Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Desporto Nacional "escrever certo por linhas tortas" !

21 de Janeiro, 2019
Essa continuará a ser a minha missão durante o ano de 2019, que não é de perto, e nem de longe, um mero exercício de \"mujimbos\", pois, raramente me valho de suposições de/ ou do talvez seja. Afinal, e parafraseando um conceituado cantor da praça musical nacional: \"Parar é morrer, caixão faz calor\".
Não podia ser, definitivamente, mais assertivo nessa minha missão, porque sendo uma pessoa, minimamente inteligente, acho que nunca deverei dizer que um dia deixarei de \"beber desta água\", até por razões de ordem estratégica, embora vivamos num país que não gosta muito de cultivar a palavra memória, pois, aqui esquece-se \"bem mal\" das promessas que alguns fazem e outros não cumprem.
Aliás, como qualquer outras das \"conversas\" que todas as segundas-feiras \"travo\" com os leitores assíduos deste espaço, sinto-me perfeitamente à vontade para afirmar que a minha escrita anunciada no início da colaboração com o Jornal dos Desportos foi, e sempre será, na perspectiva de preencher um vazio, que muito espaço vai ganhando e vai somando pontos, num país que não podia ter um outro nome lindo, Angola, levando em conta os resultados desportivos, bem como de gestão e dirigismo desportivo que se conhecem, cujo balanço ainda não foi estatisticamente feito, principalmente no binómio despesas \"versus\" receitas.
Contrariando uma conhecida mania nacional, sei que esta tendência não vai morrer solteira, pois, já descobri que o \"culpado\" pelo estado real das \"linhas tortas\" no qual tem andado o desporto nacional é uma entidade ministerial chamada Ministério da Juventude e Desportos (MINJUD), que se tem constituído numa pessoa que não é de bem, que não é de confiar, que não é de levar a sério, tal é a enorme muralha de desprezo, de ignorância, de silêncio que nos tem brindado como seus parceiros, num momento em que o sistema desportivo nacional exige uma visão integrada, onde todos, sem excepção, somos chamados a reflectir sobre a sua maximização no âmbito do fomento e da busca de alternativas para o financiamento do desporto.
Apesar da palavra marketing desportivo começar a fazer parte do léxico, do quotidiano desportivo nacional, sinto que, mesmo tendo sido bafejado pela sorte, e ao mesmo tempo me tem mais servido de madrasta.
Falar e escrever sobre marketing desportivo em Angola continuará a ser um dos meus principais \"pesadelos\", principalmente quando estou acordado, a pensar no futuro, pois, está é uma temática que não é levada a sério pelo MINJUD, que na sua permanente visão cinzenta não tem abraçado as nossas iniciativas, tão pouco conseguidas em procurar trazer, de forma especializada e técnica, a ferramenta marketing desportivo como uma das soluções para auto-sustentabilidade financeira do desporto nacional.
Que outra justificação existe para o Secretário do Estado para o Desporto, e para o Director Nacional para as Políticas desportivas, barrarem, em plena jornada comemorativa do Dia Nacional dos Desportos, a realização de fóruns ou workshops sobre marketing desportivo, apresentando quase sempre critérios ambíguos e, regra geral, de forma pouco simpática, para não dizer mesmo arrogante e envaidecida, justificações nada plausíveis para a não realização dos eventos que mencionei atrás?
Que fique a resposta no ar! Enquanto isso, aqui na terra permaneço onde sempre estive, sempre a passar pelo ninho de \"marimbondos\" para ver se chego ao mel, embora me sinta já realizado profissionalmente, pois, estou convencido de que a pessoa que inventou o marketing desportivo, pensou em mim, tendo acertado em cheio.
Fico por aqui, com a reafirmada promessa de, durante o ano em curso, voltar, mais vezes, a abordar este tema: Marketing Desportivo.
É um assunto que está muito longe de ser esgotado, como podem facilmente imaginar. E como remate final, desculpem o meu (mau) feitio, no artigo de hoje, mas, como cantou e bem, um outro conceituado cantor da praça musical nacional, \" se desfiou, vão ter que me assumir\".
ZONGO FERNANDO DOS SANTOS *
*Mentor e Gestor Executivo do Fórum Marketing Desportivo






































































































Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »