Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Angolanos buscam afirmao em frica

28 de Setembro, 2019
D epois do brilharete assinalado em 2018 na Liga dos Campeões Africanos, o 1º de Agosto corre mais uma vez para atingir altos níveis nesta que é a maior prova de clubes do Continente Berço da Humanidade. Porém, tal desiderato só se tornará possível caso os campeões nacionais tirem do caminho amanhã, no Estádio 11 de Novembro, o Green Eagles, um adversário a quem venceram há duas semanas na Zâmbia.
Na verdade e como pontificou Ivo Traço, adjunto Dragan Jovic no comando técnico da equipa do “Rio Seco”, tal como os agostinos passaram incólumes no Estádio Nkolama, na capital zambiana, perante a turma das “águias verdes”, não se podem descartar surpresas destes. É um adversário forte e com um fio de jogo bem organizado, facto que para já deixa no ar a certeza de que está em Luanda para tentar surpreender também.
E porque “não há bela sem senão”, jogando na condição de anfitriã a equipa do “Rio Seco” tem de procurar explorar ao máximo esse factor e não dar espaços de manobra ao Green Eagles da Zâmbia. O D’Agosto precisa apenas de cumprir serviços mínimos como se vaticinou esta semana numa das edições deste jornal, pois depois do triunfo de 2-1 na Zâmbia, até um empate serve para os seus intentos.
É ponto assente que o regresso a elite desta prova sob a égide da Confederação Africana de Futebol (CAF) assume-se com principal objectivo da equipa treinada pelo sérvio Dragan Jovic sobretudo depois do referenciado brilharete de 2018, quando esteve muito perto de atingir a final da “Champions League”. Aliás, com já se disse em outros espaços dessa coluna tal só não aconteceu devido a uma arbitragem desastrosa do Janny Sikazwe no jogo das meias-finais que opôs do 1º de Agosto ao Esperance de Túnis.
Depois de tirar do caminho o tão ilustre e Todo-Poderoso Mazembé do Congo-Democrático, chegado às meias-finais, frente à formação da Tunísia, os tetra-campeões acabaram prejudicados pelo árbitro zambiano, que com uma actuação vergonhosa, entregou de bandeja a qualificação para final à turma do Magreb. E ao que tudo indica hoje o conjunto deve estar melhor preparado para enfrentar os tais factores “extra-jogos”, que são muito comuns a nível do futebol africano.
Aliás, outra coisa não podia esperar do 1º de Agosto que é um “habitué” nas provas da responsabilidade da CAF. Por outro lado, é legítimo esperar também que depois da boa prestação que teve na deslocação ao reduto do adversário, amanhã, na “nova catedral” do futebol nacional, o Estádio 11 de Novembro, o campeão em título angolano faça tudo que tiver ao seu alcance para mais uma vez chegar aos grupos da “Champions”.
Para lá disto, nesta edição das Liga dos Campeões Africanos o 1º de Agosto vai procurar corrigir a história da sua campanha anterior, em que teve uma eliminação inesperada, já que não conseguiu evitar o afastamento na preliminar frente ao “desconhecido” AS Otôho do Congo Brazzaville. E dado que este episódio faz parte do passado, amanhã os militares do “Rio Seco” vão procurar consolidar a boa marcha iniciado na Zâmbia, onde conseguiram se impor frente a esta turma das “águias verdes”.
E mais ainda: depois de afastar o Kikoso Maalum Cha Kuzuia Magendo FC da Tanzânia na preliminar de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, o D’Agosto aposta todas fichas neste duelo da última eliminatória para a referida etapa em busca de um novo brilharete nesta maior prova de clubes do continente. É, para já, uma árdua tarefa, mas que todavia, não se afigura como impossível para os agostinos.
O outro embaixador angolano nas Afrotaças, o Petro de Luanda, por seu turno, teve a felicidade de lograr um empate a um tento ontem frente ao Kampala City do Uganda, adversário com que havia empatado a zero no desafio da primeira “mão” desta última eliminatória de acesso aos grupos da Liga dos Campeões. Job, em dia de aniversário, acabou por ser imperial na contenda, ao apontar o golo que coloca o Petro de regressa a maior prova de clubes da Confederação Africana de Futebol (CAF).
Os tricolores, que na anterior eliminatória tiraram do caminho o Matlama FC com um agregado de 4-0 no cômputo das duas “mãos”, qualificam-se para a fase de grupos da “Champions League”, uma façanha que volta a repetir-se depois de 18 anos. Agora resta esperar que os nossos dois embaixadores nas provas da CAF buscam, afirmação na alta-roda do desporto rei a nível do continente.
Sérgio. V. Dias

Últimas Opinies

  • 14 de Dezembro, 2019

    Dcimo lugar reflecte sentido do dever cumprido

    O décimo-quinto lugar conseguido na 24ª edição do Campeonato do Mundo disputado na cidade japonesa de Kumamoto, melhorando o 19º conquistado há dois anos, na Alemanha, constitui uma safra boa.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os nossos atletas estão a corresponder com aquilo que nós almejamos, tentar fazer sempre o nosso melhor, no sentido de disputarmos um campeonato tranquilo para que consigamos, também, na parte final do campeonato, termos essa tranquilidade e a permanência assegurada.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Quem salva o ASA

    Campeão das edições do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão de 2002, 2003 e de 2004, respectivamente, o Atlético Sport Aviação (ASA), um clube cuja existência remonta desde o longínquo 1 de Abril de 1953, corre o risco de extinguir a sua equipa principal.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Vale a pena continuar a acreditar nos nossos representantes?

    A caminho da terceira jornada, os dois representantes angolanos na fase de grupos de Liga do  Campeões Africanos, continuam a decepcionar. Na primeira jornada, os militares perderam dois preciosos pontos na recepção aos zambianos do Zesco United, enquanto os petrolíferos foram goleados por três bolas a zero em casa do Mamelodi Sundowns da África do Sul.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

Ver todas »