Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Devedores do BPC e o exemplo de Messi

13 de Agosto, 2018
Não quero citar aqui os nomes, porque quem vive na cidade sabe quem são... mas isto posso dizer: algumas das figuras do nosso desporto nacional, e do futebol em particular, todos eles revelados o ano passado, numa assustadora lista que veio a público, não se sabe porque engenharia, como tendo afinal contraído créditos agora mal parado, no maior banco público nacional - e estou a falar do Banco de Poupança e Crédito - é um assunto, é uma realidade, que vem destapar o véu e dar a ver que há clubes da batota, que só estão na alta roda do nosso campeonato, porque os dinheiros que os sustentam não são honrados.
Não sei se é o Kabuscorp do Palanca ou se é o Progresso do Sambizanga, mas a verdade já é nua e crua. Melhor dito, já é público: o Banco de Poupança e Crédito, só tem preferido \"malhar\" verbalmente por cima de quem, há algum tempo atrás, trouxe corajosamente para a praça pública, as identidades das pessoas físicas (isto é, as pessoas humanas) e colectivas (instituições, como são os clubes),que são conhecidas agora de Cabinda a Cunene, como caloteiras do dinheiro que é de todos nós. O BPC é nosso!
No caso das \"pessoas do futebol\" constantes da tal lista - uma tal lista de vergonha - todas elas caíram na lama, pelo menos de nome. Não sei se é o Kabuscorp do Palanca ou se é o Progresso do Sambizanga. Mas a Escola Norberto de Castro, onde já saíram craques como este Geraldo do 1º de Agosto, créditos avultados jamais teve, jamais beneficiou.
E então fica claro que a suposta imagem de grandes patrocinadores de algumas equipas, só acederam certamente ao crédito, aos empréstimos, devido a cor política ( nisso ninguém me finta!) que ostentam. Com o empurrão político, escancararam as portas do gabinete de quem assina, isto para não dizer aqui mesmo, que acediam desta forma directamente o cofres do nosso Banco de Poupança e Crédito. Não sei se é o Kabuscorp do Palanca ou se é o Progresso do Sambizanga!
As garantias com que se habilitaram aos \"exorbitantes\" créditos - agora mal parados - não sustentaram, a toda largura, o retorno que se esperava. Tudo está mal parado. Até para pagamento de contratos, salários e prémios dos jogadores, está tudo parado! Repito: não sei se é o Progresso do Sambizanga ou o Kabuscorp do Palanca, mas se alguns dos clubes possuem dirigentes que, politicamente, não encontraram estorvos para os créditos conseguidos, dando \"garantias verbais\", tendo agora, muitos destes clubes, problemas sérios, então também é porque, se calhar, nem mesmo a Recredit conseguirá atacar património algum, quando sabemos que há clubes, que nem sequer possuem uma sede em condições. Ainda mais agora atolados em dívidas com seus credores, desde jogadores, treinadores e dirigentes.
Recredit é instituição pública constituída, para o \"resgate\" financeiro do crédito. O prejuízo é grande, a possibilidade de recuperação é uma incógnita. Mas o BPC vê alguma possibilidade do dinheiro que saiu nas \"calendas gregas\", ser recuperado? Assustei-me, certa vez, em 2013, quando ouvi, que dezassete membros de uma mesma família, supostamente estavam envolvidos no descaminho de mais de 33 biliões de Kwanzas das contas do Banco de Poupança e Crédito...sem retorno.
Já, porém, fiquei alegre, quando soube da boa nova, que o Banco de Poupança e Crédito (BPC) veio a terreiro esclarecer a recuperação de cerca de 200 milhões de kwanzas que, alegadamente, tinham sido subtraídos do Tesouro Nacional, por um suposto funcionário de uma agência da instituição na província, graças à intervenção da Direcção Regional Norte do banco. Então, se na altura tal foi possível, com cidadãos sem o peso destes caloteiros, que agora estão na boca de toda a gente a darem que falar, será que aos clubes e dirigentes caloteiros não se lhes pode confiscar o que têm, só porque têm a \"almofada política\" para se encostarem?
Se, individualmente, têm património, eu estou pelo menos aqui, no sentido de ver para crer. E se for o Kabuscorp do Palanca? E se for o Progresso do Sambizanga? Olhemos só este lindo exemplo: o Supremo Tribunal de Espanha, já chegou a confirmar a condenação de Lionel Messi, a 21 meses de prisão, por causa de três crimes fiscais, por ele desviar 4,1 milhões de euros do fisco entre 2007 e 2009.
Em Angola há coragem para se fazer o mesmo?
António Félix

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »