Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

As mudanas aventadas

07 de Setembro, 2013
Sem a intenção de pressionar o organismo que dirige o futebol nacional, uma vez que a possível rescisão com Gustavo Ferrín inclui o pagamento de algum montante financeiro por parte da FAF, relacionado com a indemnização do técnico que possui contrato até Julho do próximo ano, como forma a “ninguém sair prejudicado”, somos de opinião que alguma explicação dever ser dada aos adeptos, depois do jogo de hoje contra os liberianos, em defesa do futebol nacional.

É natural que há medida que o tempo vai passando, aumenta a expectativa em torno do assunto, uma vez que os recentes desenvolvimentos à volta da questão, estão na origem de algumas especulações, próprias em situações do género.

Mesmo não se sabendo se o “divórcio” entre a federação angolana da modalidade e Gustavo Ferrín será consumado, tendo como suporte situações com alguns dos seus antecessores, o organismo que dirige o futebol nacional deve, em nossa opinião, criar para o futuro técnico, quer seja de nacionalidade angolana ou estrangeira, condições mínimas para a execução do seu trabalho.

As mesmas devem, entre outras, contemplar uma residência, ao invés de hotel, onde possa desfrutar de tempo suficiente junto dos seus familiares directos, que ajudam a tranquilizar o espírito e a desenvolver as suas tarefas de forma mais saudável e com mais empenho.

Isto vai fazer com que o seleccionador nacional, cuja preferência, em nossa opinião, deve recair para um falante de português, se mantenha em contacto permanente com as competições internas.

A tão propalada reformulação do futebol nacional, a ser efectuada em articulação com os clubes, deve ter como ponto de partida as competições internas.
Não somos contra a convocação, para futuras selecções nacionais, de atletas que actuam no estrangeiro. Sugerimos apenas que a escolha deve ser mais meticulosa, uma vez que, salvo um número bastante reduzido, os “estrangeiros” que geralmente têm sido chamados a vestir a camisola nacional nem sempre se apresentam à altura das responsabilidades exigidas para representar a Selecção Nacional.

Nunca é demais recordar que os compromissos oficiais em que os Palancas Negras deverão competir com o objectivo de alcançarem performances que se coadunem com o seu estatuto, acontecem em 2014. Isso significa que há bastante tempo de manobra para que o assunto seja tratado com a calma e ponderação que se impõem.

É urgente que a direcção da FAF esclareça o que se passa, dado que começam a ser cogitados vários nomes para o cargo de seleccionador nacional, o que não é salutar para o ambiente que se quer, ameno e sereno, nos Palancas Negras.

Leg: Gustavo Ferrín foi contratado para formar uma selecção para o futuro e o seu trabalho ainda é pouco visível em termos de resultados
Leonel Libório

Últimas Opinies

  • 19 de Outubro, 2019

    Quem quem no nosso Girabola Zap?

    A medida que as jornadas se sucedem, o Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão vai aquecendo, tomando melhores proporções competitivas que provoca igualmente um maior arrasto dos prosélitos.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O desporto angolano conquistou alguns resultados satisfatórios, sendo de destacar a conquista inédita do Campeonato do Mundo e mais recentemente o “’Africano.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    O rolar dos patins

    Deu-se na tarde de ontem,  a ‘stickada’ inicial da presente edição do Campeonato Nacional de hóquei em patins, que é marcada pelas ausências das equipas do interior do país e que conta com a participação de seis emblemas militares.

    Ler mais »

  • 17 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou regozijado com a presença do Ivanildo Lopes na elite da arbitragem da CAF. É a primeira vez que Angola tem um trio ao mais alto nível da Confederação Africana de Futebol. Ele tem à porta aberta para a elite A. Se ele continuar com a mesma dedicação, brevemente poderá conseguir tal desiderato.

    Ler mais »

  • 17 de Outubro, 2019

    Renncia anunciada

    Razões a ver com a falta de apoio institucional para o desenvolvimento de acções e projectos ligados ao desporto adaptado, podem levar o presidente do Comité Paralímpico Angolano a renunciar o cargo, exausto que está de promessas vãs, que colidem com aquilo que são as suas expectativas à frente deste órgão desportivo.

    Ler mais »

Ver todas »