Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Combater a corrupo na alta competio

07 de Junho, 2018
Desportivamente falando, quando alguém induz ou influencia alguém para agir em seu favor com a finalidade de obter vantagens em relação a outros, consciente ou inconscientemente essa pessoa está a praticar a corrupção. O acto de corromper é antigo, pode dizer-se, que anda de mãos dadas com a humanidade desde os primórdios. Em certos casos, a corrupção pode ser tão grave a ponto de prejudicar uma nação inteira.
Desportivamente falando, muito já se escreveu, falou, opinou, sobre este grande mal, e como acabar com ele? A verdade é que a cada dia que passa, parece-nos que a corrupção no desporto ganha mais adeptos.
Temos de reconhecer, que ao redor do Mundo muito se faz para acabar com este grande mal. Aliás, em Angola, um dos grandes objectivos supremos do titular do Poder Executivo, e ele acredita que consegue, é acabar com a corrupção.
Entretanto, apesar dos esforços feitos nesta direcção, parece-nos que o vírus da corrupção continua gordinho, por um erro que se comete com muita constância, segundo o treinador de basquetebol do Asa, Carlos Dinis, em entrevista à Radio 5.
O categorizado treinador mostrou-se agastado com a forma que a justiça no geral actua em caos de corrupção, por apresentar ou julgar apenas o corrompido e não o corruptor! Fala-se sempre de corrupção na arbitragem, de jogadores que foram corrompidos, dificilmente se apresenta os corruptores.
Há anos, tivemos um caso, em que o presidente de um clube angolano, no caso o jovem Horácio Mosquito, do Recreativo da Caála, assumiu publicamente que ele mesmo tinha corrompido um arbitro e estava disposto a abrir o jogo todo sobre a questão, para o efeito marcou uma conferência de imprensa.
A verdade, porém, é que até hoje o homem não passou da intenção, o que por si, só pode indiciar que para alguns não convinha que tal verdade fosse exposta ou aberta, em função do “calibre ou do peso” das pessoas provavelmente envolvidas. Muito recentemente, tivemos o caso que envolvia a arbitra Maximina Bernardo que foi suspensa, por supostamente ser corrompida por alguns responsáveis do Benfica de Luanda, no Girabola de 2015.
É verdade que os dois actores ( o corruptor e o corrompido ) foram punidos, embora, tardiamente. Já foi muito bom o caso ter sido descoberto e se a memória não me atraiçoa , pela primeira vez desportivamente falando, o corruptor que é o mal a ser combatido, foi exposto e punido.
Entretanto, a grande questão é: é possível a acabar com a corrupção no desporto? Para respondermos à questão, primeiro, temos de saber o porque é que algumas pessoas recorrem à corrupção.
Tendo em atenção o significado de corrupção ou o acto que conduz à esta definição no contexto desportivo, conforme expresso no primeiro parágrafo deste texto, vemos que o grande objectivo do corruptor é ganhar vantagem em relação a outros.
Assim, o corruptor como está envolvido em alta competição é movido pelo orgulho e desejo de vencer, consequentemente, receber as honras e os benéficos de um vencedor.
Portanto, o orgulho ganancioso e porque a maior parte das pessoas o aprova, comanda o corruptor e ele agi como alguém telecomandado.
Portanto, é preciso muita força moral baseada em elevadas normas de conduta, para uma pessoa resistir à tentação de corromper ou ser corrompido, e isto, é impossível num ambiente desonesto e competitivo como é o desporto de alta competição, de prejudicar uma nação inteira.
Desportivamente falando, muito já se escreveu, falou, opinou, sobre este grande mal e como acabar com ele!? Mas a verdade é que a cada dia que passa, parece-nos que a corrupção no desporto ganha mais adeptos.
Temos de reconhecer que ao redor do Mundo, muito se faz para acabar com este grande mal, a corrupção no desporto de alta competição?
Augusto Fernandes




Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »