Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Agentes antevem a competio

17 de Agosto, 2019
O Girabola Zap, a maior manifestação futebolística do país, abriu ontem cortinas na Huíla, com o confronto entre Desportivo e Bravos do Maquis. Envolto de alguma expectativa, os prosélitos da modalidade esperam vibrar com a competição. Com objectivo de medir a pulsação e antever a prova, o Jornal dos Desportos ouviu alguns agentes do futebol, entre técnicos, comentadores, ex-futebolistas e jornalistas desportivos.


ANTÓNIO ALEGRE
Treinador e comentador

“Girabola começa órfão”

“Este Girabola começa órfão, porque os problemas de ontem são os mesmos de hoje. Penso que devíamos parar para reflectir e inflectir caminhos. Sabemos que, no aspecto económico, o nosso país e os nossos clubes atravessam momentos difíceis. Creio que era necessário uma reflexão sobre aquilo que queremos para o nosso futebol e o nosso Girabola. Enquanto a vertente financeira for a mais importante, não vamos ter um campeonato justo, exemplar e muito menos isento, porque os clubes com maior poderio financeiro sobrepõem-se a todos os outros. Desta forma, desvirtua-se a competição e há desistências a meio da prova, equipas que não pagam ordenados e muitas vezes são os clubes «tubarões» que oferecem uma «micha», para depois facilitarem nos momentos decisivos. Creio, claramente, que temos de parar, esquecer um pouco o Girabola, reflectir sobre a necessidade de reformulação a nível do nosso campeonato e, a partir daí, com outros moldes ou outras premissas diferente desta, podermos ter um campeonato isento, imparcial, sério e verdadeiro”. PC


MANÉ VIEIRA DIAS
Ex-futebolista

“Que seja uma prova
credível”


“Espero que seja um campeonato verdadeiro e que não esteja desvirtuado, como temos visto, com resultados enganadores e fora da realidade. Queremos um campeonato, que seja disputado dentro dos padrões e das regras mundialmente estabelecidas, em que os clubes possam fazer valer a sua qualidade e experiência. Nesse aspecto, esperamos que a federação cumpra com o seu real papel, colocando à disposição dos contendores todas as condições necessárias de organização, para que o Girabola seja, de facto, uma competição credível, sem «casos de secretaria» e, acima de tudo, disputada dentro do rigor exigido. Penso ter chegado a altura de assistirmos a um campeonato com identidade própria e cujos clubes e os jogadores sejam os principais artífices do espectáculo e longe dos holofotes da desconfiança e do ambiente de suspeição, que muitas vezes contribuem para acinzentar a competição e instalar o clima de descontentamento e desconfiança em relação aos resultados. Acho importante afastarmos este cenário do nosso Girabola e que o campeão seja o digno merecedor deste estatuto”. PC

IGOR NASCIMENTO
Coordenador do Sindicato
dos futebolistas angolanos

“D\'Agosto e Petro
são os mais sérios
candidatos ao título”


“Penso que vai ser um campeonato bem disputado em que o 1º de Agosto e Petro de Luanda são os principais candidatos ao título. Outras duas equipas que podem e tem condições para também lutar pelo título são o Sagrada Esperança e o Interclube. Uma equipa que deve também merecer alguma atenção e ser levada em conta é o Desportivo da Huila. Em relação as demais equipas, essas vão lutar apenas para manutenção no campeonato, pois não têm estrutura para lutar pelo título, nem competições africanas. Quanto as demais, creio que vão lutar para não descer de divisão e é aí onde haverá maior luta. Por outro lado, vamos assistir mais um campeonato que será repartido em dois: os que conseguem suportar todas despesas por terem dinheiro e outros que vão lutar para se manter ou terminar o campeonato”. VK

VITORINO VISELE
Vice-presidente do Wiliete


“Os clubes pequenos
são os animadores
da festa do futebol”


“O Girabola Zap não fugirá muito daquilo que tem sido nos últimos anos, pois os candidatos são os crónicos, ou seja 1º de Agosto e Petro de Luanda. A equipa do 1º de Agosto é candidata, porque é o campeão em titulo e não mexeu muito. Já o Petro fez boas contratações, que podem ajudar a equipa a conquistar o título. Por outro lado, o Desportivo da Huíla e Recreativo do Libolo são equipas que vêm logo a seguir aos dois grandes. Os clubes pequenos, como o Wiliete Sport Clube de Benguela, entram para esta competição com claro propósito de não descerem de divisão e também como animadores desta maior festa do futebol nacional, pois são peças importantes para o Girabola Zap. De igual modo, esperamos que seja um campeonato melhor do ponto de vista da organização, já que o mesmo é visto além-fronteiras e precisa dar uma imagem do real valor do nosso futebol. Esperamos ainda que não haja grandes problemas e que no final vença a melhor equipa”.
Paulo Caculo e Valódia Cambata

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »