Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Acautelar com rigor o futuro do futebol jovem

02 de Maio, 2019
Depois da magnifica prestação da Selecção Nacional de futebol de sub- 17, no CAN da categoria, organizado pela Tanzânia, em Abril, podemos considerar que o futuro do nosso futebol está cada vez mais alicerçado.
Os nossos valorosos rapazes conquistaram o honroso terceiro lugar, ao vencerem a Nigéria por 2 – 1, depois de derrotados nas meias-finais, por 1 bola a zero, pelo mesmo adversário.
Para os menos atentos ou detratores do nosso futebol, o desempenho da nossa Selecção foi um mero acaso, um acidente de percurso ou simplesmente um fogo-de-artifício, que a qualquer momento se apaga.
Se nos deixarmos levar por esse tipo de pensamento, estaremos a desperdiçar uma soberana oportunidade para fazer evoluir o nosso futebol a médio e a longo prazo. Aliás, pela forma como os nossos rapazes se comportaram ao longo do referido torneio, não nos restam dúvidas de que estamos diante de jogadores talentosos e com grande margem de progressão.
Assim, tendo em atenção o facto de que depois do Mundial do Brasil, a maior parte dos nossos jogadores vão estar acima da idade dos sub -17, é imperioso olhar para o futebol jovem com mais responsabilidade e atenção.
Isso, implica dizer, que temos em primeiro lugar de acautelar a substituição dos jogadores que já não poderão fazer parte desta Selecção devido ao factor idade. Quer dizer: criar condições para fazer uma substituição do tipo, “ela por ela”, por forma a manter os mesmos níveis competitivos ou superiores, a da actual Selecção de sub -17.
Em segundo lugar, seleccionar e potenciar, continuamente, alguns jogadores, que vão passar ao escalão de sub - 18, quer a nível interno como no exterior do país, como por exemplo, em Espanha, Alemanha, Holanda, Sérvia, ou seja, em países em que o futebol é um exemplo a ser imitado, por formas a garantir que pelo menos 50 por cento dos jogadores desta geração, cheguem à Selecção principal, dentro de dois anos.
Temos de aproveitar bem o facto dos nossos “rapazes” estarem em contacto permanente com torneios internacionais, como foi o caso do torneio da Turquia, que em minha opinião serviu de “vitamina mental” para chegar à fase final do recém terminado CAN, para mantê-los no caminho do sucesso.A forma como a nossa Selecção abordou os jogos na Tanzânia, especialmente com os Camarões e a Nigéria, mostrou que tem muito futuro pela frente e que tudo depende dos dirigentes do nosso futebol e do governo angolano, para que a médio prazo estejamos entre as equipas que vão para as fases finais do CAN, como candidatas ao título.
Entretanto, há um pormenor que talvez seja difícil decidir: O treinador da Selecção de sub- 17 deve manter-se na equipa ou avançar com os que subirem de escalão? Podemos correr dois riscos sérios: a saída ou permanência do técnico pode ser prejudicial para um dos lados. Porque, se ele se mantêm, os que subirem de escalão serão bem-sucedidos com o novo treinador e vice-versa?
Não podemos dividir o homem em dois. Será que devíamos entregar a responsabilidade técnica do futebol de sub - 17 ao sub -20, ou seja, até que o jogador tenha idade para jogar na Selecção principal, ao actual treinador dos sub - 17? É uma questão que cabe decidir, em primeira instância, à direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF).
O mais importante, é que estamos no bom caminho e temos de aproveitar bem este momento que está a nosso favor, para construirmos selecções fortes. Tivemos tempo suficiente para aprender, pois, desde 2001, quando conquistámos o nosso primeiro CAN com a Selecção de sub - 20, passaram-se cerca de 18 anos.
Erros de palmatória, como a adulteração de idades, aproveitamento de momentos desportivos para saciar apetites pessoais ou de determinado grupo, em detrimento do progresso do nosso desporto e do futebol em particular, que foram introduzidos na nossa cultura por factores conjunturais, já não têm espaço na nossa forma de pensar e agir.Por isso, para os dirigentes do nosso futebol, só resta um caminho: Preparar com todas as cautelas, o futuro do nosso futebol, porque estamos no bom caminho. Parta já, este ano temos dois testes pela frente: O Mundial do Brasil em sub - 17 e o CAN do Egipto, para a Selecção principal. Mãos à obra! Augusto Fernandes

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »