Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Apertar o cinto ou morrer

12 de Fevereiro, 2016
Como seria de esperar, vibramos vigorosamente com a abertura, no passado domingo, da nova época futebolística, porque pelos vistos o defeso já causava uma espécie de desconforto àqueles que têm o futebol no sangue e vivem-no com redobrada paixão faça chuva ou sol, e muitas vezes alheios ou fazendo, propositadamente, vista grossa aos defeitos e às incongruências que, em certos casos, lhe beliscam a beleza, arte e engenho.

É a festa do povo que está de volta. Porém, quanto custa a organização desta festa, quanta ginástica fazem os clubes para manter as respectivas equipas em competição é o lado que poucos ou quase ninguém procura saber ao mínimo detalhe. Na verdade, com a competição de volta, voltam também as coceiras dos dirigentes de clubes, exigindo unhas aguçadas, diga-se de passagem.

Embora cá entre nós não haja cultura de os clubes auditarem as suas contas e torná-las pública, sabe-se, à partida, que é uma pipa de dinheiro que se gasta para fazer face a uma época que compreende não só o Girabola e a Taça de Angola, mas também outros compromissos como as Afrotaças, por exemplo, para quem tenha tido a honra e o mérito de se apurar para estas competições africanas.

Aliás, está-se perante duas situações dúbias: a não divulgação das contas correspondentes à época, que seria feita nas assembleias de balanço, e a proveniência das receitas, sendo de conhecimento geral que os nossos clubes não têm carácter empresarial que levasse à concluir que ele são produtoras, logo detentoras de fonte de receitas próprias.

Existem casos de clubes como Petro de Luanda, 1º de Agosto, ASA, Interclube e Sagrada Esperança, cujos patrocinadores estão bem identificados. Mas clubes há que vivem quase de doações dos seus principais sócios, vezes sem conta submetidos a uma tremenda ginástica para se poderem aguentar numa determinada competição.

Deixar "preto no branco" quanto se gasta no cômputo de uma época desportiva, e aqui estamos quase a excluir disciplinas para lá do futebol, deixaria sensibilizado os agentes económicos e o sector empresarial, e, se calhar, conseguir patrocínios seria mais fácil em relação àquilo que é hoje. Porque regra comum, quem patrocina, às vezes, procura saber como é aplicado o capital por si disponibilizado. Afinal há exemplos de clubes à mingua por ter dado mau destino os dinheiros de patrocínios. Não interessa aqui a nominalização.

Agora que as coisas financeiramente tomam outro cariz, agora que o lema é apertar o cinto, se exige um pouco mais de transparência na política de gestão. Quem aplica o seu capital, independentemente de ter garantia de contra-partida, que consiste, em regra, na publicitação da sua marca, também lhe interessa um bom proveito do seu patrocínio.

Os gestores desportivos devem saber definir prioridades ou separar o útil do supérfluo. Não me parece que seja isto que ocorria até antes da famigerada crise económica despoletar. Agora sim, como o cerco começa a apertar, já se descortina uma nova mentalidade de actuação, sendo a prova acabada disto o facto de muitas equipas de futebol terem renunciado à preparação de pré-época fora do país.

O momento aconselha para uma política de parcimónia, porque terminado o tempo das vacas gordas os próprios patrocinadores precisam também eles rever um conjunto de factores para dizer sim ou não às solicitações que lhes chegam à mesa. Aqui a minha preocupação vai mais para os clubes sediados fora de Luanda, sendo afinal os que, no caso do Girabola, têm mais despesas.

De resto, é por falta de cálculos daquilo que se gasta durante o campeonato que determinadas equipas partem para o jogo com o pouco que tiverem nos seus cofres. Este pouco, como a experiência já provou, às vezes chega apenas para suportar um quarto do campeonato, para depois virem a terreiro com reclamações e ameaças de retirada do campeonato, o que na verdade não é um exercício de bom tom.

É imporante que os clubes tenham a noção de quanto precisam para cobrir uma época em que estarão apenas no Girabola e na Taça de Angola ou em que estarão igualmente noutras competições fora destas. Não há necessidade de esconder os números, porque já se sabe à partida que o nosso futebol não dá lucro. Mas quem nele anda deve saber quanto custa e que exercício deve fazer para suportar os encargos, sobretudo hoje que o lema é apertar o cinto ou morrer.
Matias Adriano

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »