Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

De volta a febre pelo futebol!...

17 de Agosto, 2019
Para a alegria dos seus aficionados, está de regresso a maior festa futebol nacional, o Girabola Zap. Uma prova que inflama paixões e leva alegria para os vários estádios espalhados pelo país. É, enfim, a febre pelo desporto-rei que volta à ribalta.
Em 1979, quando foi instituída esta maior prova do nosso “association”, previa-se, incicialmente, fazer a sua disputa num mês de Outubro, algo que não foi efectivado, devido à morte inesperada do saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto, a 10 de Setembro. Por esse facto, o Campeonato Nacional da I Divisão, que nos últimas anos passou a designar-se Girabola Zap, teve início apenas num mês Dezembro e mais concretamente num dia 8, por força também dos 45 dias de luto decretados, na altura, pelo Bureau Político do MPLA-Partido de Trabalho pelo passamento físico de Neto. Depois, na sua segunda edição, em 1980, ao invés do começo em Outubro, como era de esperar, o campeonato passou a ter início entre os meses de Fevereiro e Março, uma situação que se arrastou até à época de 2018, que se disputou contra-relógio.
A referida temporada teve início em Março e disputou-se por um período de pouco mais de seis meses. Os motivos da disputa contra-relógio, foi motivada pela premente necessidade que havia de se ajustar o calendário do Girabola Zap ao dos demais países africanos. Ao cabo das épocas em que o Campeonato Nacional arrancava entre Fevereiro e Março e, por conseguinte, terminava entre os meses de Outubro e Novembro, os nossos embaixadores iniciavam as provas sob a êgide da Confederação Africana de Futebol (CAF) sem qualquer ritmo competitivo. Este motivo levava, em muitos casos, a que estes tombassem logo na primeira esquina, extorvando, de certo modo, a ascensão do nosso desporto-rei no ranking da da Federação Internacional de Futebol Assiociado (FIFA). Hoje, felizmente, com a disputa entre Agosto e Maio, essa questão de falta de ritmo das equipas, já não se coloca.
Noves fora os factores aqui arrolados, em relação a história do nosso Girabola Zap, é relevante focar também alguns aspectos que têm beliscado o curso da competição, ligados sobretudo às desistências, que têm ocorrido nas últimas épocas.
A poucas semanas do arranque da presente época, a direcção do Benfica do Lubango anunciou a indisponibilidade da sua participação por incapacidade financeira, ao que a Federação Angolana de Futebol (FAF), como medida de precaução, deliberou a sua substituição pelo Wiliete Sport Clube de Benguela. Contudo, depois dessa deliberação da “repescagem” do emblema da cidade das Acácias Rubras, a direcção do clube da águia huilana tentou recuar na posição, algo que não foi viabilizado pelo órgão reitor do futebol nacional, que já havia colocado o “preto no branco” em relação ao assunto. Desse modo, a Huíla vê coarctada da possibilidade de voltar a desfilar no carrossel do Girabola com dois representantes.
A onda de desistências vêm já desde a época de 1998, quando o Kabuscorp do Palanca, que na época passada foi rebaixado da I Divisão, por um diferendo com o antigo campeão do mundo pelo Brasil, Rivaldo, decidiu abandonar o Girabola, por alegada incapacidade financeira. Depois do emblema palaquino, ocorreram as do Grupo Desportivo da EKA do Dondo, 1999; Sécil Marítima e do Cambondo de Malanje, 2000; Benfica de Luanda, em 2017 e JGM do Huambo, em 2018, pelas mesmas razões. Como se pode ver, é uma situação que vem beliscando o Girabola Zap e que se deve, todavia, corrigir.
No entanto, voltando a transcorrer no leito daquilo que vai ser a época 2019/2020, que deu o pontapé de saída ontem com o duelo entre o Clube Desportivo da Huíla (CDH) e FC Bravos do Maquis do Moxico, é importante dizer que temos um Girabola Zap a estender-se por 10 das 18 províncias do país. Em termos percentuais, isso corresponde a 55,55 de todo território nacional. Já em termos de representatividade, por província, Luanda, com quatro equipas, continua a liderar a fasquia nesse quesito, correspondendo a 25 por cento. Segue-se-lhe Benguela, com três, por força da “respescagem” do Williet Sport Clube, tendo, nesse caso, um percentual de 18,55, e Huambo, com dois, com uma cifra de 12,5. Já as demais sete províncias que desfilam no certame, no caso Uíge, Cuando Cubango, Lunda-Norte, Huíla, Moxico, Cabinda e Cuanza Sul, com um equipa cada, têm uma cifra correspondente a 6,25 por cento.
De resto, estão assim lançados os dados para mais uma edição da maior prova do futebol nacional, em que o Petro de Luanda e 1º de Agosto, com 15 e 12 títulos cada, assumem-se como “grandes papões” e mais sérios candidatos ao título. Na discussão, como não podia deixar de ser, entram outras equipas como o CDH, terceiro classificado da época transacta, o Interclube e Sagrada Esperança da Lunda Norte, que também saíram-se bem na fotografia na época 2018/2019. As ver vamos!!!...
Sérgio.V.Dias

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »