Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por Augusto Fernandes

At onde vai a ousadia do Desportivo?

28 de Fevereiro, 2019
Nas últimas três épocas no Girabola Zap, o Clube Desportivo da Huíla (CDH) tem estado a fazer grandes exibições na primeira volta, mas na segunda acaba por transforma-se num autêntico “bolo fofo” (passe o termo) do campeonato.
Esta época, o clube huilano, muito bem orientado tecnicamente pelo angolano Mário Soares, que diga-se de passagem, tem estado a fazer um trabalho acima da média no seu clube, terminou a primeira volta do Girabola Zap na 3ª posição, atrás do Petro de Luanda, segundo da tabela com 31 pontos, menos dois que o líder 1º de Agosto.
Não consigo perceber como é que os militares da Frente Sul abordam a primeira volta com tanta garra para depois claudicarem na segunda quase de forma infantil. Não acredito que seja apenas uma estratégia para resolver o assunto da permanência na primeira Divisão. Pela forma viva e atrevida como o emblema huilano enfrenta os seus adversários, especialmente os chamados colossos do Girabola Zap não se pode aceitar que tenham uma atitude tão descolorida na segunda volta. Será que têm receio de posicionarem-se cima do 1º de Agosto?
Por exemplo, no jogo diante do Petro de Luanda, um crónico candidato ao título, com um orçamento muito superior e jogadores tecnicamente muito mais evoluídos, o Desportivo da Huíla mostrou que não é uma equipa para lutar pela permanência, mas sim para estar entre as quatro melhores do campeonato.
Mesmo diante do confrade 1º de Agosto, do Interclube e Kacbuscorp do Palanca, os huilanos jogam sem complexos e na maior parte das vezes roubam pontos a estes. Em função disto, o Desportivo da Huíla pode e deve fazer melhor do que tem feito nos últimos anos. Por exemplo em 2002 e 2013 foi finalista vencido da Taça de Angola. Por isso, pode lutar para conquistar esta segunda maior prova do futebol nacional.
A direcção do clube pede que a equipa faça o mesmo o número de pontos que fez na primeira volta, ou seja 28 pontos o que daria um total de 56 pontos. Porque não pedir mais? Porque não projectar vencer equipas como o Petro de Luanda, 1º e Agosto e Sagra Esperança com quem perderam na primeira volta na condição de equipa visitante?
Já é chegada a hora de a direcção do Desportivo da Huíla acreditar mais na sua equipa porque tem um treinador que não fica muito a dever aos ditos melhores do nosso campeonato, casos de Dragan Jovic ou mesmo Beto Bianchi, e tendo jogadores que podem muito bem surpreender se forem bem motivados para o efeito.
Agora na segunda volta poderão contar com o reforço de Jacques e Ibukun que foram dispensado pelo 1º de Agosto, por meia época. Embora o nigeriano Ibukun não esteja ainda recuperado, podemos acreditar que o goleador congolês-democrático que este ano não brilhou nos militares do \"Rio Seco\" e que por isso vai querer mostrar serviço para regressar aquele colosso do nosso futebol.
Quando digo que Mário Soares, não fica muito a dever aos dois treinadores que acima referenciei, não estou a exagerar. Imagine um Mário Soares com jogadores do mesmo nível de um 1º de Agosto ou Petro? Não nos esqueçamos que os orçamentos são responsáveis por mais de 50 por cento da hipóteses de uma equipa ser bem sucedida nas competições em que participa. Um exemplo disso foi o que vimos no tempo em que o Libolo relegou para segundo plano os dois maiores emblemas do futebol nacional, o Petro de Luanda e o 1º de Agosto.
Enquanto o Libolo respirou saúde financeira os dois grandes limitaram-se a vê-los ganhar quatro títulos do Girabola, duas Supertaça e uma Taça de Angola. O Petro por exemplo foi relegado a terceira posição do ranking nacional durante mais de seis anos!
Com quem o Libolo, deu o show? Com dois treinadores angolanos: Zeca Amaral por duas vezes e Miller Gomes também em noutra época. Entretanto, dado o facto de a direcção do Desportivo pedir que a equipa faça no mínimo o mesmo número de pontos que fez na primeira volta já é um bom indicativo. Implica dizer que desta vez os militares da Frente Sul podem lutar, seguramente, para chegar o mais longe possível.
Por isso, vale para ver até a onde vai a ousadia do Desportivo da Huíla?

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »