Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dificuldades atormentam Palancas Negras

08 de Junho, 2017
Em Angola continuamos a brincar com o desporto. Temos a sorte de ter uns cogumelos, como disse um dia um amigo meu, atletas que aparecem de vez em quando e que trazem resultados óptimos em algumas modalidades, mas em termos organizativos tudo está de rastos.Este intróito tem a ver com o que se está a passar com o nosso futebol, em termos de selecção. Pensei, eu e muitos outros angolanos, que a mudança verificada no órgão reitor do nosso futebol fosse superar as lacunas vividas no anterior elenco. Que os adeptos do futebol e não só, estivessem hoje a viver uma outra era, em função das promessas feitas pelo actual responsável do cadeirão máximo da FAF, Artur de Almeida, durante a sua campanha eleitoral.

Mas como sempre se disse, uma coisa é promessa, outra é a pura realidade. E, de facto, isto está a acontecer. Depois das vicissitudes vividas pela Selecção Nacional de Sub-17 na fase que antecedeu à fase final do CAN da categoria realizado no Gabão, em que tiveram uma fase de preparação deplorável, chegou a vez da Selecção \"AA\" viver os mesmos problemas.

Quem não tem, não inventa modas. Quem não tem possibilidades de comer uma boa garoupa, come uma boa lambula. A experiência da vida ensina-nos esta realidade. Não há nada que inventar.Isto, para dizer que se a FAF atravessa uma má fase em termos financeiros, não pode ultrapassar os limites financeiros. Se a presença na fase final do CAN Sub-17 estava consumada, e a sua disputa tinha de acontecer para que não houvesse uma mão pesada da CAF, o mesmo acontece com a disputa das eliminatórias ao CAN-2019 a disputar-se nos Camarões, então, o porquê da disputa do Torneio de Toulon, em França?

Não é isso um desperdício de dinheiro, quando sabemos que os cofres estão semi-vazios, ou mesmo vazios? Luxo na miséria! É assim que eu classifico a atitude da FAF. Querer aparecer sem ter meios! O próprio ministro da Juventude e Desportos, Albino da Conceição, foi claro quando disse em Janeiro a todas as Federações, entre elas a FAF, logo, aperceberam-se do anúncio de cortes orçamentais face à crise económica e financeira que o país vive, pelo que as federações tinham de encontrar alternativas para os compromissos internacionais.

Albino da Conceição lembrou ainda, que o presidente da FAF, Artur de Almeida, prometeu que dentro dos seus esforços e contactos pessoais conseguiria outros apoios para fazer face aos compromissos das mais distintas selecções. Pelos vistos, foram apenas promessas. Os Palancas Negras viveram momentos delicados em Portugal, para cumprir um estágio pré-competitivo antes do embate com o Burkina Faso, no sábado dia 10, para a jornada inaugural do Grupo I das eliminatórias a fase final do CAN-2019.

Dificuldades que se resumem, primeiro, na ausência de alguns dos seleccionados por Beto Bianchi, e depois por falta de adversários credíveis para alguns jogos de controlo. No seu segundo jogo de controlo, o combinado nacional defrontou a equipa de Sub-20 da Académica de Coimbra, depois de jogar com o Grupo Desportivo de Mealhada, da terceira divisão de Portugal.

Adversários que beliscam tudo quanto os Palancas Negras conquistaram a nível do Continente e não só. Por falta de dinheiro não fizeram o amistoso com Cabo Verde, que em Portugal também se prepara para as eliminatórias. Simplesmente ridículo!O Burkina Faso, selecção responsável pela ausência de Angola na fase final do CAN-2014 que se disputou na Guiné Equatorial, depois de uma vitória retumbante no Estádio 11 de Novembro, por pesados 3-0, disputou no fim-de-semana um amistoso com o Chile, simplesmente, o campeão sul-americano.Um autêntico paradoxo. Enquanto o Burkina Faso defrontava o campeão sul-americano, o seu adversário de sábado, Angola, jogava com uma equipa da terceira divisão de Portugal!

O que mais agrava tudo isso, é que o técnico do Burkina Faso é de nacionalidade portuguesa (Paulo Duarte). E, estando Angola a estagiar em Portugal, de certeza que enviou emissários para gravar os dois amistosos de Angola, e assim avaliar a forma de jogar do seu adversário.Ainda sobre o jogo de sábado em Ouagadougou, devo dizer que o espírito patriótico deve prevalecer, para que os Palancas Negras consigam um resultado positivo.

Os Palancas Negras querem, de certeza, vingar-se do desaire sofrido na tarde do dia 10 de Setembro de 2014, em pleno Estádio 11 de Novembro. Contudo, a questão de ânimo e confiança pode prejudicar a equipa nacional, por isso, Beto Bianchi e a sua equipa técnica têm um papel particular e importantíssimo na cabeça dos jogadores.O Burkina Faso tem uma situação particular a seu favor. Não podemos esquecer o local do encontro, o Estádio 4 de Agosto, na cidade de Ouagadougou, que vai estar lotado e que sabemos ser um autêntico inferno, conhecido por embalar a equpa para a baliza adversária. Policarpo da Rosa

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »