Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Cad o seleccionador?

07 de Julho, 2018
Salvem o basquetebol! Este tem sido o vocábulo que passou a dominar a família da \"bola ao cesto\", desde que Helder Martins da Cruz \"Maneda\" e seus sequazes tomaram de assalto a direcção da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), em Março do ano passado, depois de vencer no sufrágio universal, o então presidente cessante, Paulo Alexandre Madeira.
Apesar das promessas feitas durante a campanha eleitoral, em que afirmava que a modalidade poderia conhecer um crescimento, dado o prestígio que a disciplina ganhou ao longo das últimas três décadas e meias, a verdade porém, volvidos um ano e dois meses e sete dias, o basquetebol angolano está a beira do precipício.Com as \"mãos atadas\", associados e amantes da bola ao cesto vão assistindo a cada dia que passa, a \"morte\" vertiginosa daquela modalidade que muitas alegrias deu ao povo angolano, sobretudo, em períodos de guerra fria.
As vicissitudes vividas pelos hendecacampeões africanos em 2017, que culminou com a participação desastrosa na fase final da 29ª edição do Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, muito por culpa do amadorismo do actual elenco federativo, eis que, Helder Martins da Cruz \"Maneda\" e os seus sequazes voltaram a meter água durante a preparação do cinco nacional para a terceira janela, já que não foram capazes de criar um plano B, que poderia permitir com que os pupilos de Will Voigt fizessem uma preparação sem grandes sobressaltos.
Mesmo depois de ter cumprido a missão na capital egípcia, Cairo, onde Angola assegurou a qualificação para a etapa derradeira, os jogadores do combinado nacional foram mais uma vez submetidos a humilhações, ao terem pernoitado em cadeiras do aeroporto do Dubai, onde aguardavam a ligação para a capital angolana, Luanda.
A delegação regressou ao país, sem os técnicos estrangeiros, que seguiram logo para o Estados Unidos da América, mal terminou o torneio do Cairo.
Com o aproximar da data do arranque da quarta janela de qualificação, prova marcada de 14 a 16 de Setembro do ano em curso, era imperioso, que o seleccionador nacional, Will Voigt, assim como os seus colabores expatriados viessem para Angola, a fim de começarem a delinear o plano de preparação, visando a aludida competição.
Depois de ter abandonado por duas ocasiões os trabalhos da pré-selecção nacional, uma devido ao falecimento do seu pai e, outra devido a problemas de saúde da mãe, Will Voigt volta a largar o navio no alto mar, desta, aparentemente, sem qualquer motivo plausível.
Perante toda essa confusão, seria bom que a direcção da Federação Angolana de Basquetebol, na pessoa do seu presidente, viesse publicamente, explicar aos angolanos, sobre o tipo de contrato que rubricou com o técnico norte-americano.
Será que voltaremos a ter o seleccionador nacional três dias antes do arranque da quarta janela de qualificação?
Melo Clemente

Últimas Opinies

  • 19 de Outubro, 2019

    Quem quem no nosso Girabola Zap?

    A medida que as jornadas se sucedem, o Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão vai aquecendo, tomando melhores proporções competitivas que provoca igualmente um maior arrasto dos prosélitos.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O desporto angolano conquistou alguns resultados satisfatórios, sendo de destacar a conquista inédita do Campeonato do Mundo e mais recentemente o “’Africano.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    O rolar dos patins

    Deu-se na tarde de ontem,  a ‘stickada’ inicial da presente edição do Campeonato Nacional de hóquei em patins, que é marcada pelas ausências das equipas do interior do país e que conta com a participação de seis emblemas militares.

    Ler mais »

  • 17 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou regozijado com a presença do Ivanildo Lopes na elite da arbitragem da CAF. É a primeira vez que Angola tem um trio ao mais alto nível da Confederação Africana de Futebol. Ele tem à porta aberta para a elite A. Se ele continuar com a mesma dedicação, brevemente poderá conseguir tal desiderato.

    Ler mais »

  • 17 de Outubro, 2019

    Renncia anunciada

    Razões a ver com a falta de apoio institucional para o desenvolvimento de acções e projectos ligados ao desporto adaptado, podem levar o presidente do Comité Paralímpico Angolano a renunciar o cargo, exausto que está de promessas vãs, que colidem com aquilo que são as suas expectativas à frente deste órgão desportivo.

    Ler mais »

Ver todas »