Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

A vida dura de um director de marketing desportivo!

13 de Novembro, 2017
Em finais do ano de 2016, um jovem recém -licenciado tinha como objectivo trabalhar num clube desportivo, recebeu uma chamada telefónica de um Presidente, a convocá-lo para uma reunião. O jovem ficou espantado com o telefonema, acima de tudo ficou extremamente satisfeito com a possibilidade de concretizar o seu objectivo.
Na reunião, o Presidente de direcção do clube foi directo e pragmático… propôs ao jovem a criação de um Departamento de Marketing para o Clube Desportivo que presidia, porém, tinha um “PEQUENO E AO MESMO TEMPO UM GRANDE” condicionalismo… esperava-lhe um grande e redondo zero (0) para iniciar o seu trabalho, ou seja, não tinha recursos humanos, materiais, tão pouco financeiros, para alocar ao projecto.
O jovem ouviu atentamente a proposta do Presidente, rapidamente aceitou a sua “GENEROSA” oferta, pois, encarou-a como um desafio e um árduo teste à sua capacidade pessoal, interpessoal e profissional. Desde logo, o jovem passou a ser o Director de Marketing do Clube Desportivo.
A reunião prosseguiu, durante várias horas, foram debatidas e traçadas várias opções, estratégias e políticas para o recém-criado Departamento de Marketing.
Assim, e tendo por base as experiências e as histórias que esse Director de Marketing vivenciou ao longo do seu percurso profissional nesse Clube Desportivo, permitiu-lhe efectuar uma analogia ao seu trabalho, alinhou-o como os ponteiros de um relógio, utilizou de forma figurativa as 24 horas que compõem um dia, alertando-vos para 24 áreas específicas que foram trabalhadas por esse Director de Marketing, que passo a enumerar:
00h00 – Organização Interna;01h00 – Gestão Financeira;02h00 – Gestão de Sócios;03h00 – Publicidade;04h00 – Patrocinadores;05h00 – Parcerias;06h00 – Organização de Jogos;07h00 – Subsídios; 08h00 – Voluntariado; 09h00 – Imprensa;10h00 – Campanhas;11h00 – Merchandising;12h00 – Eventos;13h00 – Solidariedade;14h00 – Promoção;15h00 – Bilheteria;16h00 – Legislação;17h00 – Instalações Desportivas;18h00 – Social Media;19h00 – Gestão de Atletas;20h00 – Relações Institucionais;21h00 – Corporate/VIP; 22h00 – Contingências;23h00 – Comunicação Interna/Motivação
A primeira “hora”, de forma figurativa, foi destinada a analisar a Organização Interna do Clube.
O seu trabalho passou inicialmente por inteirar-se de forma meticulosa sobre toda a história, a dimensão e estrutura do clube. Identificou a missão, visão e valores do clube, identificou e analisou as modalidades desportivas activas, inteirou-se do número de atletas que praticavam a actividade desportiva, por modalidades e escalões, identificou as estruturas de apoio às diversas modalidades (equipas técnicas, directores, funcionários e demais staff de apoio), inteirou-se do número de sócios do clube e da sua condição (pagante ou não pagante), entre outras acções.
Desta forma, o Director de Marketing tirou uma “radiografia” ao clube para saber de que forma podia integrar e posicionar o departamento de marketing na estrutura e mística do clube, por forma a serem alcançados os objectivos pretendidos.
Depois do reconhecimento inicial, foi elaborado um organograma concreto e conciso, que até ao momento existia só de forma subentendida, onde foram enquadrados todos os recursos humanos dentro de departamentos e criado um conjunto de procedimentos internos para que toda a estrutura fosse capaz de trabalhar e comunicar de forma eficiente e eficaz, dentro de um fluxograma e de forma hierárquica utilizando os canais apropriados de comunicação.
De igual forma, foram elaboradas um conjunto de “check-lists” para determinadas acções/actividades, para que todos os recursos trabalhassem e comunicassem da mesma forma (a uma só voz), quer internamente quer externamente, a reger-se por um guião estandardizado e padronizado em prol do superior interesse do Clube.
Apesar do Departamento de Marketing ser constituído só pelo seu Director, este, segundo o organograma, reportava directamente ao Presidente do Clube com quem trocava impressões diárias, para delinear as estratégias e acções quer a curto, médio ou longo prazo.
Porém, o Departamento de Marketing trabalhava de forma próxima (lado a lado) com o Departamento de Comunicação do Clube, até porque qualquer estratégia de marketing só fazia sentido, se estiverem asseguradas todas as condições de comunicação com o seu destinatário/público -alvo.
Apesar de ainda estarmos na “1.ª hora” de trabalho, já vamos muito adiantados… e para que a leitura não se torne uma enorme maçada, vamos fazer uma pequena pausa, nesta história.
Não perca, o próximo artigo!

Nzongo Bernardo dos santos




























* MENTOR E GESTOR EXECUTIVO DO FÓRUM MARKETING DESPORTIVO

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »