Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dinheiro para a FAF \"andar\"

25 de Abril, 2017
Para lá dos bons resultados desportivos que teimam a chegar e mancham o prestígio do futebol angolano, é ponto que a falta de dinheiro para pôr em andamento os projectos da Federação Angolana de Futebol posiciona-se na primeira linha dos problemas que o órgão reitor da modalidade enfrenta.
Igualmente sabe-se que a situação precede do mandato da actual direcção de Artur Almeida, que por conta da norma, obriga-se a assumir o activo e passivo da instituição que gere o desporto rei, com todo o valor a ele acrescido, do qual se acham valências para a vida em sociedade que passa também pelo futebol ou desporto, de um modo geral.

Aliás, salvo as motivações não reveladas ou desconhecidas, a penúria financeira que caracteriza os cofres da Federação Angolana de Futebol terá sido o motivo fulcral para que os Palancas Negras voltassem a ser comandadas por um treinador que em simultâneo tem contracto com um clube, no caso, Beto Bianchi, que é igualmente, treinador do Petro de Luanda.

E se tivermos que chamar à colação o provérbio segundo o qual \" quem não tem cão caça como o gato\", nos obrigamos a entender a posição delicada em que se encontra Artur Almeida e companheiros, que vão se cosendo como podem, para encontrar os caminhos e meios para devolverem o prestígio ao futebol angolano. sobretudo quanto ao futebol de selecções. Aliás, ao que nos remete a memória, o assunto já foi amplamente abordado neste e outros espaços mediáticos, o que nos obriga a aceitarmos o realismo conjuntural que se impõe, acima de qualquer outra boa intenção na reversão da situação, o que é um desejo colectivo.

Entretanto, sabendo que o choro pode durar o tempo que durar e que a alegria algum dia há de chegar, paira no ar anúncios de boas novas começa que poderão promover alguma satisfação à direcção da federação, que receberá, nos próximos tempos qualquer coisa como cinco milhões de dólares norte americanos, doados pela Federação Internacional de Futebol Associado, cuja sigla é FIFA. Adicionado à referida quantia, estão os patrocínios que foram conseguidos para as selecções de Sub-20 e sub17, e que trarão, de certeza, certo alívio às necessidades da Federação Angolana de Futebol, sobretudo pelos compromissos internacionais que se avizinham para as selecções dos escalões atrás citados, com primazia para os Sub-17 que devem disputar, brevemente, o CAN na categoria.

Compreende-se não serem os números necessários para as acções da FAF, mas convenhamos, é algo assinalável, considerando que o órgão chegou ao extremo de não ter dinheiro para pagará salários aos trabalhadores administrativos por longos e sofríveis 13 meses.A propósito, seria prestado um bom serviço público, caso o presidente de direcção ou alguém por este indicado viesse a público dizer o que já foi feito em relação aos salários atrasados, assunto que esteve arrolado nas promessas eleitorais da lista que venceu o pleito e dirige a futebol angolano, sem que isso represente qualquer espécie de advocacia em causa alheia, por nós encetada.

Noves fora isso, o momento é oportuno para começar-se a pensar nos projectos que merecem prioridade em termos de canalização dos cinco milhões de dólares, e que os mesmo sejam, de facto, aloucados às acções que promovam alguma mudança do estado em quase encontra o futebol angolano.
Até porque, o momento económico e financeiro que o país atravessa é caracterizado, dentre outros, pela observância de princípios de elevado rigor e disciplina na gestão dos recursos disponíveis, pelo que a Federação Angolana de Futebol, para além de não estar a margem da norma, obriga-se a dar o melhor destino aos valores que lhe chegam de \"graça caridosa\".Mais do que isso não posso exigir, até porque ainda existe alguma renitência por parte de certos gestores angolanos, sobretudo desportivos, em abrirem os livros das contas e movimentações financeiras das instituições que dirigem, pelo que, devemos aceitar no quadro do tal senhor \" é conjuntural\", MAS sabe-se que é no aproveitar que está o ganho.
Carlos Calongo

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »