Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dirigismo desportivo cosido no forro do casaco!

07 de Outubro, 2019
Existe ou não um sentimento cada mais vez crescente e ascendente de (in)gratidão no dirigismo desportivo nacional? É impossível não existir. Porque de alguns anos para cá o desporto em Angola é entendido por muita gente como um meio para destaque e diferenciação social, para não falar económica ou financeiramente.
Mas engane-se se pensar que a (in)gratidão é observada apenas no desporto nacional.
Todos sabemos que ela já se tornou um modo de vida noutros tipos de actividade e relações humanas. Só que o curioso e caricato é que no dirigismo desportivo nacional a (in)gratidão é tão transparente como a própria transparência , porque o seu exercício e o domínio da sua prática fazem dela ao mesmo tempo uma falsa força e uma verdadeira fraqueza! Não é por acaso que muita boa gente, misturada com pouca má gente deseja que dirigentes como Artur Almeida e Silva e Hélder Cruz “Maneda” peguem nos seus patins, e com os seus próprios pés deslizem para fora das instituições desportivas que actualmente dirigem. Mas estes não são casos únicos e exclusivos.
Há uma praga deles por esse país fora, e o prezado leitor deve conhecer muito mais do que eu! Embora haja casos e casos, a verdade é que por estas bandas tem soprado de forma muito forte, ventos que tem servido para rotular quase todo o mal ou desgraça que tem dominado o metier do dirigismo desportivo nacional.
Desde “brincadeira de mal gosto”, “merecem ir parar a Procuradoria Geral da República (PGR)” “dirigentes da matuta”, são poucos dos muitos que se vão ouvindo pelos quatros cantos desse país, que se os descrevesse em pormenor e detalhe o artigo terminaria por ali mesmo. E este não é o real objectivo do artigo de hoje.
Porque o objectivo não é falar sobre os efeitos, mas as causas dessa “tsunami” de (in)gratidão que tem varrido o dirigismo desportivo nacional. Normalmente, muitos dos dirigentes desportivos visados como os mais ingratos, são aqueles que mais usam e praticam a ingratidão com o próprio desporto, porque são os menos dados a grandes ‘feitos’, sobretudo em relação aos projectos, às propostas e relações pessoais estáveis. Normalmente, o seu alimento e suporte são discursos retirado de uma fabulosa caixa de ressonância, assente na falsidade de uma pertença nova moralidade e nova ética desportiva. Olhe que alguns deles convivem bem com as suas próprias contradições em relação a isso. Para não referir outras coisas bem mais feias que são o pacto que estabeleceram com jornalistas e comentaristas de muita e fácil lábia, que são reveladoras da sua incoerência no exercício das suas actividades relativamente às suas qualificações muito gelatinosas em relação à ética e à moral na gestão dos dinheiros públicos a si atribuídos.
Alguns deles nem merecem que se perca tempo a explicar-lhes várias noções elementares, de pura e crua gestão desportiva profissional porque ou é perda de tempo - porque não têm condições para entender e valorizar tudo o que envolve a ciência e a arte de gerir -, ou porque, estando tanto de má-fé, há muito tempo que deitariam tudo o que lhe foi ensinado para o caixote do lixo.
Zongo Fernando dos Santos

Últimas Opinies

  • 14 de Outubro, 2019

    Objectivo alcanado

    Terminou na passada sexta-feira, em Benguela, o Campeonato Africano de futebol para amputados, que durante dias a fio juntou naquela cidade do litoral angolano seis países, sendo cada qual com a sua capacidade competitiva, com a sua ambição e com a sua meta estabelecida no certame.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Mais um campeonato sem clima de Girabola!

    Já se tornou costume dizer-se, que os campeonatos de futebol da primeira divisão, não importa o país em que se realiza, devem dar aos prosélitos e amantes do futebol o que eles mais querem ver.

    Ler mais »

  • 14 de Outubro, 2019

    Devolver o basquetebol aos seus

    Ver um clássico do basquetebol nacional hoje as vezes dói. Continua a ter alguns bons executantes é verdade. Carlos Morais,Valdelicio, Armando Costa e uns poucos são ainda os tais que nos mantém nos sofás.

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    Os nossos embaixadores e a lotaria da Champions

    Há quase 40 anos a participar nas provas da Confederação Africana de Futebol (CAF), nesta época, pela primeira vez na história, o desporto-rei no país testemunha a presença simultânea de duas equipas angolanas na fase de grupos da maior prova de clubes continental.

     

    Ler mais »

  • 12 de Outubro, 2019

    possvel o 1 de Agosto e o Petro chegarem l!

    A entrada dos dois colossos do futebol angolano, para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, é um feito transcendente e que pode despoletar outros benefícios mil, se tivermos em conta toda a avalanche de interesses que encarna as hostes de um e de outro que, decididamente, partem em busca da conquista da África do futebol.

    Ler mais »

Ver todas »