Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

CAF e a pedra no sapato

13 de Dezembro, 2018
Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo, o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.
Vale aqui abrir um parêntesis, para dizer que na edição de 1996, que marcou, por sinal, a estreia de Angola, a Nigéria, campeã em título, não se fez presente. Uma divergência política havida entre Sani Abacha, à época presidente nigeriano e Nelson Mandela, da África do Sul, esteve na base do boicote por parte do campeão africano.
Mas é dos constrangimentos resultantes de renúncias à organização, que pretendemos abordar aqui. A última a vez com a maior cimeira do futebol africano acorreu em 2015, quando o Marrocos jogou a bola para os palcos da Guiné Equatorial, sob receio de infestar do país com o vírus Ebola, que solava alguns países do centro de África.
Quanto ao caso presente, diga-se de passagem, há muito as autoridades camaronesas vinham dando sinais de insegurança. Qualquer observador atento terá percebido, que só com ginástica suplementar Camarões chegaria à organização do evento. Pairava a ameaça de desistência, desde a primeira hora. Tanto é que Marrocos, que organizou o CHAN no princípio do presente ano, esteve sempre à espreita.
Defendemos que a Confederação Africana de Futebol deve se certificar da capacidade dos países, que se candidatem à organização da sua maior competição, uma vez havendo um caderno de encargos deve ser rigorosamente respeitado. Ou na pior das hipóteses, definir o timing para declarar desistência, devidamente justificada, que não deve estar muito perto da prova.
Trata-se de um timing, que possa dar margem de manobra ao país que se predisponha à substituição daquele, a quem foi inicialmente confiada a organização. Pois, não fosse a alteração no período de realização do certame, não se sabe com que linhas a CAF se iria coser a escassas semanas de Janeiro, mês em que sempre tem lugar a prova.
Temos quase certeza que se Camarões tivesse renunciado um pouco antes, não teríamos apenas Marrocos e África do Sul na corrida. Na verdade, da parte de outros países com forte tradição no futebol africano, vontade de assumir a organização não terá faltado. Mas, o tempo terá se colocado de permeio, como um elemento desencorajador.
Por tudo isso, deviam haver medidas sancionatórias para as renúncias à organização, sobretudo quando não suficientemente justificadas. É certo que existem situações como epidemias e conflitos armados, que deixam os países em desnorte, sem condições mínimas para receber competições de carácter internacional. Para estes casos é compreensível. Mas para alguns nem tanto.
Aqui chegados, vamos esperar pelo 9 de Janeiro de 2019, para saber se será Marrocos ou África do Sul a sede do próximo Campeonato Africano das Nações. Ambos têm potencial para o efeito. O primeiro acolheu, ao princípio do presente ano, o CHAN\'2018, e o segundo foi organizador do CAN\'2013, para além de ter sido sede do Mundial de 2010.
Portanto, são países que precisam acertar apenas pequenos detalhes, o que podem fazer perfeitamente nos próximos quatro meses, para que a nata do futebol africano se possa juntar no seu regaço em Junho do ano que, dia menos dias, daremos boas-vindas, por entre fanfarra e festival de fogo-de-artifício...
Matias Adriano

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »