Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Derrota frustra adeptos

14 de Novembro, 2019
O público correspondeu de forma positiva a chamada para estarem presente no Estádio 11 de Novembro. Nem a hora do jogo e muito menos a chuva que caiu em alguns bairros de Luanda inibiu a vontade de transmitirem o calor a sua selecção. Humilhados pelo resultado, mas consciente pelo dever cumprido os adeptos mereciam prenda melhor.
Não eram muitos, mas o suficiente para contribuírem para o arranque com pé direito, que infelizmente não aconteceu. Ansiedade em campo, a dada altura terá pesado para a derrota inesperada que abalou a todos aqueles que testemunharam ao vivo e não só a este descalabro.
A romaria começou muito cedo. Por volta das 16H00 se registava já um certo movimento na catedral do futebol nacional. A vontade de testemunharem o arranque positivo na caminhada rumo aos Camarões 2021 falou mais alto.
Nem a hora do jogo, pouco comum nestas paragens, influenciou na determinação e a vontade dos luandenses em representação do país de marcarem presença no recinto do jogo. Vestidos com as cores nacionais e com utensílios barulhentos, o sentimento patriótico suplantou todas as adversidades.
A palavra de ordem era, primeiro apoiar a nossa selecção rumo a vitória e depois pensar no resto. E este resto era, como regressar à casa sem transporte e com todos os riscos que podiam advir daí. Mas como estávamos na ressaca das comemorações do 44ª aniversário da independência nacional, todo o esforço era pouco para uma causa justa.
Os Palancas Negras começaram a sentir o calor e o carinho que os angolanos nutrem pela sua selecção logo à partida para o estádio. Por volta das 17H45\', a saída do Hotel Samba, onde está hospedado, um grupo de adeptos despediram os bravos rapazes com sorriso de esperança e fé, desejando boa viagem.
Ao longo do percurso Samba, Benfica e na Rua Fidel de Castro o autocarro que transportava a Selecção Nacional era acenado pelos transeuntes e aqueles que encontravam-se no interior das suas viaturas, numa clara demonstração de solidariedade.
E como promessa é dívida, a polícia cumpriu com aquilo que são as suas responsabilidades. As vias de acesso ao 11 de Novembro estavam asseguradas pelas forças da ordem, advertindo os amigos do alheio e transmitir a tranquilidade aos adeptos.
No interior do estádio, engalanado com as cores nacionais, as luzes artificiais deram outro brilho ao recinto. Ficou uma vez mais patente que jogar no período nocturno só tem um senão, exige maior segurança, porque em termos de cor e vida, é realmente outra coisa. E este cenário ficou patente ontem.
Com um início de jogo frenético, o golo de Wilson Eduardo, logo no segundo minuto, foi a prenda que os angolanos esperavam. Na resposta, os gambianos num espaço de quinze minutos fizeram dois golos, que pensava-se, que não retiraria a crença e a confiança. Os atletas ainda acreditaram, mas o destino estava traçado e ainda sofreram mais um no culminar da partida.
No final os adeptos vaiaram a selecção e cabisbaixo abandonaram o estádio inconformado com o resultado. O sacrifício em prol de uma causa justa de deixarem o seu conforto familiar ou o ambiente entre amigos, para testemunharem o jogo no estádio não foi compensado. Ainda assim, valeu a pena para uma causa justa.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »