Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dirio h dez anos

15 de Agosto, 2017
Cruzamos hoje um marco importante do nosso percurso editorial. Faz 10 anos desde que, movidos pelo sentimento de fazer mais e melhor, transformamos o Jornal dos Desportos numa publicação diária, dando luz aquele que seria o segundo quotidiano do país, juntando-se ao tradicional Jornal de Angola que havia ficado só, desde que em meados de 1977 o Diário de Luanda sumiu das bancas.

Na perspectiva de juntar o útil ao agradável, quis a direção da Edições Novembro fazer coincidir este passo com o arranque do Campeonato Africano de Basquetebol, Afrobasket\'2007, que teve início a 15 de Agosto desse ano no nosso país. Assim, o leitor, que passou a ter contacto diário com o jornal naqueles dias, terá sido levado a supor que fosse um exercício especial, apenas para dar cobertura jornalística à prova africana.

Na verdade, começava uma nova saga, de uma publicação que, com periodicidade bi-semanal, já tinha 13 anos de estrada, contados a partir de 31 de Janeiro de 1994 data da sua fundação. Lembra a memória que os dias que antecederam ao 15 de Agosto foram de grande adrenalina na Redacção, pois pairava ainda algum cepticismo. Mas o desafio já estava lançado, e a direcção encabeçada por José Ribeiro não tinha ouvidos para opiniões que pregassem o contrário.

Enfim, com um corpo redactorial ainda preenchido por carolas, contando-se aos dedos de uma só mão aqueles que já levavam mais de 20 anos de profissão, partimos para a \"aventurosa missão\", como uma embarcação que se faz às águas oceânicas sem certeza de atingir o porto de destino. Hoje, chegados aqui, podemos olhar para trás, soltar um suspiro de alívio, e concluir que valeu a pena o desafio.

Claro está que não somos advogados da causa própria, não seremos nós a avaliar e atribuir nota àquilo que fazemos. Seja como for, pensamos que o desporto, este fenômeno aglutinador de massas, e tomado no tempo da guerra fria como factor de Unidade Nacional, se sente melhor servido, porque encontra no Jornal dos Desportos uma caixa de ressonância diária das suas políticas e acções.

Entretanto, permite a nossa humildade reconhecer que não somos ainda aquilo que gostaríamos ser. Como humanos também somos falíveis. Temos as nossas debilidades, mas que, com entrega e dedicação, procuramos superar, não fosse a excelência a meta pela qual se batem todos perfecionistas. Queremos crescer não só no tempo de existência, mas também na qualidade do nosso produto final.

Vezes sem conta, somos incompreendidos e severamente criticados pelo mínimo erro de revisão ou de paginação cometido, como se a feitura do jornal começasse e terminasse na Redacção, descurando as outras áreas ligadas à sua produção. Ainda assim, não nos coibimos em dizer que os reparos para nós serão sempre bem vindos, desde que sejam construtivos e não destrutivos e eivados de má fé como às vezes acontece.

Queremos continuar a vincar o mesmo profissionalismo que nos tem mantido firmes na trincheira, mesmo quando as fontes se recusam a colaborar, mesmo quando ficamos com os carros de reportagem a conta com avarias técnicas, mesmo quando a falta de papel leve o Conselho de Administração à busca de soluções fora de casa. Melhorar sempre e sempre é o desafio de todo aquele que se arroga a um projecto arrojado e ambicioso como é fazer um jornal.

De resto, o próprio CA da Edições Novembro sempre apostou e investiu sério e forte nos seus produtos editoriais, com a implementação de políticas voltadas para a inovação periódica dos respectivos projectos gráficos, como aconteceu, muito recentemente, com o título-mãe (Jornal de Angola). Portanto, a aposta na melhoria é um desafio assumido.

Sabemos que muitos que estiveram connosco na primeira hora já cá não estão. Mas fazendo fé no velho aforismo segundo o qual \"os homens passam e as instituições ficam\", depositamos plena confiança nos que aqui se encontram, na convicção de que podem conferir um outro sopro de vitalidade ao JD, de modo que continue firme ao serviço do desporto angolano.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »