Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Colocar o marketing desportivo no pdio!

16 de Abril, 2018
O marketing faz sentir o seu impacto no mundo do desporto, de diversas formas.
Um aspecto crucial, no marketing desportivo, é reconhecer que lida com um produto com particularidades próprias.
As marcas e o desporto, por mútuo interesse, formam uma equipa, pois, o desporto assume uma importância crescente na divulgação das referidas marcas, enquanto que as mesmas marcas investem no desporto como veículo para levar a sua mensagem à um número cada vez maior de pessoas.
O marketing desportivo tem um papel decisivo na construção de um modelo de gestão para o desporto, capaz de vencer os desafios do futuro.
Então, porque que não aproveitamos, não exploramos, profissionalmente, o enorme potencial que o marketing desportivo apresenta?
Porque temos o “melhor hábito do mundo” de inventar tão mal quando podemos copiar tão bem!
É só aferir o desempenho dos departamentos de marketing existentes no desporto nacional, onde poucos são os planos de marketing produzidos, e dos tais poucos produzidos quase não se vê de facto, integração de políticas assertivas numa perspectiva estratégica.
E, para macular toda a postura, recorrentemente surgem presidentes de direcção a defenderem que só vão começar a pensar em investir seriamente no marketing, se este, primeiro, der algum dinheiro.
Nada mais errado, nada mais equivocado, nada mais constrangedor. Eu sei, o caro leitor sabe, todos sabemos que não pode ser assim.
Fique claro, que não existe sensibilidade nem consciência da parte dos clubes nacionais do poder do marketing e da sua importância na conquista e fidelização dos consumidores, e com isso, das marcas e patrocínios.
Por outro lado, a própria qualidade do desporto como produto, é fundamental, para o êxito do marketing desportivo.
Um desporto sem qualidade não atrai o público. Por exemplo, se um campeonato estiver mal organizado, as equipas não produzirem bons espectáculos, sai prejudicada a referida modalidade desportiva.
Com isso, cai a popularidade, afasta a media, o público amante da referida modalidade e as empresas investidoras.
Para empreendermos com sucesso a batalha em favor do marketing desportivo, ao ponto de o colocarmos num lugar de destaque de pódio, é necessário desencadear estudos acerca das motivações, dos desejos e interesses das pessoas e das marcas, em relação ao mercado de consumo do desporto.
Além disso, é preciso que aprofundemos a compreensão e a dimensão do desporto, enquanto veículo de comunicação para as marcas, porque é expectável o aumento do marketing desportivo, quer a nível mundial como também no desenvolvimento desta área no nosso país.
Isso, implica a necessidade de olhar com atenção para novas formas de gestão por parte dos clubes, desde que estes estejam interessados e preocupados em inovar e desenvolver as suas actividades desportivas e comerciais.
O desporto além de oferecer aos cidadãos a satisfação das necessidades básicas, como saúde, diversão e sociabilidade, destaca-se também como meio de promoção em que o consumidor é um elo muito importante, e a natureza da audiência desportiva de qualquer modalidade, em qualquer formato, seja presencial, virtual ou através de imagens, em que o nível de espontaneidade seja facilmente previsível.
Para o efeito, importa conceber e implementar uma abordagem a nível do desporto nacional no que respeita ao marketing desportivo, desde a definição de estratégias de marketing pelos clubes à gestão e angariação de patrocínios, passando pela organização de eventos e pela gestão de imagem dos profissionais do desporto.
O marketing desportivo é no momento, um dos principais instrumentos, senão o principal instrumento dos e para os clubes nacionais abrirem oportunidades de se tornar fortes imagem dos mesmos, dar-lhes a grande oportunidade, por exemplo, desses clubes de negociar para fechar bons contratos publicitários!
Nzongo Bernardo dos Santos *
Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo

Últimas Opinies

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Vamos voltar a ter futebol (fim)

    As contas do MINJUD são contas do Estado e para acompanhar o discurso presidencial é preciso serem auditadas e publicadas, dando assim exemplo aos agentes desportivos, cujos duodécimos o próprio Estado ignora como são realmente aplicados, pois, também os clubes e Associações não cultivam a auditoria das suas contas.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Partido MPLA: corrija o que est mal

    Ao contrário do que muitas pessoas pensam ou chegam até mesmo a defender de que o desporto e a política mais do que intrinsecamente separados, devem estar “legalmente” divorciados, devo estar certo ao afirmar que o desporto e a política, são “irmãos gémeos, porém de pais e mães diferentes”.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Se o Presidente prometeu, venham ento os apoios !

    Julgo que não é para politicar , só é para lembrar. No sábado passado - e isto foi notícia neste jornal, o MPLA teve um encontro com dirigentes desportivos para se projectar  futuro melhor desta área social, porque João Lourenço, enquanto foi candidato do MPLA a Presidente da República, já chegou a ter um encontro alargado com os dirigentes, técnicos, agentes desportivos, atletas e Imprensa desportiva, no Centro de Conferências de Belas, em Luanda.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Citaes

    Sinto uma grande honra de estar à frente destes rapazes, diante de um público como este. Obrigado aos jogadores.

    Ler mais »

Ver todas »