Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Acerto de calendrio inevitvel no Girabola

21 de Outubro, 2017
A inevitável e premente necessidade que há de se harmonizar o calendário do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão com o dos demais países do continente é o assunto que nos propusemos a abordar hoje neste espaço de opinião “A duas mãos”.
O assunto já vem sendo muito badalado ao longo dos anos, porquanto a prova que nos últimos anos ganhou o cognome de Girabola Zap, ao não acertar o passo da sua disputa, belisca, grandamente, a campanha das equipas angolanas que evoluem nas Afrotaças.
Por isso, vem mesmo a calhar a intenção do actual elenco da Federação Angolana de Futebol (FAF), que tem à testa Artur de Almeida e Silva, em ajustar o calendário da disputa do nosso Campeonato da I Divisão ao dos demais países africanos.
Aliás, lembro-me que em Dezembro último, aquando da campanha que conduziu Artur de Almeida e Silva ao cadeirão principal do órgão reitor do futebol no país, esta foi uma das promessasque fez, nas vestes de candidato, durante a mesma.Lembro-me, inclusive, que durante a estada deste no Bié e na sua capital Cuito, eu mesmo, quando ainda estava em funções nessa província do Planalto Central do país, levantei a questão por julgá-la pertinente, a que Artur Almeida reagiu pela postiva.É verdade que na véspera reacções não faltaram, umas a favor e outras ainda colocando reticências na promessa feita por Artur de Almeida e Silva, relativamente à possibilidade de trabalhar para harmonizar o calendário, caso fosse eleito.José Luís Prata, que também se havia candidato para uma das listas concorrentes ao pleito, foi uma das vozes que se levantara a questionar sobre a possibilidade de o actual presidente da FAF honrar essa promessa.
Tal como aludiu, na véspera, o Comandante Prata, também concordo que a intenção manifestada por Artur de Almeida e Silva teria de partir de um fórum apropriado para o efeito, como Assembleia da FAF, mas ainda assim era imperioso dar-se um primeiro passo. E penso que o actual elenco do organismo tem condições para o fazer.A meu ver ié mperiosa fazer-se o acerto porque o actual modelo de disputa do Girabola, sobretudo no que concerne a fase da sua realização, tem afectado o desempenho das equipas que jogam nas provas sob êgide da Confederação Africana de Futebol (CAF).
O que acontece, normalmente, é que quando se dá o pontapé de saída destas provas, refiro-me particularmente às eliminatórias para a Liga dos Campeões Africanos e Taça da Confederação, que é também conhecida por Nelson Mandela, as nossas equipas ainda não têm qualquer ritmo em termos de jogo. E isto porque o nosso Girabola habitualmente só tem início entre o final de Fevereiro e meados de Março de cada ano.
Por obra dessa situação, as equipas angolanas que evoluem nas Afrotaças tem-se confrontado com alguns problemas na sua campanha e tombando em muitos casos logo na primeira esquina. Por isso reitero que é bem vinda ideia de se ajustar o calendário.Também não é menos verdade que se torna difícil dar a volta do texto na ordem dos 360 graus do dia para a noite. É impossível isso. Agora importante se torna dar-se um primeiro para que o resto depois venha por acréscimo.
Aliás, faço aqui fé ao aforismo de que toda longa caminhada começa com um primeiro passo e, nesse sentido, a FAF pode já delinear estratégias no intuito de ir ajustando o calendário da I Divisão de forma faseada, ou seja a médio prazo.
Também penso ser pertinente a ideia de se disputar antes do início de cada Girabola Zap uma prova que envolva as oito equipas melhores classificadas da época precedente.Aliás, em anos não muito distantes vimos a disputa da Taça Coca Cola, que juntava antes do pontapé de saída do nosso Campeonato da I Divisão, curiosamente as oito equipas melhores classificass de cada época anterior.
Esta iniciativa além de permitir que estas equipas, com a inclusão das que eventualmente se classificassem para as provas da CAF, daria também a possibilidade de ambas terem algum ritmo competitivo nas pernas.
Internacionalmente o nosso país já demonstrou por A+B a capacidade, força e a qualidade que o nosso futebol ostenta, mas nos últimos tempos o desporto-rei no país tem passado por uma verdadeira travessia do deserto.
Por essa razão, tal como virou moda entre os angolanos é preciso corrigir o que está mal e procurar-se melhorar o que está bem a nível do futebol dentro das nossas fronteiras. Angola já demonstrou, também, ser uma pátria de futebol e por isso urge lançar-se as bases para que a modalidade atinja melhores perfomances.
E mais ainda: penso que é inconcebível aceitar a ideia de Angola baixar para níveis que não se ajustem aos seus pergaminhos no que diz respeito a ranking da FIFA.
Na mais recente divulgação do órgão reitor do futebol mundial Angola aparece, a nível dos Países Africanos de Lígua Oficial Portuguesa (PALOP), atrás de Cabo Verde, Moçambique, Guiné-Bissau e só superando São Tomé e Príncipe.
Isso deixa bem claro a ideia de que há muito trabalho por se fazer para que o desporto-rei mude de rumo a nível do nosso solo-pátrio.
E isso é urgente!!!...

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »