Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Como ser o profissional de marketing desportivo do futuro?

14 de Maio, 2018
No passado dia 8 de Maio, comemorou-se um pouco por todo o mundo, o dia Internacional do profissional de marketing.
Em alusão à data, o \"suspeito de costume\", recebi um convite \"sui generis\" para participar numa mesa redonda, em jeito de brainstorming em videoconferência, diga-se em abono da verdade, uma modesta, simples, mas significativa actividade que deixou no final uma sensação de nostalgia, que não me lembro algo semelhante desde que me conheço e reconheço-me profissional de marketing.
Mas, porque razão?
Porque naquele exacto momento, comecei a pensar seriamente no meu futuro e na minha vida como profissional de marketing!
E, já que estou com a \"mão na massa\", a falar sobre futuro, gostava de partilhar uma profunda reflexão junto dos leitores deste espaço, a célebre frase usada pelo actor e realizador de cinema Woody Allen, que de forma sucinta, disse: \"Eu estou interessado no futuro, porque é o sítio onde vou passar o resto da minha vida\".
Ninguém, tem uma bola mágica para adivinhar como vai ser o futuro de um profissional de marketing, mas com certeza que podemos contar – o futuro profissional de marketing vai ter de estar mais do que nunca, preparado para uma constante evolução e mudança.
O futuro profissional de marketing deve ter três características principais: a mente de engenheiro ou de matemático, a sensibilidade de artista e a narrativa de jornalista ou de escritor.
No curto e longo prazo, o profissional de marketing deve ser capaz de tomar decisões, com base em dados que se recolham em tempo real.
O departamento de marketing, tradicional, como tal, não existe mais. Evoluiu para um laboratório de investigação genuína, em que as hipóteses são levantadas e as validações são baseadas em metodologia científica e quantificada.
Por outro lado, deve destacar-se a sensibilidade de um artista. Nesse sentido, podem intuir-se os produtos e as mensagens mais interessantes para o público -alvo a que se destina. A criação de um serviço/produto que é notável pela sua autenticidade e desejo em adquiri-lo.
A exclusividade, o design, o valor – todas as grandes marcas distinguem-se, por ter ou oferecer algo único.
Finalmente, o\" marketeer\" do futuro deve também despertar o interesse do seu público -alvo, para a sua impressionante capacidade de contar histórias relacionadas com a sua marca.
Assim, deve rodear-se de uma equipa com grande capacidade de comunicação, que pode gerar envolvimento com o público.
O actual profissional de marketing já é digital, está em permanente conexão, a viver e a pensar em rede, em multicanal, a pensar num mercado global.
No futuro, o mesmo profissional de marketing pode ser um profissional com capacidade de adaptar-se às mudanças marcadas por um tempo cada vez mais curto.
Será obrigatório ter um talento natural para a transformação, para a criação de novos cenários, numa constante evolução e reciclagem de conhecimentos.
O futuro profissional de marketing passa a ter mais informação do que nunca, mas deve de tomar decisões mais rápidas e com mais precisão.
Estou interessado no futuro do marketing, porque é o lugar onde vou para passar o resto da minha vida profissional.
Por isso, fica lançado o desafio, em jeito de convite: Vê-mo - nos no futuro.
ZONGO FERNANDO DOS SABNTOS



*Mentor e Gestor Executivo
do Fórum Marketing Desportivo

Últimas Opinies

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Citaes

    O Caála foi um digno rival, fechou-se bem, mas o Petro trabalhou para ganhar. Esperamos ter  uma equipa cada vez melhor, porque nesta fase da prova os jogadores já estão mais soltos e os números de golos falam por si

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo da Hula

    Há muito, que os clubes provincianos que militam no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, divergem dos governos locais,  no que toca ao apoio ainda que mínimo às suas acções. Os governos, por sua vez, sempre alegaram que as verbas que   são cabimentadas não prevêem apoio aos seus clubes.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Pblico empurra cinco nacional ao Mundial da China

    A Selecção Nacional de Angola de Basquetebol vai fazer a oitava presença na mais alta roda do basquetebol Mundial, que a República Popular da China vai  organizar em 2019. Mais uma vez, o público angolano foi determinante para a qualificação.

    Ler mais »

  • 10 de Dezembro, 2018

    A "vara mgica" de Artur Almeida

    Sem terceira intenção, até porque ainda está por aquecer o seu cadeirão, faço o novo reparo a Artur Almeida. Vai para o facto de este nosso novo "governante" do nosso futebol, ter dito, há tempos, que não tem soluções mágicas para a modalidade. Será já uma antecipada e primeira desculpa aos desafios com que vai deparar-se no seu mandato?

    Ler mais »

Ver todas »