Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Clssico do fim-de-semana e a persistncia do Kabuscorp

11 de Abril, 2019
Esgotadas (?) as abordagens em torno do clássico do fim-de-semana, entre Petro de Luanda e 1º de Agosto, abre-se espaço para outros temas de conversa, que é o que nunca falta no mundo do desporto, prenhe de acontecimentos e talvez resida nisso, a razão de quem diz que “em termos de acontecimentos com valor noticioso, o desporto é mais fértil que a política, na expressão pura do termo”.
Abre-se um parêntesis, para satisfazer o pedido de certos amigos que nos solicitaram algumas linhas sobre o jogo acima citado, pelo que julgamos oportuno, antes de mais, agradecer a preferência ao que escrevemos, o que muito nos motiva e incentiva a prosseguir nesta senda, passe a vanglória.
Acima de tudo, saudamos o bom jogo realizado pelas duas equipas, que repartiram o domínio em vários momentos do jogo, sem que de facto alguma levasse vantagem, em termos de ocasiões claras de golo, que foram quase inexistentes.
Convém-nos (ainda) dizer, mau grado \"São Pedro\", o padroeiro da chuva, ter se manifestado de forma áurea no dia do jogo, que inviabilizou em muitas ocasiões a fluidez do futebol, que os “artistas” das duas equipas são capazes de promover com melhor qualidade e não fosse isso, o resultado podia ter sido outro, favorável a qualquer uma das antagonistas, que não seria crime nenhum.
Tal facto, prova que Petro de Luanda e 1º de Agosto são, merecidamente, os maiores emblemas do futebol angolano, por esta razão, obrigam-se a fazer sempre mais e melhor em prol do desenvolvimento da modalidade em particular e do desporto no geral.
A evocada postura alinha-se à necessidade de se exigir mais profissionalismo à todos os intervenientes da cadeia desportiva e evitar situações como a que sinalizamos como negativas, relacionadas com a presença de fatos impermeáveis aos treinadores e demais elementos nos bancos de suplentes, que enfrentaram a chuva, com o risco de contrair doença, como a gripe, por exemplo.
Noves fora isso, - será um aspecto de menor importância ?-, para a história fica o nulo, mais um, que deixa aberta as contas do presente Girabola, no que tange à corrida para o troféu, pelo qual o clube militar apenas depende de si, contrariamente aos petrolíferos, que para lá dos resultados que vierem a obter, devem rezar por um desaire dos “soldados” do general Carlos Hendrick.
Convém dizer, caso as duas equipas obtenham resultados iguais, até ao fim do Girabola, contando que o Petro vença os dois jogos que tem em atraso, a galeria do clube do Rio Seco, à Maianga, será, mais uma vez, a residência do maior troféu do nosso futebol.
Os factores acima referenciados deixam a turma militar com mais conforto na corrida à conquista do “tetra”, que a acontecer, será o primeiro na sua história. Entretanto, há espaço neste texto para falar da persistência do Kabuscorp do Palanca, equipa cuja imagem de marca é, sem margem de dúvidas, o seu proprietário, Bento Kangamba, à quem enviamos uma abraço de camaradagem pela audácia com que tem sabido lidar com as intempéries, que a sua equipa enfrenta nesta época.
Sem considerar as razões objectivas que sustentam as decisões que a Federação Angolana de Futebol está a tomar contra a equipa do Palanca, marcadas por retiradas de pontos, a persistência da equipa cuja resposta em campo está a ser um exemplo de profissionalismo, merece de todos uma ovação e a conclusão de que de facto, Bento Kangamba é um homem que vive e transpira futebol.
Muito nos honraria, que outros tantos “pseudo” endinheirados da nossa praça, -muitos feitos à custa da delapidação do bem público -, estivessem no e pelo desporto, com a mesma veia e disposição que o patrono do clube do Palanca, pelo valor social, económico e cultural do desporto, pelo que bem -haja, Bento Kangamba. Carlos Caolngo

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »