Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dirigismo desportivo cosido no forro do casaco!

07 de Outubro, 2019
Existe ou não um sentimento cada mais vez crescente e ascendente de (in)gratidão no dirigismo desportivo nacional? É impossível não existir. Porque de alguns anos para cá o desporto em Angola é entendido por muita gente como um meio para destaque e diferenciação social, para não falar económica ou financeiramente.
Mas engane-se se pensar que a (in)gratidão é observada apenas no desporto nacional.
Todos sabemos que ela já se tornou um modo de vida noutros tipos de actividade e relações humanas. Só que o curioso e caricato é que no dirigismo desportivo nacional a (in)gratidão é tão transparente como a própria transparência , porque o seu exercício e o domínio da sua prática fazem dela ao mesmo tempo uma falsa força e uma verdadeira fraqueza! Não é por acaso que muita boa gente, misturada com pouca má gente deseja que dirigentes como Artur Almeida e Silva e Hélder Cruz “Maneda” peguem nos seus patins, e com os seus próprios pés deslizem para fora das instituições desportivas que actualmente dirigem. Mas estes não são casos únicos e exclusivos.
Há uma praga deles por esse país fora, e o prezado leitor deve conhecer muito mais do que eu! Embora haja casos e casos, a verdade é que por estas bandas tem soprado de forma muito forte, ventos que tem servido para rotular quase todo o mal ou desgraça que tem dominado o metier do dirigismo desportivo nacional.
Desde “brincadeira de mal gosto”, “merecem ir parar a Procuradoria Geral da República (PGR)” “dirigentes da matuta”, são poucos dos muitos que se vão ouvindo pelos quatros cantos desse país, que se os descrevesse em pormenor e detalhe o artigo terminaria por ali mesmo. E este não é o real objectivo do artigo de hoje.
Porque o objectivo não é falar sobre os efeitos, mas as causas dessa “tsunami” de (in)gratidão que tem varrido o dirigismo desportivo nacional. Normalmente, muitos dos dirigentes desportivos visados como os mais ingratos, são aqueles que mais usam e praticam a ingratidão com o próprio desporto, porque são os menos dados a grandes ‘feitos’, sobretudo em relação aos projectos, às propostas e relações pessoais estáveis. Normalmente, o seu alimento e suporte são discursos retirado de uma fabulosa caixa de ressonância, assente na falsidade de uma pertença nova moralidade e nova ética desportiva. Olhe que alguns deles convivem bem com as suas próprias contradições em relação a isso. Para não referir outras coisas bem mais feias que são o pacto que estabeleceram com jornalistas e comentaristas de muita e fácil lábia, que são reveladoras da sua incoerência no exercício das suas actividades relativamente às suas qualificações muito gelatinosas em relação à ética e à moral na gestão dos dinheiros públicos a si atribuídos.
Alguns deles nem merecem que se perca tempo a explicar-lhes várias noções elementares, de pura e crua gestão desportiva profissional porque ou é perda de tempo - porque não têm condições para entender e valorizar tudo o que envolve a ciência e a arte de gerir -, ou porque, estando tanto de má-fé, há muito tempo que deitariam tudo o que lhe foi ensinado para o caixote do lixo.
Zongo Fernando dos Santos

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »