Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Colocar o marketing desportivo no pdio!

16 de Abril, 2018
O marketing faz sentir o seu impacto no mundo do desporto, de diversas formas.
Um aspecto crucial, no marketing desportivo, é reconhecer que lida com um produto com particularidades próprias.
As marcas e o desporto, por mútuo interesse, formam uma equipa, pois, o desporto assume uma importância crescente na divulgação das referidas marcas, enquanto que as mesmas marcas investem no desporto como veículo para levar a sua mensagem à um número cada vez maior de pessoas.
O marketing desportivo tem um papel decisivo na construção de um modelo de gestão para o desporto, capaz de vencer os desafios do futuro.
Então, porque que não aproveitamos, não exploramos, profissionalmente, o enorme potencial que o marketing desportivo apresenta?
Porque temos o “melhor hábito do mundo” de inventar tão mal quando podemos copiar tão bem!
É só aferir o desempenho dos departamentos de marketing existentes no desporto nacional, onde poucos são os planos de marketing produzidos, e dos tais poucos produzidos quase não se vê de facto, integração de políticas assertivas numa perspectiva estratégica.
E, para macular toda a postura, recorrentemente surgem presidentes de direcção a defenderem que só vão começar a pensar em investir seriamente no marketing, se este, primeiro, der algum dinheiro.
Nada mais errado, nada mais equivocado, nada mais constrangedor. Eu sei, o caro leitor sabe, todos sabemos que não pode ser assim.
Fique claro, que não existe sensibilidade nem consciência da parte dos clubes nacionais do poder do marketing e da sua importância na conquista e fidelização dos consumidores, e com isso, das marcas e patrocínios.
Por outro lado, a própria qualidade do desporto como produto, é fundamental, para o êxito do marketing desportivo.
Um desporto sem qualidade não atrai o público. Por exemplo, se um campeonato estiver mal organizado, as equipas não produzirem bons espectáculos, sai prejudicada a referida modalidade desportiva.
Com isso, cai a popularidade, afasta a media, o público amante da referida modalidade e as empresas investidoras.
Para empreendermos com sucesso a batalha em favor do marketing desportivo, ao ponto de o colocarmos num lugar de destaque de pódio, é necessário desencadear estudos acerca das motivações, dos desejos e interesses das pessoas e das marcas, em relação ao mercado de consumo do desporto.
Além disso, é preciso que aprofundemos a compreensão e a dimensão do desporto, enquanto veículo de comunicação para as marcas, porque é expectável o aumento do marketing desportivo, quer a nível mundial como também no desenvolvimento desta área no nosso país.
Isso, implica a necessidade de olhar com atenção para novas formas de gestão por parte dos clubes, desde que estes estejam interessados e preocupados em inovar e desenvolver as suas actividades desportivas e comerciais.
O desporto além de oferecer aos cidadãos a satisfação das necessidades básicas, como saúde, diversão e sociabilidade, destaca-se também como meio de promoção em que o consumidor é um elo muito importante, e a natureza da audiência desportiva de qualquer modalidade, em qualquer formato, seja presencial, virtual ou através de imagens, em que o nível de espontaneidade seja facilmente previsível.
Para o efeito, importa conceber e implementar uma abordagem a nível do desporto nacional no que respeita ao marketing desportivo, desde a definição de estratégias de marketing pelos clubes à gestão e angariação de patrocínios, passando pela organização de eventos e pela gestão de imagem dos profissionais do desporto.
O marketing desportivo é no momento, um dos principais instrumentos, senão o principal instrumento dos e para os clubes nacionais abrirem oportunidades de se tornar fortes imagem dos mesmos, dar-lhes a grande oportunidade, por exemplo, desses clubes de negociar para fechar bons contratos publicitários!
Nzongo Bernardo dos Santos *
Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo

Últimas Opinies

  • 15 de Dezembro, 2018

    Honremos as nossas glrias

    Afigura-se sempre pertinente falar ou escrever sobre ex-atletas, de qualquer modalidade, que num passado recente deram o seu melhor, contribuindo para a evolução da mesma e, também para que o País alcançasse glórias no contexto continental e internacional.

    Ler mais »

  • 15 de Dezembro, 2018

    Citaes

    Normalmente quando se ganha não se pode mexer, quando se mexe é porque alguma coisa não está bem. Os jogadores estão bem e vamos aproveitar esse bom momento.

    Ler mais »

  • 15 de Dezembro, 2018

    Boa prenda de Natal

    Angola posicionou-se no lugar mais alto do pódio, no Campeonato Africano de andebol sénior feminino que a cidade de Brazzaville albergou, e  serviu, também, para apurar os representantes do continente ao próximo Mundial da categoria.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo que nos faz falta(fim)

    Angola e Portugal poderiam cooperar enviando por um período professores de educação física, que o físico dos angolanos ia ficar grato por gerações e gerações a viver desse embalo.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

Ver todas »