Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Capita e o seu Trofense

07 de Outubro, 2019
À parte a polémica sobre quem terá razão na disputa que se assiste entre o 1° de Agosto,o empresário e a família do atacante Capita. As minhas atenções estão viradas para a tentação dos agentes do futebol nacional que não aprendem, tão pouco se manifestam ponderados na hora de mandar os jogadores para o estrangeiro. A ilusão óptica de que qualquer jogador angolano mesmo no Trofense é sempre melhor do que no Petro de Luanda ou 1° de Agosto é antiquada. Não se aplica mais para os tempos modernos. O mundo e o futebol são globais hoje. Os olheiros estão em qualquer canto. E temos exemplos por cá. Manucho foi parar ao Manchester United sem necessidade de ter jogado em qualquer campeonato europeu. Portanto, não é líquido queo jogador basta estar nos Trofenses que tem logo as portas abertas para os grandes campeonatos europeus ou será logo capaz de se adaptar ao ambiente e o futebol de um grande europeu. É apenas uma ilusão. A prática demonstra cada vez mais que no futeboltudo é relativo e depende de todo um conjunto de valores desde a vontade interior do jogador, capacidade de ultrapassar as adversidades e tudo resto. Se assim não fosse Mantorras nao teria brilhado no Benfica de Lisboa, e Renato Sanches não teria fracassado no Bayern de Munique. O meu receio em relação ao futebol português é qualquer coisa como preconceito. Ou seja, tem sempre a ideia de que no futebol angolano não sai nenhum jogador capaz de chegar, ver e vencer. Gelson Dala contrarioueste preconceito, apesar de não ter ficado na principal equipa do Sporting. Nos juniores do Sporting brilhou. Quando lhe deram oportunidades no Rio Aves também fez o mesmo. Mas ainda assim não foi capaz de ficar no Sporting, uma equipa que está aos retalhos. Não estou a dizer que seja uma sumidade.Tenho a certeza que tem talento, muita capacidade para fazer parte da equipa do Sporting e ir discutindo a sua posição.Mas o preconceito e a falta de paciência que caracteriza um pouco os clubes portugueses resultou na actual situação do jogador. Foi assim que Bernardo Silva, jogador do Manchester City, não ficou no Benfica de Lisboa.E hoje é na minha opinião o segundo melhor jogador de Portugal, e dentro em breve pode ser o melhor, quando Cristiano Ronaldo for embora. Portanto, é preciso inverter a tendência de achar que Portugal e qualquer clube serve e basta para o angolano evoluir e crescer. O Mundo hoje é outro. Exploramos outros mercados e tenhamos paciência.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Dcimo lugar reflecte sentido do dever cumprido

    O décimo-quinto lugar conseguido na 24ª edição do Campeonato do Mundo disputado na cidade japonesa de Kumamoto, melhorando o 19º conquistado há dois anos, na Alemanha, constitui uma safra boa.

    Ler mais »

  • Hoje

    Cartas dos Leitores

    Os nossos atletas estão a corresponder com aquilo que nós almejamos, tentar fazer sempre o nosso melhor, no sentido de disputarmos um campeonato tranquilo para que consigamos, também, na parte final do campeonato, termos essa tranquilidade e a permanência assegurada.

    Ler mais »

  • Hoje

    Quem salva o ASA

    Campeão das edições do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão de 2002, 2003 e de 2004, respectivamente, o Atlético Sport Aviação (ASA), um clube cuja existência remonta desde o longínquo 1 de Abril de 1953, corre o risco de extinguir a sua equipa principal.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Vale a pena continuar a acreditar nos nossos representantes?

    A caminho da terceira jornada, os dois representantes angolanos na fase de grupos de Liga do  Campeões Africanos, continuam a decepcionar. Na primeira jornada, os militares perderam dois preciosos pontos na recepção aos zambianos do Zesco United, enquanto os petrolíferos foram goleados por três bolas a zero em casa do Mamelodi Sundowns da África do Sul.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

Ver todas »