Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Angolanos buscam frica do futebol

14 de Setembro, 2019
O nosso grande desejo é, na verdade, termos os dois representantes angolanos nas Afrotaças entrarem na fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões de África, mas, para que isso aconteça, é imperativo que o 1º de Agosto e o Petro de Luanda ultrapassem os seus respectivos adversários nesta derradeira eliminatória.
Os militares, campeões nacionais, jogam diante do Green Eagles Football Club, da Zâmbia. A vitória afigura-se como único resultado que se espera, mesmo sabendo que este primeiro desafio será realizado em casa do adversário. O Petro de Luanda, por seu turno, defronta, na primeira mão, em Luanda, o Kampala Capital City Authority, do Uganda, um “fato à medida”, se tivermos em conta o aspecto competitivo.
Dois pratos quentes, que colocam os nossos embaixadores à prova de fogo. Ainda assim, independentemente das várias condicionantes, os dois representantes nacionais podem, sim, almejar voos altos na competição. Os erros do passado, particularmente da época passada, de certeza que foram aprendidos da melhor forma, a ponto de não se deixarem surpreender pelos seus adversários na primeira esquina.
Do lado do 1º de Agosto por exemplo, depois de, na temporada passada, ter caído aos pés do AS Otôho do Congo Brazzaville, não quererá que isso lhe aconteça tão cedo, até porque há duas edições anteriores, o grémio chegou às meias-finais da referida competição. Isto pode servir de estímulo, para que o jogo diante dos zambianos decorra a feição e regressem à Luanda com um resultado satisfatório, que sirva para assegurar uma segunda mão folgada e catapultar a equipa, para a entrada na almejada fase de grupos.
Felizmente, nas suas hostes, vários jogadores que estavam lesionados conseguiram recuperar satisfatoriamente e, para este desafio, têm o plantel quase completo.
Sendo assim, o 1º de Agosto tem uma oportunidade flagrante para, mais uma vez, elevar as suas prestações e proporcionar alegrias aos seus sócios, adeptos e amantes do futebol nacional de um modo geral.
Em relação ao Petro de Luanda, que defronta, aqui em Luanda o Kampala City Autority, a contar para a primeira mão, tem igualmente oportunidade de fazer jus ao factor “casa” e, já aqui, construir um resultado capaz de proporcionar garantias de, na capital do Uganda, ter “serviços mínimos” e assegurar a passagem para a fase de grupos. Sabemos que as tarefas são ingentes, pelo que será necessário para os dois representantes angolanos na competição, muita garra, estoicismo, dedicação, determinação e almejarem sempre mais. Almejarem chegar à fase de grupos, onde além do prestígio que acumulam, tiram igualmente algum rendimento financeiro, o que, nesta fase de imensa crise, proporciona um forte alento.
Quer Petro de Luanda, quer o 1º de Agosto que, na competição, representam o nosso País, devem ter a consciência patriótica e assumirem o peso da Bandeira Nacional. Deste modo, deverão estar atentos à todas as questões e manobras sub-reptícias que, infelizmente, são comuns em África. Aliás, a equipa militar do “rio seco” provou deste veneno há duas épocas atrás, quando por uma “unha negra” do árbitro Zambiano Jenny Chikazwe, não se qualificou para à final, num desafio de triste memória em Tunis, diante do Esperance local. Foi difícil digerir mas, convenhamos, terá sido uma lição bem apreendida. Agora, curiosamente, o destino “cruelmente” coloca-lhe diante de uma formação da Zâmbia, nacionalidade do árbitro, que praticamente havia proporcionado o seu afastamento da final, naquele jogo de que já reportamos.
Todas essas cogitações nos remetem à análises profundas e cuidadas. Os dois representantes do futebol nacional têm, deste modo, as ferramentas necessárias para darem o salto e, duma vez por todas conquistarem a África do futebol, vincar o nosso desejo de voltar à alta-roda, revolucionar o “ranking” e demonstrar o nosso vigor.
Infelizmente regista-se, por banda do Petro de Luanda, algumas insuficiências administrativas, ao sabermos que alguns jogadores do seu plantel, com grande influência na manobra do conjunto, não estão inscritos. Tratam-se de Yano e de Tony.
Isso, na verdade, rouba algum fulgor e pode fragilizar a equipa no quesito ofensivo, a julgar pela qualidade do seu adversário e a necessidade que a equipa terá de marcar golos. Muitos golos, diga-se de passagem.
Oxalá que tudo corra pelo melhor e que 1º de Agosto e Petro de Luanda saibam tirar melhor partido desta jornada de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos e conseguirem o desejado apuramento à fase de grupos. Vamos rapazes!
Morais Canâmua

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »