Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio
por TEIXEIRA CNDIDO

Cad a liga?

09 de Dezembro, 2019
O ano apressa-se para o seu fim, e nada se conhece sobre a liga. Depois de Pedro Neto, então presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), ter prometido durante todo o seu consulado constituir a prova nacional do futebol numa liga, o certo é que terminou o mandato sem honrar com a sua palavra. Chegou aliás a encomendar um estudo, inspirando-se no modelo português, ainda que com certas diferenças, o certo é que não se conhece nenhuma liga até hoje. O Girabola Zap continua a ser disputado nos mesmos moldes que o viram nascer. Ensaiou-se a atribuição de um valor ao campeão nacional, mas permear o vencedor não torna a competição numa liga de futebol. A liga impõe mudanças estruturantes não apenas no modelo de disputa da prova, mas sobretudo na gestão dos clubes, e na relação com terceiros como empresas que publicitam, as televisões assim como o público-adepto. Noutras realidades os clubes que nela participam tiveram antes de se transformar em sociedades anónimas. Há outras realidades, que conservam a natureza de simples clubes. De todo, é uma prova que suscita uma mudança na gestão dos clubes, o que beneficia tendencialmente a modalidade. Não há menor dúvidas em relação ao benefício que uma liga traz, por isso todo o sacrifício que exige na altura da sua criação, pode ser compensado com os enormes resultados que dela resultam. Na região Austral já temos exemplos que podem ser imitados, com respeito sempre ao nosso contexto. Não há outro caminho a seguir. A concretização deste sonho perseguido há muito depende não só da Federação Angolana de Futebol, mas também dos clubes. Ou sobretudo deles. São os principais interessados, os que gastam dinheiro (mesmo não sendo fruto do trabalho deles), têm mais do que simples pretensão a obrigação de assegurar o futuro dos clubes. Os sinais de afastamento que as empresas e outras instituições do Estado vão dando, devia ser uma alerta, em particular para os seus dirigentes. Não haverá festança sempre. As coisas estão a mudar, ao Estado se lhe exige hoje satisfação das necessidades primárias. É nelas que deve concentrar os seus esforços. E nesta equação entre priorizar as necessidades urgentes e o desporto, seguramente o último pode ser uma das primeiras vítimas. Importa esclarecer, que falamos do desporto federado. É avisado por isso que os clubes e a Federação Angolana de Futebol arranquem com a competição, ainda que se reconheça a sua complexidade. Os outros começaram de algum modo, e foram corrigindo e melhorando ao longo do percurso. Aliás, é a regra da vida. O amadurecimento é filho do tempo. Não é inato. Recolham por isso os receios, e que se avance para uma liga. Quem se arroga o título de gestor tem de ser capaz de prever. Não apenas as despesas e as receitas mas também o ambiente no qual trabalho. É isso que se exige dos presidentes dos clubes.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »