Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Assalto aos grupos da Champions

14 de Setembro, 2019
Os dois embaixadores angolanos nas Afrotaças, o 1º de Agosto e o Petro de Luanda, voltam a entrar em acção na maior prova de clube a nível continental. O campeão em título defronta, na Zâmbia, a formação do Green Eagles local, ao passo que os tricolores recebem na nova catedral do futebol nacional, o Estádio 11 de Novembro, o Kampala City do Uganda, um conjunto que já havia cruzado o caminho dos agostinos, no qual levou a melhor.
Porém, depois de passarem incólumes sobre o Kikoso Maalum Cha Kuzuia Magendo FC da Tanzânia e o Matlama FC do Lesotho, respectivamente, na preliminar de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, D\'Agosto e Petro apostam todas fichas nos duelos desta última eliminatória da competição. É, para já, uma árdua tarefa. E como sonhar não é proibido, quer a equipa do “Rio Seco”, quer a do “Eixo-Viário”, espreitam, desse modo, repetir a proeza da etapa anterior, em que deixaram cair o Kikoso Maalum e Matlama, curiosamente com vitórias de 4-0 no agregado das duas “mãos”.
É bem verdade que, nesta derradeira eliminatória de acesso aos grupos da “Champions League”, vão enfrentar adversários teoricamente superiores ao da anterior, mas ainda assim, é ponto assente que o 1º de Agosto e Petro vão procurar começar vitoriosos nesta etapa. E se for por números expressivos melhor ainda, para facilitar as suas contas nos jogos da segunda “mão”, que acontecem dentro do duas semanas.
É ponto assente também, que os tetra-campeões hão-de enfrentar maior grau de dificuldade em relação ao arqui-rival Petro de Luanda, nas veste de vice-campeão, pois enfrentam o Green Eagles, que actuando em casa não lhes vai conceder qualquer facilidade. Isto é óbvio. Por isso mesmo, o 1º de Agosto tem de demonstrar grande atitude e sincronia entre os diversos sectores, se quiser sair da Zâmbia com um bom resultado. E um bom resultado, passa inequivocamente pela vitória ou, na pior das hipóteses, pelo empate.
Acredito religiosamente, que o técnico Dragan Jovic e seus auxiliares directos têm consciência da ingente responsabilidade que hão-de enfrentar na trincheira deste adversário e, por isso mesmo, vão procurar tudo fazer para não experimentar um dissabor nesta deslocação à Lusaka. Também fica bem patente o nível de confiança dos jogadores do 1º de Agosto, que esperam fazer um bom resultado esta tarde no Estádio Nkolama, para depois confirmarem a qualificação a fase de grupos da “Champions” no jogo de resposta, que acontece em Luanda a 29 do mês em curso.
Como nota curiosa desta última eliminatória, em que o emblema do “Rio Seco” enfrenta o Green Eagles da Zâmbia, salta à vista o facto de a Confederação Africana de Futebol escalar um trio de árbitros sul-africanos chefiado Victor Gomes, por sinal o mesmo que já havia ajuizado um dos jogos entre o D\'Agosto e o Kikoso Maalum na anterior eliminatória.
De resto, a formação agostina que teve uma eliminação inesperada na sua anterior campanha, em que não conseguiu passar da fase preliminar, fruto do afastamento diante do “desconhecido” AS Otôho do Congo Brazzaville, vai procurar fazer, todavia, nessa nova “aventura” na maior prova de clubes do continente uma boa figura, tal como acontecera uma época antes. Em 2018, recorde-se, o 1º de Agosto protagonizou uma campanha brilhante na “Champions League”, tirando do caminho adversários de prestígio africano, como o Todo-Poderoso Mazembe do Congo-Democrático. Chegado às meias-finais, frente a outro adversário de peso, o Esperánce de Tunis, acabou prejudicado pelo árbitro zambiano Janny Sikazwe, que com uma actuação vergonhosa, entregou de bandeja a qualificação para final à equipa tunisina. Contudo, esta etapa converte-se em contos de outro rosário e os campeões nacionais estão agora focados no momento actual, que passa por atingir a fase de grupos da maior prova de clubes da CAF.
O Petro de Luanda, por seu turno, que na anterior eliminatória tirou do caminho o Matlama FC, tem agora pela frente o Kampala City do Uganda, um adversário teoricamente mais forte do que a formação do Lesotho. É óbvio que a jogar em casa e empurrado pelo calor dos seus adeptos, a equipa do “Catetão” tem condições mais do que suficientes para se impor perante esta equipa ugandesa.
Por isso, depois de alcançar uma vitória na eliminatória anterior, em que superou o seu adversário quer na primeira “mão”, no Lesotho, quer na segunda em Luanda, vai tentar esta tarde construir um resultado, que lhe permita ir ao Estádio Star Times, no Uganda, carimbar o passaporte para atingir a fase de grupos da “Champions League”. É legítimo que a turma comandada por Toni Cosano tem argumentos para tal, mas desde que saiba tirar o maior rendimento possível da qualidade dos jogadores que tem no seu plantel.De resto, espera-se tal como o 1º de Agosto, que o Petro possa, efectivamente, esta tarde dar um passo firme rumo a fase de grupos da “Champions League”, assumidamente o primeiro grande propósito que pretende alcançar nesta “nova aventura nas Afrotaças.
Sérgio V. Dias

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »