Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

As lamrias da FAF

30 de Agosto, 2018

A caminho do seu segundo ano de mandato, a direcção da Federação Angolana de Futebol ( FAF), liderada por Artur Almeida e Silva, continua a choramingar por falta de dinheiro para cumprir com os programas por si elaborados. É interessante que, a actual direcção do FAF, não esteve desavisada sobre a situação financeira da casa que rege o futebol angolano, porque os seus antecessores também passaram a vida a choramingar por falta de verbas.
Ao longo de sua campanha para ocupar o cadeirão máximo da FAF, Artur Almeida, foi dizendo que tinha algumas fórmulas ” mágicas “ de como resolver a situação financeira da instituição que agora dirige. Assim sendo, não se justificam e até já começam a ser irritantes as constantes lamúrias de sua parte e seus pares por falta de dinheiro. No mínimo devem apenas obedecer à velha máxima que diz: “ ajoelhou tem de rezar”.
Uma forma de parar com as choraminguices é optar por programas realísticos e exequíveis em função da sua situação económica. Aliás, anualmente, as federações têm uma verba cabimentada com a qual devem programar as suas acções. Será que FAF não fez contas de quanto precisaria para participar na campanha de apuramento para o CAN de 2019? Por outro lado qual é o objectivo dos Palancas Negras nesta fase?
Ao contratar um treinador expatriado, que a priori é mais caro que um nacional, (xenofobia à parte) a FAF está a dizer que pretende ir o mais longe possível ou não? Quando se contrata um “ craque” é porque a equipa pretende ganhar a competição em que está envolvida.
Porque não optar primeiro por arrumar a casa, definir prioridades, criar condições para levar avante os seus projectos e pacientemente consolida-los? Porque apostar no imediatismo? A FAF não tem porque falhar tanto porque teve tempo suficiente para aprender com os erros de seus antecessores.
Os problemas do futebol angolano são bem visíveis e não precisamos de especialistas para analisá-los. Temos de aprender com o exemplo do
Japão, que em 1985 começou o processo de revolução do seu futebol com a contratação de Zico, antiga estrela brasileira, para coordenar todo o futebol japonês a nível de selecções. Hoje está a colher os seus frutos. Teve de esperar cerca de 20 ou mais anos para colher os frutos!
É verdade que participar nas eliminatórias para um CAN é obrigatório quando já se está inserido num dos grupos e para isso é obrigatório ter dinheiro para a participação nesta fase. Entretanto, em função da situação económica era somente normal esta participação ser bem acautelada para evitar situações desagradáveis.
Em função da dificuldade financeira que a FAF enfrenta nesta altura, os Palancas Negras poderão ver-se privados de jogadores que evoluem no estrangeiro como o Gelson, Mateus Galiano, Djalma e outros contra os Tswaneses.
Por isso a FAF não deve limitar-se aos choros. Deve passar à acção. Uma das formas que nós havíamos sugerido é que assim como clubes como o 1º de Agosto e outros conseguem activos por mobilizar o maior número possível de sócios, a FAF também pode fazer o mesmo.
Não temos dúvidas de que se a FAF mobilizar a nação para angariar os “sócios palancas” será bem-sucedida, porque todos os adeptos das equipas angolanas se revêem na selecção nacional. É uma questão de se experimentar, mesmo que sejamos os primeiros a fazê-lo.
Por outro lado, não consigo perceber como é que clubes como 1º de Agosto e Petro de Luanda, têm patrocínios garantidos de instituições do Estado e por isso realizam os seus campeonatos e participam nas competições Africanas sem sobressaltos, e selecção nacional passe a vida de mãos estendidas.
Não sei quais são as políticas que se aplicam nestes casos, mas é ponto assente que a selecção nacional é mais importante que qualquer clube não importa a que ramo ou instituição do Estado esteja ligado, pois os interesses de qualquer país vêm em primeiro lugar.
Augusto Fernandes


Últimas Opinies

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Do amor ideologia, devoo ao dinheiro

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Prova influenciou a media desportiva

    O “Girabola”, pode-se agora afirmar, influenciou sobremaneira a formação da Redacção Desportiva da RNA. Aquele mencionado quinteto de radialistas havia-se tornado insuficiente para a demanda, sobretudo a partida dos dois últimos.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Notas da Histria do nosso futebol

    A história oficial do futebol angolano teria de  começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Arbitragem de poca em poca

    A história do Campeonato Angolano de Futebol, Girabola, como também é conhecido, é repleta de factos curiosos em termos de arbitragem. O campeonato é considerado por muitos especialistas do futebol, como um dos mais disputado do nosso Continente, o que é diferente de ser o melhor.

    Ler mais »

Ver todas »