Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

DAgosto...ser campeo e estar atrs do Al Alhy

20 de Maio, 2019
Antes de tudo, porque é bom que se diga, hoje o 1º de Agosto, além da alegria do título,é o tetra na sua galeria, acorda, nesta segunda-feira, com um registo histórico em África: é a segunda equipa, depois do Al Ahly do Egipto, que termina o campeonato sem consentir uma derrota...
Ontem, pelo facto de já num dia,do ano de 2009, o Kabuscorp do Palanca ter goleado (4-2) o 1º de Agosto, tempo em que esta equipa de Beto Kangamba tinha craques da igualha de um Tresor Mputo Mabi, um sempre produtivo Albert Mayong, e o então activo Love Cabungula, muitos esperavam que, mesmo na condição de visitante, o Kabuscorp do Palanca fosse jogar e ganhar em casa da equipa militar, para impedir que conquistasse o campeonato.
Na verdade, pela tradição dos jogos entre si, e mesmo pelas aquisições que as duas equipas fizeram para a época, e pelo trabalho a doer na semana, com promessas de cada uma vencer a outra... o \"suspanse\" era elevadíssimo.
Hoje, contudo, não temos como não mandar um forte \"viva\" ao 1º de Agosto, formação que, a partir de certa altura, viu-se na obrigação de ganhar todos os jogos -sobretudo o de ontem com o Kabuscorp do Palanca - para acordar hoje campeão, mais uma vez.
Mesmo que se diga que, desde aquele Desportivo da Huíla-1º de Agosto no Lubango, parecesse haver alguma facilitação, alguma batota e outras coisas de melhor \"ver, ouvir v e calar\", a verdade, grande verdade mesmo, é que toda a tribo do futebol agostino - jogadores, treinadores, dirigentes, adeptos, sócios - têm razões de sobra para acordar nesta segunda-feira a cantar vitória com muita alegria de campeão. E porquê?
Porque, repita-se: o 1º de Agosto, por mérito próprio, sagrou-se campeão, cumpriu a promessa da luta pela conquista do troféu da prova.
Mesmo que não tenha acertado futebol espectacular e convincente em todos os jogos, a equipa militar quase concretizou aposta e a promessa feita, no início da época, pelo presidente do clube, Carlos Hendrick. Desde o ano de 2016, que o presidente do 1º de Agosto, assume de \"peito aberto\" o discurso da conquista, ao contrário do actual presidente do Petro de Luanda, Tomás Faria. Este era ainda, em 2011, vice-presidente para o futebol do Petro de Luanda, quando prometeu uma equipa que conquistaria o campeonato, mas até hoje....
Em 2014, acabou eleito a sétimo presidente de direcção do Petro de Luanda, e, na presença de antigas glórias do clube, augurou o mesmo. Não resultou. O ano passado reafirmou o compromisso de continuar a satisfazer os sócios, adeptos e público em geral, com a manutenção e conquista de títulos em futebol...porém não há equipa que chegue ao título.
Significa, assim, que vingou o \"recado\" do presidente do clube militar, Carlos Hendrick, para todos os concorrentes ao título nesta época. Tinha dito que, quem trabalha e investe, espera sempre colher os frutos, cria as condições necessárias, para vencer o campeonato.
Carlos Hendrick todos os anos vinca que o seu 1º de Agosto, vai entrar em todas os jogos respeitando sempre o trabalho das equipas adversárias. Por esta razão, a maioria dos analistas e comentaristas do futebol nacional concorda, pelo que se viu do 1º de Agosto: está mais forte. Só terá, agora, de redobrar esforços para fazer mais do que fez este ano na Liga dos Campeões, pois, ficou claro que a equipa militar ressente-se das ausências de eficientes abonos de família no seu ataque. Ainda não está a bastar, para as encomendas da sua linha de ataque.
O Petro de Luanda sentiu, em nossa opinião, o pássaro a fugir, quando não dominou a 1ª volta. Demonstrou que, este ano, embora não assumisse directa e oficialmente, como objectivo principal, vencer o campeonato, seria difícil, embora ostentasse os galões de 15 títulos.
A sua luta foi acérrima até ao fim, enfrentando adversários de nomeada, como o 1º de Agosto, Kabuscorp, Desportivo, Interclube e Progresso. Pelo que fez até ontem, deixou ver uma \"produção petrolífera\" de realce, sinal que estimula e motiva o plantel a jogar, para voltar a lutar pelo título de 2019/2020. Resta saber se a direcção voltará a apostar no técnico Toni Cosano e em jogadores como Tiago Azulão.
De resto, o campeonato - mais um - passou à história, vendo uma das equipas históricas, o ASA, a ser despromovida, e o Kabuscorp a baixar para a segunda divisão.
A Federação Angolana de Futebol, na próxima época, tem de ser escrava das suas palavras, para fazer disputar a prova totalmente envolta sobre a verdade desportiva, não permitindo o amadorismo a que se tem assistido sob o seu olhar. António Félix


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »