Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Akw lesou a Ptria por representar o Pas?

22 de Julho, 2019
Com a vossa permissão, amigos leitores, deixam-me exteriorizar , o que sempre defendi do ex-craque da nossa terra chamado Akwá, menino de Benguela que já meteu Angola nas luzes da ribalta do futebol mundial e não só.
Sinceramente não percebi ainda, até hoje, que bicho mordeu ou ainda está a morder as autoridades desportivas e políticas da nossa terra, a ponto de não estenderem a mão ao antigo capitão dos Palancas Negras, Akwá - Fabrice de Alcebiades Maieco de seu nome próprio - que anda sancionado pela Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA), não podendo, por isso mesmo, ser um agente ou dirigente, quer em Angola quer no estrangeiro como deseja.
Akwá, como se sabe, tem de reunir, para estar safo, pelo menos 260 mil dólares, cerca de 82,5 milhões de kwanzas, no sentido de pagar a multa ao seu antigo clube, o Qatar SC, de onde, como se sabe também, terá saído sem autorização para integrar os Palancas Negras, visando aquele CAN de 2010 que Angola organizou. O tal exemplar que até deu cenas que foram resvalar no tal CAN que até deu mote para ilicitos apontados na maka do Conselho Nacional de Carregadores. Há conversas de dezenas de táxis importados e dinheiros mal justificados. Enfim...
Esse badalado desespero de falta de ajuda a Akwá vem de longe. Hoje, já acima aos seus 42 anos, o nosso antigo craque não vê mão alguma que lhe saia em ajuda, em socorro... e sequer se sente já amparado com o facto de ter sido deputado. Há quem pergunta por que carga d´água não usou esta \"umbela\" de deputado para pressionar a FAF ou o próprio Estado já que supostamente veio jogar em nome e por causa da selecção da nossa terra...
Há dias com a sua reiterada voz de desespero vimo-lo a chorar onde esteve de corpo e alma. Na Rádio Despertar e na TV Zimbo - dois meios privados. E depois as suas lamúrias tiveram os efeitos e \"estragos\" boomerang\" que fezeram parte da sociedade comentar a sua sorte.
Para mim a verdade nua e crua é esta: esse antigo craque regressou à baila, porque continuam a fazer-lhe falta os referidos 260 mil dólares - cerca de 82,5 milhões de kwanzas, para pagar a multa no Qatar SC.
\"Eu fui castigado porque vim representar a selecção. O clube não queria que eu viesse e no meu regresso levou o caso à FIFA\", disse certo dia e, com mais ou menos palavras, foi p que reiterou na Despetar e na TV Zimbo.
E Akwá até costumava apontar o dedo contra pessoas que têm nome no mosaico futebolístico nacional como conhecedores do calvário por que está, lamentavelmente, a trilhar.
Ouvi dizer que apontou o dedo ao Alves Simões. Não sei se é verdade. Acho que que é assunto para o visado avaliar. Isto é, se levará a juízo ou se conforma com a \"acusação\". As aspas são propositadas.
Alves Simões à época da vinda de Akwá andava pela FAF como vice-presidente para as selecções. Akwá até já chegou a “abrir” o livro assim.
\"Ele tinha ordens para resolver a situação\". E E se a memória não me atraiçoa, Alves Simões não foi o único contra o qual Akwá apontou o dedo. Porque crta vez ele disse o seguinte: \"Voltei a encontrar-me com o General N’dalo, perguntou-me se já estava resolvida a minha situação e eu disse que não ”.
Akwá até as portas do Ministério da Juventude e Desportos já bateu sem sucesso. E inclusive tem consigo as respostas que recebe quando, sofridamente, vai ao encontro daquela instituição tutelar do desporto nacional:
\"Dizem que já se criou uma comissão para resolver a situação, mas a verdade é que o tempo vai passando e até hoje nada feito. Há pessoas que não querem ver o caso do Akwá resolvido\", disse um dia.
Infelizmente é assim que Akwá lamenta de sol a sol e já lã vão, incompreensivelmente dez anos. Mesmo quando estava ainda há seis anos da sanção, ainda jogar, chegou a reuniu-se com o então ministro dos Desportos, Gonçalves Muandumba.
Este procurou saber sobre a razão por que não fazia parte da equipa técnica dos Palancas Negras, pois, o ministro desconhecia, primeiro a razão do castigo e, segundo, a falta de dinheiro. Mas prometeu ajudar. Akwá acreditou. Por isso Akwá, na altura julgou, magicou, sonhou...que o calvário estava perto do fim.
Hoje, porém, é de lamentar essa \"espécie de travessia no deserto\" por que passa o antigo jogador da selecção. Uma situação que, se calhar, pode remeter os jogadores actuais a ponderarem a integração nos Palancas Negras.
Por causa disto Akwá, cetro dia, já fez uma comparação/questão que interessa reproduzir aqui e agora:
\"Se o Gelson Dala amanhã disser que não virá representar a selecção, vão dizer que não é patriota?” ...
Eu, para terminar, também pergunto: Akwá ter vindo treinar e jogar pelos Palancas Negras foi um gesto de lesa-pátria ao ponto de não receber ampla solidariedade para pagar a multa ao seu antigo clube?
António Felix

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »