liderada por Domingos António, assemelha-se ao que aconteceu na estreia do conjunto na fina-flor do futebol nacional, em 2015.
Na época a direcção do clube optou por “romper o enlace” com Paulo Saraiva por se mostrar indisponível em trabalhar com assessores espanhóis no comando técnico.
De resto a época arrancou sem que o campeão d’Agosto pudesse actuar com os atletas Dany Massunguna, Paizo, Natael, Buá, Geral e Nelson da Luz, castigados pelo organismo reitor do futebol no país, por falharem aos trabalhos da selecção. Isto no CHAN, uma prova reservada apenas a jogadores que evoluem nos respectivos países, que fez disputar a sua 5ª edição na Tunísia e que foi ganha pela Nigéria. Como nota de realce salta, ainda, à vista o facto de o Girabola fazer disputar este ano a sua 40ª edição.
SÉRGIO V.DIAS

Últimas Opinies

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Do amor ideologia, devoo ao dinheiro

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Prova influenciou a media desportiva

    O “Girabola”, pode-se agora afirmar, influenciou sobremaneira a formação da Redacção Desportiva da RNA. Aquele mencionado quinteto de radialistas havia-se tornado insuficiente para a demanda, sobretudo a partida dos dois últimos.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Notas da Histria do nosso futebol

    A história oficial do futebol angolano teria de  começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Arbitragem de poca em poca

    A história do Campeonato Angolano de Futebol, Girabola, como também é conhecido, é repleta de factos curiosos em termos de arbitragem. O campeonato é considerado por muitos especialistas do futebol, como um dos mais disputado do nosso Continente, o que é diferente de ser o melhor.

    Ler mais »

Ver todas »