Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Com o balo vazio no se busca patrocnio

22 de Julho, 2019
Certa directora de marketing, com muita experiência nesta área e que trabalha no mercado nacional há mais de 10 anos, confidenciou-me, dias atrás, que nunca tinha chegado a receber tantos pedidos de apoios de patrocínios como no ano passado,
Oque lhe deixava mais intrigada, e que para mim não passou despercebido, é o facto de que, das muitas propostas de apoios de patrocínios chegadas até a sua secretária, os \"pedintes\", permitam-me a expressão, raras vezes se colocavam do lado da marca que a referida directora representa.
Ou seja, as propostas apresentadas davam mais importância às necessidades dos \"pedintes\" do que propriamente às oportunidades a serem aproveitadas ou exploradas pela marca patrocinadora, juntando ainda, no \"mesmo saco\", apresentações com grandes défices de argumentos relevantes para a marca que querem angariar como patrocinador e, muitas vezes, sem conhecerem bem o seu portefólio de negócios!
Um comportamento que tem sido recorrente, principalmente nestes dias em que nos vamos aproximando de uma mais uma edição do Girabola Zap.
Mas o cerne da questão, não está apenas ali. A falta de profissionalismo dos \"pedintes\" de apoios de patrocínio chega a roçar tamanha imaturidade, porque vão ao ponto de fazer a mesmíssima apresentação a vários patrocinadores, mudando em alguns casos apenas o logotipo no primeiro slide!
Claro que, se estivesse na posição dum patrocinador, tinha de fazer várias perguntas para, no mínimo, dar uma resposta \"simpática\" de que não tenho condições para atender o pedido de apoio de patrocínio dum \"pedinte\" cujo perfil está descrito acima.
Perguntas tais como: o que é que a minha marca vai ganhar ao me associar a causa solicitada? Tenho valores a partilhar com quem está a solicitar o patrocínio?
Será que a minha acção como patrocinador vai permitir gerar leads ou notoriedade sobre a minha marca?Que activações serão feitas pela minha marca? Que retorno vou obter nas várias acções que eu tenho planeado para lá do patrocínio, se a entidade que me solicitou o patrocínio não está minimamente organizada, para acrescentar valor a minha oferta de merchandising ou aos produtos e serviços que quero comunicar ao público?
Um patrocinador sério, profissional, sabe que, muito melhor do que eu, patrocinar um clube, uma selecção, um torneio envolve tomar decisões fundamentadas, é meio caminho andado para o sucesso das mesmas e acrescentar valor aos benefícios e ganhos que pretende obter.
Porque patrocinador que é patrocinador sabe melhor do que eu da força do desporto como marketing da sua marca, seja em um evento desportivo, clube ou um atleta em individual.
Ao ganhar importância e ao captar investimentos que antes eram dirigidos para outros formatos de comunicação comercial, como os anúncios na televisão e nos painéis publicitários, o patrocínio desportivo tem conseguido provar de forma inequívoca a sua eficácia e a sua verdadeira influência no estilo de vida dos consumidores.
Do lado das empresas, torna-se fundamental perceber e comparar as várias soluções de comunicação disponível ligada ao patrocínio desportivo para que se possam maximizar os resultados pretendidos.
E do lado dos clubes e dos seus dirigentes? Se quiserem obter respostas e informações práticas sobre o assunto, não hesitem em contactar-me, através do email: bernardosantos2006@yahoo.com.br

(*)Mentor e Gestor Executivo
do Fórum Marketing Desportivo
Zongo Fernando dos Santos

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »