Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A sobrevivncia do futebol

11 de Março, 2019
O Atlético Sport Aviação (ASA) e o Progresso do Sambizanga são hoje os cartazes da crise financeira, que assola o futebol nacional. Por muitos anos têm sido as equipas das \"províncias\". Falta muito pouco para atingir os big tree.
Ou seja, 1ºde Agosto, Petro de Luanda e o Interclube. Talvez só por essa altura é que os senhores do futebol irão sentar, para colocar fim à gestão actual do futebol. Um modelo construído na base de uma economia que o País já abandonou em 1991.Muitos clubes nasceram da necessidade das empresas ou sectores afins, oferecerem aos seus trabalhadores recreação. Os capitalistas traduzem isso em responsabilidade social das empresas. Mas o futebol que se pratica há duas décadas, mais anos menos anos, deixou de ser de recreação, é profissional, e com potencial para gerar milhões.
Ou como se diz em Marketing, há um mercado à espera de consumir um produto com valor, de qualidade. Há pessoas dispostas em investir conhecimento, para virar da cabeça aos pés o actual quadro.
Falta, no entanto, outra parte com quem dialogar. Grande parte dos dirigentes aprenderam apenas a gerir o dinheiro alheio. Aquele que lhes é colocado em mãos pelas empresas ou instituições patrocinadoras. Talvez isso explica à falta de vontade, para modernizar o futebol e a sua gestão. Fazer dos clubes empresas com lucros. E cada vez mais, o País exporta dinheiro, por menor que seja.
Quando alguns adeptos compram camisolas de um clube estrangeiro por cem dólares ou mais, e não o fazem em relação aos clubes nacionais de que são adeptos, é um dinheiro que se desperdiça.. Este é um dos cem exemplos. Disso resulta uma conclusão. O futebol precisa de um plano marshal.
O futebol é um grande empregador. Gera milhares de empregos. É um sector que pode oferecer muitas receitas para os cofres do Estado.
Não se pode crer que só os outros é que podem.
O que eles fazem diferente é o profissionalismo. Há argumentos de que o futebol e a sua qualidade dependem do desenvolvimento do país. Em parte sim.
Mas temos igualmente fartos exemplos de o futebol ter se adiantado ou ser pretexto, para chamar infra-estruturas como hotéis, estradas, transportes públicos e outros. Não foi o futebol que suscitou o boom de hotéis que o País conheceu? Não foi o futebol que precipitou a conclusão da via expressa? Não foi o futebol que permitiu ao município da Catumbela beneficiar de um aeroporto? Podíamos mais. Portanto, se o futebol fizer a sua parte, pode trazer consigo outros investimento. De outro modo, a principal competição do futebol nacional um dia pode acabar com metade de equipas. É inexplicável que se adie a liga eternamente. É um entrave ao desenvolvimento da modalidade.Teixeira Cândido


Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »