Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Baptismo de Beto Bianchi

30 de Março, 2017
No passado dia 25 começou uma nova era do futebol Angolano, com o baptismo de Beto Bianchi, como seleccionador nacional, com os dois jogos amistosos: com Moçambique e com a África do Sul. A derrota dos Palancas Negras diante dos Mambas, por 0-2, feriu o orgulho dos amantes do futebol angolano, dado o facto de Moçambique ser uma equipa do nosso campeonato.

Nem o facto de ter sido um jogo amistoso, minimiza a derrota frente aos Mambas. Para piorar ainda, o onze Angolano fez das piores exibições, dos últimos dois anos, com um futebol totalmente descaracterizado. É verdade, que estamos num processo de renovação do futebol nacional, e que o treinador precisa de tempo para conhecer os jogadores. Além disso, o corpo técnico teve pouco tempo para preparar a equipa.

Entretanto, o nosso campeonato já disputou sete jornadas, que implica dizer que se jogaram cerca de 630 minutos, tempo suficiente para dar certa rodagem competitiva à maior parte dos jogadores convocados. Temos de ter em mente, e com todo o respeito que devo aos nossos irmãos do Índico, que o nosso campeonato nacional é mais evoluído que o moçambicano. Isto, por si só, significa que a nossa selecção devia ter outra postura em campo, para justificar tal superioridade.

É imperioso frisar, que não está em causa a derrota em si, mas a forma em que a nossa equipa jogou. Durante os 90 minutos de jogo, a selecção nacional, praticamente, não esboçou nenhuma jogada de realce. Quanto ao segundo jogo diante da África do Sul, os Palancas Negras, tiveram uma postura esperada por todos nós. Apesar de ter jogado diante de um adversário superior, com quem já perdeu nove vezes e ganhou, apenas, em uma ocasião dos 14 jogos.

Portanto, a reacção dos amantes do futebol angolano, depois da derrota diante de Moçambique, justificou plenamente e a atitude dos nossos jogadores diante dos Bafana Bafana foi uma clara demonstração de que eles podiam fazer melhor diante dos Mambas. Depois do jogo com a África do Sul, podemos dizer que Beto Bianchi e seus pupilos iniciaram uma era do nosso futebol, pois o objectivo primário para a contratação ou \"aluguer\" do técnico Bianchi, é montar uma equipa com personalidade, atitude, e acima de tudo, que jogue de peito aberto com qualquer adversário a nível de África.

Mesmo a jogar num ambiente hostil, como é o da África do Sul, onde a altitude é um grande problema para equipas de regiões baixas, os jogadores angolanos demonstraram que afinal de contas, sabem e podem jogar bem, diante de qualquer adversário. É de realçar o facto, da maior parte dos jogadores que constituem a actual selecção, ser do Girabola, com destaque para jovens como Erinilson, Neblu, Dudu Leite, Natanael, Yano e outros.

Alem destes jogadores, Beto Bianchi pode contar ainda com dezenas de jogadores que não fizeram parte da convocatória, como Gelson, e alguns que fazem parte da selecção de Sub 20. Pelo que vimos no jogo com a África do Sul, Bianchi, psicologicamente trabalhou os rapazes, fê-los acreditar que eles realmente podiam fazer mais diante do adversário do momento, como podiam tê-lo feito frente a Moçambique.

Depois dos dois primeiros jogos de Beto Bianchi, como seleccionador nacional, podemos dizer que o homem tem quase tudo para cumprir a missão que lhe foi confiada pela direcção da FAF. Mas para isso, tem de trabalhar a mente dos seus jogadores, para que acreditem que sabem jogar futebol e podem fazer muito mais. Para quem está a começar, podemos atribuir a Bianchi e a seus rapazes a nota 5/10, em função do desempenho nos dois jogos. Vamos esperar para ver o que a equipa vai ser capaz de fazer, daqui em diante. Augusto Fernandes

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »