Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Custa pouco subir ao Girabola

22 de Setembro, 2018
Muito se tem falado do nosso Girabola, a alegria do povo pela sua competitividade, pelo factor de inclusão social que proporciona e, sobretudo, pela tamanha emotividade que transmite a cada jogo e, também, pelos muitos “problemas” que, por vezes, proporciona aos seus concorrentes, principalmente quando o assunto é arranjar meios para sustentar uma prova como esta.
Muitos dos clubes militantes na competição, se vêem à nora para sustentar o período de competição, quer na liquidação das despesas inerentes à competição, como fundamentalmente na manutenção dos respectivos planteis com pagamento de salários, prémios de jogos e afins.
Em virtude de a situação económica do País não ser das melhores e, igualmente, em consequência disso, as equipas com pouco poder financeiro e despidas de patrocinadores potenciais, se verem a contas para saldar as suas respectivas contas, se torna difícil perspectivar o próximo Girabola como sendo saudável, se, porventura, continuar nos mesmos moldes de disputa.
É que, se tornou meramente insustentável os moldes actuais, se tivermos em conta os níveis de despesa dos concorrentes. Manutenção dos planteis, contratações, material e equipamento desportivo, estágios, viagens, jogos, enfim toda uma gama de itens logísticos, que tornam exorbitantes a estrutura de custos da prova.
Mas ainda assim, muitos são os que enveredam numa luta renhida, para entrarem neste “imbróglio”. Falo dos clubes que agora ascenderam à divisão maior. Não gostaria de referir aqui os métodos como o conseguiram.
Ou seja, com apenas dois e três jogos, em séries pouco competitivas, adquirem logo o passe para o escalão superior, sem a estaleca competitiva requerente. Isso provoca que depois, para além de outras nuances, claudiquem numa prova de 30 jogos, que requer uma gestão apertada.
Por isso, Atlético Sport Aviação (ASA), Santa Rita de Cássia do Uíge e Bikuku Futebol Clube da Lunda Sul, me parecem avisadas pelas intempéries que irão encontrar na competição. Aliás, praticamente as três equipas regressam ao convívio dos grandes. O clube do aeroporto, como se sabe, é um tradicional “inquilino”, que acabou despromovido em 2017 e que agora regressa, mas ainda assim com os mesmos problemas de sempre. Os “católicos” do Uíge também são “regressados”. Voltam à fina-flor do futebol nacional, depois de caírem para a Segundona em 2015.
Do mesmo modo, atrevo-me a dizer que o “refundado” Progresso da Lunda-Sul, agora com a designação de Bikuku Futebol Clube, apura-se, num confronto com o Ferroviário do Huambo, em que não conseguiu ganhar a aposta.
Por aquilo que nos temos apercebido, ao se manterem os mesmos moldes de disputa do Girabola, será muito difícil essas equipas acompanharem a passada, com particular excepção à equipa da Lunda-Sul, cujo patrono já veio à terreiro “gabar-se” que tem dinheiro, até para “oferecer” e, por via disso, não terá dificuldades desta índole, durante o desenrolar da prova que, pelo que sabemos, será disputado igualmente a cinco velocidades. Em relação ao ASA e ao Santa Rita de Cássia, corre-se o risco de vermos repetir a história do “elevador”, senão mesmo desistência ao longo da caminhada, por manifesta falta de capacidade financeira, para suportar os encargos da prova.
Quem ousa assumir a sua presença na prova, deverá medir “as consequências” do acto e ter plena consciência de que em nada valerá “chorar” no ombro do governador provincial, para agilizar verbas para sustentabilidade.
Necessário se torna arranjarem e arregimentarem fontes credíveis de financiamento e rendimento, para que possam aguentar a empreitada. Não adiantará muito, se essa fonte for (…) vender fuba. Tenho dito! Morais Canãmua

Últimas Opinies

  • 23 de Fevereiro, 2019

    Avante petrolferos!

    Hoje, vamos voltar a abordar a campanha do Petro de Luanda nas Afrotaças que amanhã, a partir das 20 horas, no Estádio Borg El Arab, na cidade egípcia de Alexandria, defronta o Zamalek local, em jogo referente à última jornada do primeiro turno, do grupo D. Nesta altura, à entrada da terceira jornada da competição os rapazes às ordens de Beto Bianchi somam três pontos, fruto da vitória sobre o Gor Mahia do Quénia, aqui em Luanda, por duas bolas contra uma.

    Ler mais »

  • 23 de Fevereiro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não conseguimos um ponto. Quem logrou um ponto é o Petro em nossa casa. Pelo volume ofensivo que tivemos, merecíamos vencer o jogo.

    Ler mais »

  • 23 de Fevereiro, 2019

    A febre do futebol

    Depois do cerrar das cortinas do primeiro turno, com o duelo entre o Sagrada Esperança e o Petro de Luanda, que se saldou num empate nulo, as emoções do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabola Zap 2018/2019, regressam na próxima terça-feira. É o recomeço das hostilidades da maior prova do nosso “association” e que leva a alegria para os vários estádios espalhados pelo país.

    Ler mais »

  • 21 de Fevereiro, 2019

    Petro deve definir o que pretende

    O Petro de Luanda está a disputar três competições importantes a saber: Girabola, que já não ganha desde 2009, Taça de Angola e Taça da Confederação Africana. Desnecessário seria dizer, que não é uma empreitada fácil, pois ambas envolvem muito desgaste físico e económico.

    Ler mais »

  • 21 de Fevereiro, 2019

    Citaes

    O mais importante foi termos terminado o encontro num ambiente harmonioso. Concluímos que devemos reatar os trabalhos, tendo em conta os desafios que temos pela frente, que passam pela disputa do Girabola Zap e da Taça de Angola. Talvez na próxima semana, teremos mais alguma coisa por resolver em relação ao assunto.

    Ler mais »

Ver todas »