Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Agentes antevem a competio

17 de Agosto, 2019
O Girabola Zap, a maior manifestação futebolística do país, abriu ontem cortinas na Huíla, com o confronto entre Desportivo e Bravos do Maquis. Envolto de alguma expectativa, os prosélitos da modalidade esperam vibrar com a competição. Com objectivo de medir a pulsação e antever a prova, o Jornal dos Desportos ouviu alguns agentes do futebol, entre técnicos, comentadores, ex-futebolistas e jornalistas desportivos.


ANTÓNIO ALEGRE
Treinador e comentador

“Girabola começa órfão”

“Este Girabola começa órfão, porque os problemas de ontem são os mesmos de hoje. Penso que devíamos parar para reflectir e inflectir caminhos. Sabemos que, no aspecto económico, o nosso país e os nossos clubes atravessam momentos difíceis. Creio que era necessário uma reflexão sobre aquilo que queremos para o nosso futebol e o nosso Girabola. Enquanto a vertente financeira for a mais importante, não vamos ter um campeonato justo, exemplar e muito menos isento, porque os clubes com maior poderio financeiro sobrepõem-se a todos os outros. Desta forma, desvirtua-se a competição e há desistências a meio da prova, equipas que não pagam ordenados e muitas vezes são os clubes «tubarões» que oferecem uma «micha», para depois facilitarem nos momentos decisivos. Creio, claramente, que temos de parar, esquecer um pouco o Girabola, reflectir sobre a necessidade de reformulação a nível do nosso campeonato e, a partir daí, com outros moldes ou outras premissas diferente desta, podermos ter um campeonato isento, imparcial, sério e verdadeiro”. PC


MANÉ VIEIRA DIAS
Ex-futebolista

“Que seja uma prova
credível”


“Espero que seja um campeonato verdadeiro e que não esteja desvirtuado, como temos visto, com resultados enganadores e fora da realidade. Queremos um campeonato, que seja disputado dentro dos padrões e das regras mundialmente estabelecidas, em que os clubes possam fazer valer a sua qualidade e experiência. Nesse aspecto, esperamos que a federação cumpra com o seu real papel, colocando à disposição dos contendores todas as condições necessárias de organização, para que o Girabola seja, de facto, uma competição credível, sem «casos de secretaria» e, acima de tudo, disputada dentro do rigor exigido. Penso ter chegado a altura de assistirmos a um campeonato com identidade própria e cujos clubes e os jogadores sejam os principais artífices do espectáculo e longe dos holofotes da desconfiança e do ambiente de suspeição, que muitas vezes contribuem para acinzentar a competição e instalar o clima de descontentamento e desconfiança em relação aos resultados. Acho importante afastarmos este cenário do nosso Girabola e que o campeão seja o digno merecedor deste estatuto”. PC

IGOR NASCIMENTO
Coordenador do Sindicato
dos futebolistas angolanos

“D\'Agosto e Petro
são os mais sérios
candidatos ao título”


“Penso que vai ser um campeonato bem disputado em que o 1º de Agosto e Petro de Luanda são os principais candidatos ao título. Outras duas equipas que podem e tem condições para também lutar pelo título são o Sagrada Esperança e o Interclube. Uma equipa que deve também merecer alguma atenção e ser levada em conta é o Desportivo da Huila. Em relação as demais equipas, essas vão lutar apenas para manutenção no campeonato, pois não têm estrutura para lutar pelo título, nem competições africanas. Quanto as demais, creio que vão lutar para não descer de divisão e é aí onde haverá maior luta. Por outro lado, vamos assistir mais um campeonato que será repartido em dois: os que conseguem suportar todas despesas por terem dinheiro e outros que vão lutar para se manter ou terminar o campeonato”. VK

VITORINO VISELE
Vice-presidente do Wiliete


“Os clubes pequenos
são os animadores
da festa do futebol”


“O Girabola Zap não fugirá muito daquilo que tem sido nos últimos anos, pois os candidatos são os crónicos, ou seja 1º de Agosto e Petro de Luanda. A equipa do 1º de Agosto é candidata, porque é o campeão em titulo e não mexeu muito. Já o Petro fez boas contratações, que podem ajudar a equipa a conquistar o título. Por outro lado, o Desportivo da Huíla e Recreativo do Libolo são equipas que vêm logo a seguir aos dois grandes. Os clubes pequenos, como o Wiliete Sport Clube de Benguela, entram para esta competição com claro propósito de não descerem de divisão e também como animadores desta maior festa do futebol nacional, pois são peças importantes para o Girabola Zap. De igual modo, esperamos que seja um campeonato melhor do ponto de vista da organização, já que o mesmo é visto além-fronteiras e precisa dar uma imagem do real valor do nosso futebol. Esperamos ainda que não haja grandes problemas e que no final vença a melhor equipa”.
Paulo Caculo e Valódia Cambata

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »