Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Carta de verdade, condenao injusta!

30 de Abril, 2018
Devido à suspensão da árbitra Marximina Bernardo, por três anos, por acto de corrupção passiva - agora, desconfio serem muitos casos - decidi recordar hoje a triste condenação sofrida por este jornal, por em 2002 publicar uma carta, em que se dizia ter sido, assinada por Carlos Zacarias ( nota bem: dizia-se!), membro do Conselho Central da Federação Angolana de Futebol, em que o seu responsável “dava indicações” para se contactar os dirigentes do Petro de Luanda e anuncia-los o nome do árbitro do encontro com o ASA, assim como o local de alojamento.

Tratava-se do juiz Eugénio Colembi. A carta não revelava o mote para o encontro, todavia, a publicação fez gerar desconfianças que hoje em dia são fáceis de perceber, agora que a respeitável juíza está suspensa.

Infelizmente, o Tribunal Provincial achou a carta falsa e alegadamente os seus autores sabiam da falsidade. Decretou uma condenação (pena suspensa por cinco anos ao director), absolvição a alguns jornalistas chamados a juízo e multa de 50 Kwanzas por dia ao tribunal, mais uma indemnização no valor de 20 mil Kwanzas aos lesados.

Quais foram os lesados? Nada mais do que a Federação Angolana de Futebol (FAF), Petro de Luanda, o árbitro internacional Eugénio Colembi e Carlos Zacarias (do Conselho Central árbitros). Na altura, a advogada do jorna, Pulquéria Van -Dúnem, ainda interpôs recurso ao juiz, por notar algumas imprecisões no processo.

Até hoje não entendo a condenação lida pelo juiz José Augusto Marceneiro da 6ª Secção da Sala de Crimes do Tribunal Provincial de Luanda. Acho que o contributo dado pelo jornal para o levantamento do \"véu\" que pairava sobre a nossa arbitragem não mereceu a devida investigação.

Criou precedentes pelo seguinte: se as afirmações públicas pronunciadas há poucos anos pelo presidente e proprietário do Clube Recreativo da Caála, Horácio Mosquito, fossem tomadas à sério, não haveria motivos de sobra para a suspensão da árbitra internacional Marximina Bernardo por acto de corrupção passiva.

Se na altura Horácio Mosquito fosse tido à sério, julgo mesmo que as autoridades policiais, judiciais, administrativas e fiscais podiam desencadear uma copiosa investigação que seria útil ao combate à corrupção no futebol nacional, em particular na arbitragem nacional.

Os que hoje apontam o dedo a Marximina Bernardo fizeram ouvidos de mercador quando Horácio Mosquito na ocasião chamou a imprensa no majestoso anfiteatro do Hotel Epic Sana, em Luanda, e de lá, alto e em bom som, ter admitido a existência de actos de pura corrupção no Girabola.

Como podia Horácio Mosquito mentir, se sem receio, admitiu que ele próprio em anos anteriores esteve no jogo de corrupção de arbitragem?

\"Eu já paguei árbitros internacionais, lá fora, e alguns árbitros aposentados, mas hoje não o faço, aliás, há muitos anos que deixei de o fazer, porque rapidamente percebi como isto funciona a partir do momento em que recebi uma denúncia de um árbitro internacional\". Então, essa afirmação não era de levar à sério?

Como não, se de viva voz revelou na altura, por exemplo, o facto da Federação Angolana de Futebol não agir, tomou a iniciativa de enviar cartas ao então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, à Casa Civil e à Procuradoria Geral da República para validarem a abertura de um inquérito sobre a questão?

Para mim, esta suspensão a Marximira Bernardo veio mostrar que se \"abriu, finalmente, o jogo sujo\" , o \"jogo da batota e que, em última instância, já houve “campeonatos comprados”.

Só o facto, de um clube oferecer prendas a árbitros e dirigentes de clubes ou de Associações e Federação é uma suspeição.

Os actos de corrupção são notórios e de natureza criminal. Há, ainda, por tudo isto, quem duvida da denúncia feita no ano passado pelo técnico Zeca Amaral, no Luena?
ANTÓNIO FÉLIX

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »