Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dcimo lugar reflecte sentido do dever cumprido

14 de Dezembro, 2019
O décimo-quinto lugar conseguido na 24ª edição do Campeonato do Mundo disputado na cidade japonesa de Kumamoto, melhorando o 19º conquistado há dois anos, na Alemanha, constitui uma safra boa.
Boa por vários factores. Por termos tido um desempenho bom, no cômputo geral e porque soubemos interpretar, da melhor forma, os fundamentos do jogo, essencialmente nas quatro partidas que o combinado nacional brilhantemente venceu.
Devemos reconhecer, no entanto, que a empreitada não foi fácil de toda, se tivermos em conta que, competitivamente, não houve um estágio que poderia dotar as atletas de maior capacidade e sentido de competição, bem como devido a quesitos que se ligam às finanças, a programação foi feita de tal forma, que as “Pérolas Negras” acabaram chegando em Kumamoto já em cima do dia do primeiro confronto.
Prova disso, foi a descaracterização que vimos nos primeiros dois desafios, nomeadamente diante da Sérvia, em que perdemos por 25-32; diante da Holanda, baqueamos por 28-35, vindo apenas a “acordar” no desafio frente à Noruega, em que vencemos por 30-24.
Dissemos “acordar”, porque literalmente foi isso que aconteceu nos primeiros jogos em que as nossas atletas, diante de um quadro de cerca de 8 horas de diferença, viram-se envolvidas na competição, principalmente nos dois primeiros confrontos, em períodos que estariam a dormir, se estivessem no país.
As mudanças biológicas abrupta provocaram que o organismo de cada uma das atletas se recusasse a adaptar-se ao ambiente de Kumamoto onde, no tal plano A do elenco de Pedro Godinho, o Boss da Federação Angolana da modalidade, constava chegarem cedo para efeitos de adaptação, o que não veio a acontecer por razões de desequilíbrios cambiais e disponibilidade tardia dos valores para as operações logísticas, nomeadamente compra de bilhetes de passagem, sustentabilidade e liquidação das despesas inerentes antes do período de competição, etc, etc.
Sendo assim, arrisco a qualificar a participação do combinado nacional na prova mundial de Kumamoto de positiva. A Selecção Nacional de Andebol Sénior Feminino honrou de facto o nome e a bandeira da Pátria.
A prestação das raparigas de Morten Soubak criou várias interpretações, quer quando a equipa perdia, como quando vencia. Muitos aludiam que a Selecção de Angola perdeu a sua essência de jogar em contra-ataque rápido e eficaz, como fazia bem recentemente e com outros treinadores no comando.
O certo é que as jovens em campo demonstravam estoicismo, bravura, patriotismo e sobretudo galhardia, honrando e suando a camisola com as cores da Nação.
Veja-se como se revelou a jovem Helena Paulo, uma guarda-redes de mãos cheias que se destacou, principalmente nas partidas onde Angola triunfou, nomeadamente diante da Eslovénia (33-24); Cuba (40-30) e Argentina (30-27).
Para além daquela, há igualmente o destaque das evoluções de Albertina Cassoma, duas vezes distinguida como Jogadora Mais Valiosa; de Isabel Guialo, que marcou na competição 40 golos, não esquecendo o desempenho de Azenaide Carlos e outras componentes do conjunto.
Dum modo geral, Angola saiu do Campeonato Mundial de Kumamoto com o sentimento do dever cumprido e com um largo sorriso nos lábios, igual ao que exibiram as atletas ao chegarem à Luanda e recebidas em apoteose. Muito obrigado pela vossa coragem, desempenho e patriotismo. A Pátria vos reconhece.
MORAIS CANÂMUA

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »